RSS

Arquivo da tag: terremotos

Cientistas querem estudar terremotos silenciosos na Nova Zelândia

Produtos caídos ao chão após o terremoto desta segunda-feira (20) na pequena cidade de Wairarapa (Foto: Marty Melville/AFP)Produtos caídos ao chão após o terremoto em janeiro deste ano na pequena cidade de Wairarapa, que fica na Ilha Norte da Nova Zelândia (Foto: Marty Melville/AFP)

Uma equipe de sismólogos vai estudar os chamados “terremotos silenciosos” na fossa de Hikurangi, uma área de convergência de placas tectônicas que ficam em frente à ilha Norte da Nova Zelândia e que, acreditam os cientistas, seja capaz de gerar tremores de 9 graus de magnitude.

Durante as próximas duas semanas os cientistas vão colocar instrumentos de medição sísmica procedentes do Japão e dos Estados Unidos para estudar por um ano a atividade nesta área, situada na baía Poverty. As informações são do jornal “New Zealand Herald”.

O projeto representa a maior instalação de instrumentos no leito marinho na Nova Zelândia para estudar os eventos sísmicos lentos ou terremotos silenciosos, nos quais os deslocamentos não causam estrondos e acontecem, ao contrário de um terremoto convencional, em um período de horas, semanas ou meses. Os instrumentos fornecerão maior informação sobre os tremores e tsunamis na fossa de Hikurangi.

Tremores silenciosos na Nova Zelândia

Fossa de Hikurangi fica em frente à llha Norte do país, onde está a capital, Wellington

Ali, os terremotos silenciosos acontecem com um intervalo aproximado de cerca de 18 meses e deslocam porções de terreno dois centímetros para leste a cada uma ou duas semanas. Se este mesmo deslocamento se desse em alguns segundos, em vez de semanas, registraria terremotos de uma intensidade de seis a sete graus.

“As zonas de subducção, como a que se encontra em frente à ilha do Norte, podem gerar os maiores terremotos do mundo”, explicou o sismólogo neozelandês Bill Fry ao lembrar os tremores de Sumatra (Indonésia) em 2004 e o de Tohuku (Japão) em 2011, que registraram uma intensidade de 9,1 e 9 graus, respectivamente.

A Nova Zelândia se assenta na falha entre as placas tectônicas do Pacífico e Oceania e registra cerca de 14 mil terremotos a cada ano, dos quais entre 100 e 150 têm a potência suficiente para serem percebidos.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 14 de maio de 2014 em Tecnologia

 

Tags: , , , , ,

Vídeo mostra terremotos sentidos no planeta nos primeiros meses de 2014

Uma animação divulgada pelo Centro de Alerta de Tsunami do Pacífico (PTWC, na sigla em inglês) mostra todos os terremotos registrados ao redor do planeta desde 1° de janeiro até 30 de abril deste ano.

O vídeo, elaborado com dados do Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) e da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla em inglês), contém uma grande quantidade de tremores. Os círculos, de diferentes tamanhos, indicam a magnitude dos fenômenos, enquanto as cores apontam a profundidade marinha em que eles ocorreram.

Segundo o USGS, abalos sísmicos acontecem todos os dias, em uma média de 11 por hora. Os terremotos de magnitude moderada são menos comuns: um a dois por mês. No entanto, em abril, ocorreram 13 tremores de magnitude igual ou superior a 6,5, algo considerado incomum, segundo o centro de alerta de tsunamis.

No dia 1° de abril, um abalo de magnitude 8,2 sacudiu o Chile, matando pelo menos seis pessoas e deixou feridos graves. Dois dias depois, outro potente terremoto, desta vez de magnitude 7,8, voltou a assustar parte do país. Também foram registrados fenômenos considerados fortes na Nicarágua, no México, no Canadá e no sul do Oceano Atlântico.

De acordo com o PTWC, foram emitidos cinco alertas de tsunami no último mês: dois
no norte do Chile (em 1° de abril e 3 de abril) e três nas Ilhas Salomão (dias 12, 13 e 19 de abril).

Trecho de vídeo mostra locais (Foto: Reprodução/YouTube/PacificTWC)Trecho de vídeo mostra locais onde ocorreram terremotos entre janeiro e abril (Foto: Reprodução/YouTube/PacificTWC)

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 14 de maio de 2014 em Tecnologia

 

Tags: , , , , ,

Terremotos deixam 1 morto e dezenas de feridos no Paquistão

AppId is over the quota
AppId is over the quota

Uma pessoa morreu e dezenas se feriram em dois terremotos, de magnitudes 4,5 e 4,6, que sacudiram, nesta sexta-feira (9), a região de Nawabshah, no sul do Paquistão, informou a imprensa local.

O primeiro tremor ocorreu por volta das 3h55 locais e o segundo uma hora depois na região da província de Sindh, de acordo com o Instituto Geológico dos Estados Unidos (USGS, sigla em inglês), que monitora sismos em todo o mundo.

Uma mulher acompanha ferido em hospital após terremoto atingir o Paquistão. (Foto: AFP Photo)Uma mulher acompanha ferido em hospital após terremoto atingir o Paquistão. (Foto: AFP Photo)

O número de feridos ainda é incerto. A Efe noticiou 50 feridos. A France Presse (AFP) informou que o número de feridos é de 30 pessoas.

De acordo com a emissora local “Geo”, os telhados de algumas casas desabaram, causando a morte de uma mulher e deixando cerca de 50 feridos.

Os atingidos, entre eles crianças e mulheres, foram transferidos para hospitais próximos. Foi declarado estado de emergência na região, com medidas como o fechamento dos colégios.

Em setembro do ano passado, um terremoto causou a morte de aproximadamente 350 pessoas e feriu mais de mil na província do Baluchistão, no sul do país.

O pior terremoto da história do Paquistão ocorreu em 2005, na região da Caxemira, no norte do país, e calcula-se que causou a morte de pelo menos 80 mil pessoas.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 10 de maio de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , , ,

Vídeo mostra terremotos sentidos no planeta nos primeiros meses de 2014

Uma animação divulgada pelo Centro de Alerta de Tsunami do Pacífico (PTWC, na sigla em inglês) mostra todos os terremotos registrados ao redor do planeta desde 1° de janeiro até 30 de abril deste ano.

O vídeo, elaborado com dados do Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) e da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla em inglês), contém uma grande quantidade de tremores. Os círculos, de diferentes tamanhos, indicam a magnitude dos fenômenos, enquanto as cores apontam a profundidade marinha em que eles ocorreram.

Segundo o USGS, abalos sísmicos acontecem todos os dias, em uma média de 11 por hora. Os terremotos de magnitude moderada são menos comuns: um a dois por mês. No entanto, em abril, ocorreram 13 tremores de magnitude igual ou superior a 6,5, algo considerado incomum, segundo o centro de alerta de tsunamis.

No dia 1° de abril, um abalo de magnitude 8,2 sacudiu o Chile, matando pelo menos seis pessoas e deixou feridos graves. Dois dias depois, outro potente terremoto, desta vez de magnitude 7,8, voltou a assustar parte do país. Também foram registrados fenômenos considerados fortes na Nicarágua, no México, no Canadá e no sul do Oceano Atlântico.

De acordo com o PTWC, foram emitidos cinco alertas de tsunami no último mês: dois
no norte do Chile (em 1° de abril e 3 de abril) e três nas Ilhas Salomão (dias 12, 13 e 19 de abril).

Trecho de vídeo mostra locais (Foto: Reprodução/YouTube/PacificTWC)Trecho de vídeo mostra locais onde ocorreram terremotos entre janeiro e abril (Foto: Reprodução/YouTube/PacificTWC)

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 9 de maio de 2014 em Tecnologia

 

Tags: , , , , ,

Dois terremotos de magnitude 7 atingem norte do Chile

Dois terremotos de magnitude 7 atingiram a costa norte do Chile neste domingo (16), informou o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS). De um abalo sísmico para outro, houve um intervalo de um minuto.

O primeiro tremor foi registrado às 21h16 locais (18h16 no horário de Brasília) a 61 km da capital da província de Iquique, que leva o mesmo nome. O epicentro do abalo ocorreu a 35 km de profundidade.

Já o segundo terremoto ocorreu a 68 km da cidade portuária, e teve 33 km de profundidade.

Fonte G1

 
1 comentário

Publicado por em 16 de março de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , ,

Dois terremotos simultâneos abalam Porto Rico

Dois terremotos simultâneos de magnitudes 6,4 e 6,5 abalaram nesta segunda (13) San Juan e boa parte do norte de Porto Rico, informou o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês), que descartou o risco de tsunami.

Os tremores foram registrados passada a meia-noite do domingo, a cerca de 96 quilômetros a noroeste de San Juan.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 14 de janeiro de 2014 em Brasil

 

Tags: , , ,

Cientistas querem transformar celulares em sensores de terremotos

Na tentativa de conseguir prever com maior eficácia quando e onde terremotos podem acontecer, cientistas publicaram um estudo nesta segunda-feira (30) que afirma que os acelerômetros de smartphones – que identifica movimentos feitos nos dispositivos – podem detectar tremores de terra. Ainda, estes aparelhos conectados na rede de telefonia móvel poderiam transmitir dados em tempo real para os institutos geológicos espalhados pelo mundo.

O estudo publicado no boletim da Seismological Society of America aponta que os acelerômetros usados nos smartphones conseguem detectar tremores acima de cinco graus de magnitude. Por serem componentes baratos, eles poderiam ser usados para detectar terremotos em diversas partes do mundo.

Os celulares do futuro poderiam ter uma nova versão destes acelerômetros, mais sensíveis, e que pudessem identificar um pequeno terremoto. Ao ter acesso aos dados de diversos smartphones com o mesmo sistema, os cientistas conseguiriam ver onde há um terremoto ou onde há mais probabilidade de acontecer um tremor baseado nas informações que receber de usuários em determinada região.

Os cientistas podem criar aparelhos que usem os acelerômetros para levá-los para locais de maior incidência de terremotos e, com ele, estudar melhor e ter mais dados sobre eles.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 2 de outubro de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , , ,

Inundações e terremotos são o maior perigo às cidades, diz estudo

quake tsunami (Foto: Kyodo News/AP)Terremoto seguido de tsunami deixaram destruição no Japão em março de 2011 (Foto: Kyodo News/AP)

As inundações e os terremotos são os desastres naturais que representam o maior risco para os habitantes de todo o mundo, segundo um estudo feito pela seguradora suíça Swiss Re e publicado nesta quarta-feira (18). Atualmente, 1,7 bilhão de pessoas vivem em centros urbanos, o que representa um quarto da população global. Em 2050, cerca de 6,3 bilhões de pessoas poderão viver nas cidades.

A pesquisa mostra que 308 milhões de pessoas poderiam ser afetadas por grandes inundações, em decorrência do aumento dos níveis de água nos rios, indicou o grupo em comunicado. Cerca de 280 milhões de habitantes também poderiam ser atingidos por terremotos severos.

O trabalho abrangeu 616 centros urbanos do mundo e avaliou os riscos ligados a cinco tipos de desastres naturais, incluindo tsunamis e tempestades. Os autores estabeleceram uma diferença entre o impacto humano, o número de dias de trabalho perdidos por causa dos desastres e o impacto da perda de produtividade na economia nacional.

Quando a infraestrutura de uma cidade é danificada, a ponto de as pessoas não poderem ir para o trabalho, desastres naturais podem prejudicar de forma significativa a economia local e nacional, destacou o estudo.

Segundo o modelo da Swiss Re, as cidades da Ásia são as mais vulneráveis do mundo. Na região de Tóquio – com Yokohama à frente –, até 29 milhões de pessoas podem ser atingidas por terremotos. Tóquio-Yokohama também alcança o topo do ranking em termos de dias de trabalho perdidos, seguido por Osaka-Kobe e Nagoya.

Amsterdã-Rotterdã está em quinto lugar entre as cidades potencialmente mais expostas em termos de perda de produtividade, enquanto Los Angeles e Nova York estão, respectivamente, em sexto e sétimo lugar. Paris ocupa a nona posição.

Ainda de acordo com a pesquisa, um terremoto devastador em Los Angeles poderia afetar tantas pessoas quanto em Jacarta, mas a queda no valor devido aos dias de trabalho perdidos seria 25 vezes maior.

Em algumas regiões, um desastre natural pode ter consequências graves para a economia nacional, mesmo quando o impacto se limita ao nível da própria cidade. Esse é o caso, por exemplo, de Lima, no Peru, mas também de cidades menores, como San Jose, na Costa Rica, que são os principais centros de produção desses países.

Para a Swiss Re, o levantamento destaca a necessidade de entender o que torna as cidades mais resistentes e quais decisões devem ser tomadas sobre investimento e infraestrutura, com o objetivo de reduzir as perdas humanas e econômicas.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 22 de setembro de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , , ,

Japão vai perfurar crosta terrestre para entender origem de terremotos

Imagem feita em 11 de setembro mostra o navio Chikyu ancorado no porto de Shizuoka (Foto: Toshifumi Kitamura/AFP)Imagem feita em 11 de setembro mostra o navio Chikyu ancorado no porto de Shimizu (Foto: Toshifumi Kitamura/AFP)

Uma equipe de sismólogos iniciou nesta sexta-feira (13) uma missão com duração de quatro meses que tem o objetivo de perfurar a crosta terrestre em frente à costa do Japão. A expedição vai ajudar a determinar a origem dos terremotos.

Os cientistas saíram a bordo do navio especializado Chikyu, que significa Terra em japonês, dotado com equipamentos de satélites e de uma torre de perfuração de 121 metros que pode escavar 7.000 metros abaixo do fundo do mar.

O barco zarpou do porto de Shimizu (centro do Japão) e retomará, a 80 km da costa japonesa, um trabalho de perfuração iniciado em 2007 que prossegue regularmente desde então sob o Oceano Pacífico. Os investigadores perfurarão até a falha de Nankai (“a falha do mar do sul”), onde a placa do Mar das Filipinas passa sob a Placa Eurasiática.

A intensa atividade geológica desta zona pode provocar no longo prazo um terremoto potencialmente devastador, muito maior que o de magnitude 9 de 11 de março de 2011 que ocorreu mil quilômetros a nordeste desta zona e que causou um gigantesco tsunami. O Japão é alvo de 20% dos principais terremotos mundiais.

Instalação de sensores
Para saber mais sobre estes fenômenos, os cientistas querem perfurar até 3.600 metros sob o fundo oceânico durante esta missão. Durante outra missão no mesmo local no próximo ano espera-se chegar aos 5.200 metros, onde há fricção entre as placas.

“Pela primeira vez se perfurará diretamente até uma zona sísmica, onde é possível gerar uma energia considerável e provocar movimentos da crosta terrestre ao longo das falhas, provocando tsunamis”, explicou Tamano Omata, um investigador da agência japonesa de ciências e tecnologias marinhas e terrestres.

Os investigadores planejam instalar sensores na crosta e conectá-los a um sistema de análises situado em terra firme. “Queremos estudar como a crosta terrestre se move nos instantes anteriores aos terremotos” com o objetivo de prever melhor os terremotos no futuro, acrescentou Omata.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 17 de setembro de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , , ,