RSS

Arquivo da tag: secretrio

Crise da Ucrânia pode afetar pacto de arma atômica, diz secretário da ONU

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, alertou nesta segunda-feira (24) que a crise na Ucrânia pode ter profundas implicações para a integridade de um tratado mundial concebido para evitar a disseminação de armas nucleares.

A Ucrânia desistiu de seu arsenal nuclear da era soviética em 1994, conforme os termos do Memorando de Budapeste, assinado em conjunto com Grã-Bretanha, Estados Unidos e Rússia. O tratado deu garantias à soberania e integridade da Ucrânia em troca do compromisso, uma vez cumprido, de desistir das armas nucleares do país.

No entanto, a Rússia se apoderou da região ucraniana da Crimeia, cuja população é majoritariamente de origem russa, depois da queda em fevereiro do presidente pró-russo da Ucrânia e de meses de protestos em massa contra o governo.

Nesta segunda-feira, a Ucrânia ordenou que suas tropas remanescentes deixem a Crimeia, depois que as forças russas invadiram uma das últimas bases ucranianas nessa região do Mar Negro.

Os comentários de Ban sugerem a preocupação de que os acontecimentos na Ucrânia possam fazer com que alguns países se tornem mais relutantes em desistir de qualquer capacidade que possuam no âmbito das armas nucleares, ou levar outros a buscar produzi-las.

Em um pronunciamento em uma cúpula sobre segurança nuclear, em Haia, Ban disse que as garantias de segurança foram uma condição essencial para a posterior adesão da Ucrânia ao Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP), de 1970 – o pacto antiarmas nucleares firmado por 189 nações.

“No entanto, a credibilidade das garantias dadas à Ucrânia no Memorando de Budapeste de 1994 foi seriamente abalada pelos últimos acontecimentos”, disse ele à cúpula, da qual participam líderes de 53 países, incluindo o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 26 de março de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , , ,

EUA estão preparados para impor mais custos aos russos, diz secretário

Em visita ao Brasil, o secretário do Tesouro dos EUA, Jack Lew, disse que o país está preparado para impor mais custos aos russos e pediu que eles optem pela redução da violência. Lew visitou o Brasil e fez um pronunciameto após reunião com o ministro Guido Mantega, nesta segunda-feira (17).

“Estamos completamente preparados para dar passos crescentes impondo mais custos políticos e econômicos. Ao mesmo tempo, queremos deixar claro que o caminho da redução de violência continua disponível para os russos, e eles deveriam optar por usá-lo”, disse Lew.

O ministro da Fazenda brasileiro se disse disposto a fortalecer a possibilidade de ajuda econômica à Ucrânia por meio do Fundo Monetário Internacional (FMI). “Acredito que dentro das regras do FMI possamos, através de nosso diretores, organizar um programa de ajuda à Ucrânia”.

Em resposta ao governo russo, Lew disse as ações russas têm dado mais respaldo à autoridade dos EU” para impor custos aos oficiais do governo, indivíduos ou entidades que operam o setor bélico na Rússia e os que ajudam o governo do país. “As sanções imediatas em indivíduos determinados demonstra que já estamos impondo custos para os atos provocativos que têm sido tomados pela Rússia”, falou.

Mantega e o secretário do Tesouro dos EUA após reunião nesta segunda. (Foto: Simone Cunha/G1)Mantega e o secretário do Tesouro dos EUA após
reunião nesta segunda. (Foto: Simone Cunha/G1)

A União Europeia (UE) e os Estados Unidos decidiram adotar sanções contra personalidades consideradas responsáveis pela organização do referendo no qual os habitantes da Crimeia votaram a favor da anexação da península à Rússia, informou o Conselho Europeu e o governo de Washington.

Entre os alvos estão 13 russos e 8 ucranianos que sofrerão sanções por seis meses, renováveis. A lista oficial com os nomes será revelada nesta tarde, quando for publicada com urgência no Diário Oficial da União, confirmaram agências.

Há personalidades da Crimeia e autoridades russas, principalmente da Duma (câmara baixa do Parlamento) e militares que participaram nas ações ilegais, segundo informaram ministros, e inclui apenas personalidades do “segundo escalão”.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 19 de março de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , ,

Secretário americano se reunirá na Alemanha com oposição ucraniana

John Kerry fala à imprensa em um hotel em Jerusalém (Foto: Brendan Smialowski/Pool/Reuters)John Kerry durante visita a Israel
(Foto: Brendan Smialowski/Pool/Reuters)

O secretário de Estado americano, John Kerry, vai se reunir com líderes da oposição da Ucrânia, em paralelo à cúpula de segurança que acontece em Munique, na Alemanha, informou o governo dos Estados Unidos na quinta-feira (30).

No sábado à tarde, “ele [Kerry] terá a oportunidade de ter seu primeiro encontro com as principais figuras da oposição ucraniana”, disse um funcionário do alto escalão do Departamento de Estado dos EUA, pouco antes de o secretário ter iniciado sua visita de três dias à Alemanha.

A onda de manifestações na Ucrânia teve início depois que o governo desistiu de assinar, em 21 de novembro do ano passado, um acordo de livre-comércio e associação política com a União Europeia (UE), alegando que decidiu buscar relações comerciais mais próximas com a Rússia.

Na quinta-feira, o presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovich, acusou a oposição de “continuar envenenando a situação”, mas reconheceu que as autoridades cometeram “erros” no país, imerso em uma grave crise política.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 3 de fevereiro de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , , ,

Chanceleres se reúnem em NY para escolher novo secretário da Unasul

Os chanceleres sul-americanos vão se reunir de forma extraordinária nesta sexta-feira (27), em Nova York, para escolher um novo secretário-geral da União de Nações Sul-americanas (Unasul), informou o organismo em um comunicado divulgado nesta segunda-feira (23), em Quito.

O encontro acontecerá em paralelo à Assembleia Geral das Nações Unidas e terá como principal objetivo definir “a possível designação do novo secretário-geral” da Unasul, de acordo com a nota.

Os chanceleres vão se reunir na sede diplomática do Chile em Nova York.

Por falta de consenso, a Unasul decidiu adiar em sua mais recente cúpula – a do Suriname – a nomeação do sucessor do venezuelano Alí Rodríguez como novo secretário da organização. O bloco sul-americano foi criado em 2008.

Rodríguez concluiu seu mandato no cargo e, segundo o presidente equatoriano, Rafael Correa, Bolívia e Peru apresentaram candidatos, que não tiveram seus nomes divulgados.

A sede da secretaria-geral da Unasul fica em Quito.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 24 de setembro de 2013 em Brasil

 

Tags: , , , ,

EUA apoiam o povo do Quênia, afirma secretário de Estado

Os Estados Unidos estão seguindo de perto a sangrenta tomada do shopping do Quênia e apoiarão seus cidadãos nos próximos dias, afirmou o secretário de Estado do país, John Kerry, nesta segunda-feira (23).

“Os terroristas impiedosos e sem valor continuam sendo um grande desafio em qualquer lugar do mundo, como bem sabemos, tanto no centro de Manhattan ou em um shopping de Nairóbi ou em qualquer outra parte do mundo”, disse Kerry em uma coletiva de imprensa na sede Organização das Nações Unidas (ONU).

“Todos nós temos a responsabilidade de permanecer vigilantes. Apoiamos o povo do Quênia […] são pessoas fortes e precisarão do apoio do mundo nos difíceis próximos dias”, acrescentou.

Trabalhadores da Cruz Vermelha afirmam que 69 pessoas foram mortas até o momento no ataque iniciado no sábado, quando o grupo somali Al-Shebab, vinculado à Al-Qaeda, atacou um luxuoso centro comercial de Nairóbi.

“A conclusão é que esta tragédia é um terrível lembrete para todos nós de que compartilhamos um interesse comum”, ressaltou Kerry.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 24 de setembro de 2013 em Brasil

 

Tags: , , , ,

Secretário dos EUA diz ter apoio de países europeus para ação na Síria

O secretário de Estado dos EUA John Kerry após participar de reunião com países da União Europeia (Foto: AFP/Pool/Susan Walsh)O secretário de Estado dos EUA John Kerry após participar de reunião com países da União Europeia (Foto: AFP/Pool/Susan Walsh)

O secretário de Estado americano John Kerry elogiou neste sábado (7) a declaração da União Europeia pedindo uma resposta forte ao suposto ataque químico na Síria.

“Fiquei encorajado pela declaração que a UE deu”, afirmou Kerry em uma coletiva de imprensa conjunta com seu colega francês Laurent Fabius.

Ele acrescentou que vários países – “uma cifra de dois dígitos” – estão preparados para fazer parte de uma ação militar. “Contamos com mais países dispostos a participar em uma ação militar do que poderíamos, hoje, utilizar no tipo de ação que contemplamos”, disse ainda.

Fabius, por sua vez, também elogiou o apoio crescente à ideia de uma ação na Síria. “Existe um apoio amplo e crescente. Agora, sete dos oito países do G8 compartilham desta ideia”, afirmou.

O chanceler francês desmentiu que a França e os Estados Unidos estejam isolados no cenário internacional ante sua vontade de realizar uma ação militar contra Damasco. “É o contrário”, afirmou Fabius.

Paris e Washington estão a favor de uma ação “curta e com objetivos precisos”, afirmou o chanceler francês.

‘Solução pacífica’
Kerry participou mais cedo de uma reunião de chanceleres do continente europeu em busca de apoios para uma provável ação liderada pelos EUA contra o regime de Assad, acusado de matar pelo menos 1.429 pessoas em um provável ataque com gás sarin nos subúrbios de Damasco em 21 de agosto.

Após o encontro, Catherine Ashton, chefe da diplomacia da União Europeia, afirmou que os países do bloco querem uma “resposta clara e forte” aos ataques químicos na Síria. Mas eles pediram cautela e insistiram na solução política.

Ashton disse que os 28 países da UE concordaram em uma avaliação de que a informação disponível parece mostrar sólidas provas de que o governo sírio realizou um ataque químico em agosto. Mas vários ministros afirmaram que é importante esperar o resultado do relatório dos inspetores da ONU sobre os ataques químicos antes de um pronunciamento.

arte síria 3/9 (Foto: 1)

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 8 de setembro de 2013 em Brasil

 

Tags: , , ,

Secretário dos EUA quer que o dia letivo dos jovens comece mais tarde

Arne Duncan, secretário da Educação dos EUA (Foto: Ann Heisenfelt/AP)Arne Duncan, secretário da Educação dos EUA
(Foto: Ann Heisenfelt/AP)

Começar a aula um pouco mais tarde pode ajudar os adolescentes a ter um melhor aproveitamento na escolar. Esta é a opinião do secretário da Educação dos Estados Unidos, Arne Duncan, que sugere que as escolas norte-americanas retardem o início da entrada em sala de aula para os jovens que estudam pela manhã.

“Muitos estudos e o senso comum indicam que os adolescentes têm dificuldades para levantar da cama e ir pegar ônibus para a escola”, disse Duncan, que foi diretor das escolas públicas de Chicago, segundo reportagem da Associated PR. O governo permite que cada distrito defina o horário de início das aulas. Em geral as aulas começam entre 7h e 9h, dependendo da série e da localidade.

Para Kyla Wahlstrom, diretora do centro de pesquisas aplicadas em desenvolvimento da educação da Universidade de Minnesota, “os cérebros dos adolescentes têm uma biologia diferente”.

Nos últimos 17 anos, Wahlstrom estudou a relação entre os ciclos de sono dos adolescentes, cérebros e aprendizagem. Ela concluiu que as escolas que querem estudantes bem preparados precisam de estudantes descansados. O estudo mostrou que há uma queda no índice de faltas, depressão, obesidade, evasão escolar e até mesmo acidentes de carro quando os alunos vão à escola depois de uma boa noite de sono.

A maioria dos médicos recomendam entre 8,5 e 9,5 horas de sono para os alunos. Uma pesquisa feita pelo distrito de Fairfax, no estado norte-americano da Virgínia, constatou que dois em cada três alunos adolescentes dormiam sete horas ou menos por noite antes de ir à escola. O distrito escolar decidiu então empurrar o início das aulas para as 8h ou até mais tarde.

Alunos adolescentes rendem melhor quando entram na escola mais tarde, segundo pesquisa (Foto: Mark Lennihan/AP)Alunos adolescentes rendem melhor quando entram na escola mais tarde, segundo pesquisa (Foto: Mark Lennihan/AP)

“Os adolescentes têm um relógio biológico diferente”, disse Terra Ziporyn Snider, o co-fundador de uma ONG que defende o início mais tarde do dia letivo. “Você não pode correr com a lição em uma hora em que os alunos não estão prontos para aprender.”

“As crianças que dormem pouco vão mal na escola”, disse Joseph Buckhalt, professor da Faculdade de Educação da Universidade de Auburn. Ele vem acompanhando os padrões de sono de 250 crianças, bem como os seus testes de QI, o desempenho em testes padronizados, suas notas e comportamento. Suas descobertas sugerem que o sono é tão importante para o desempenho do aluno, como dieta e exercício.

“Todos os dados que temos visto no sono mostra que as crianças, especialmente adolescentes, estão dormindo menos”, disse ele. “Se você não dorme bem, você não precisa pensar muito bem.” Ele diz que as atividades depois da escola, como esportes ou clubes, e a pressão por um bom desempenho na escola, com estudos até tarde da noite, acabam prejudicando o aluno.

Para os alunos provenientes de famílias menos abastadas, os efeitos podem ser agravados. “Cinquenta anos atrás, nós aprendemos que as crianças com fome não fazem bem na escola. Agora sabemos que as crianças sonolentas não fazem bem na escola”, disse Buckhalt. “Agora temos que fazer algo sobre isso.”

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 6 de setembro de 2013 em Brasil

 

Tags: , , , ,