RSS

Arquivo da tag: Quest

Declaração de cantor do Jota Quest contra baianos será apurada pelo MP

Documento protocolado pelo advogado baiano (Foto: Juno Barbosa Leite / Arquivo Pessoal)Documento protocolado pelo advogado baiano
(Foto: Juno Barbosa Leite / Arquivo Pessoal)

Após dizer que “baiano não trabalha” durante um show em Salvador, Rogério Flausino, vocalista da banda Jota Quest, terá sua declaração investigada pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA).

Na quarta-feira (4), um advogado entrou com uma “notícia-crime”, representação contra a frase de Flausino, que foi recebida pela promotora de Justiça Márcia Virgens e encaminhada ao Grupo de Atuação Especial de Combate à Discriminação (Gedis). O Ministério Público protocolou a representação nesta quinta-feira (5).

Segundo Juno Leite, autor da ação, o mecanismo de “notícia-crime” serve para apresentar à Promotoria um fato considerado como crime, nesse caso o de preconceito relacionado à origem. O advogado não esteve na apresentação da banda mineira em Salvador, mas assistiu a vídeos apresentados por familiares que estiveram no show e se disse indignado com a declaração.

“Causa indignação porque o povo baiano, e nordestino, é trabalhador. Historicamente, são os operários que colocam o país para andar. A nível de sul e sudeste, quando você fala sobre mão-de-obra, o montante é praticamente daqui do nordeste. Para uns, a declaração pode ter soado como simples piada, brincadeira, mas, a partir do momento em que ele proferiu aquilo, já configurou crime, já consumou, não há o que se falar, não cabe aí o que se retratar”, diz.

De acordo com o advogado, apesar do crime de preconceito prever pena de reclusão de um a três anos e multa, o objetivo não é que o artista mineiro seja detido.

“Não desejo que o Rogério [Flausino] vá preso, seria uma pena de caratér pedagógico, para que as pessoas acordem, abram os olhos e se toquem que esse tipo de ideia está equivocada e atinge a dignidade do baiano. Para quem é baiano e está na luta do dia a dia, isso atinge a dignidade da pessoa. Quando você diz que alguém não trabalha a pessoa a não é digna. O objetivo é combater esse tipo de ideia”, pontua. 

Para o advogado, a declaração se agrava por se tratar de uma figura pública, “que, de certa forma, exerce influência nas pessoas”, diz. Após avaliação, o MP pode ou não encaminhar  denúncia à Justiça e o juiz dará ou não parecer farovável à abertura de um processo judicial.

O G1 entrou em contato com a assessoria de comunicação do músico, mas não foi atendido até o fechamento desta matéria.

Rogério Flausino se apresenta no Circuito Banco do Brasil em Salvador, no sábado (31) (Foto: Divulgação/Vitor Nomoto/Circuito BB)Rogério Flausino se apresentou no Circuito Banco do Brasil em Salvador, no sábado (31) (Foto: Divulgação/Vitor Nomoto/Circuito BB)

O caso
A banda mineira Jota Quest foi vaiada durante o show que fez no Circuito Banco do Brasil em Salvador, no sábado (31). A reação da plateia aconteceu depois que o vocalista Rogério Flausino disse que os baianos poderiam ficar até tarde na “festa”, porque era sábado à noite. Ele brincou ao comentar que baiano “não trabalha” em qualquer dia da semana, não só domingo.

Depois das vaias, ele se desculpou. Disse que precisava “discutir a relação” e se explicou, dizendo que é mineiro e sempre escuta piadas com queijo. “Eu queria que vocês me perdoassem. Eu amo isso aqui, venho sempre no carnaval. Estou sempre aqui e foi só uma brincadeira”, disse.

Fonte G1

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 8 de setembro de 2013 em Música

 

Tags: , , , , ,

Além de Jota Quest, lista tem artistas com falas polêmicas em shows

Rogério Flausino se apresenta no Circuito Banco do Brasil em Salvador, no sábado (31) (Foto: Divulgação/Vitor Nomoto/Circuito BB)Jota Quest toca em Salvador, no sábado (31)
(Foto: Divulgação/Vitor Nomoto/Circuito BB)

A banda Jota Quest foi vaiada durante o show que fez em Salvador, no sábado (31). A reação da plateia aconteceu depois que o vocalista Rogério Flausino disse que os baianos poderiam ficar até tarde na “festa”. Ele brincou ao comentar que baiano “não trabalha” em qualquer dia da semana, não só domingo. Depois das vaias, ele se desculpou. Disse que precisava “discutir a relação” e se explicou, dizendo que é mineiro e sempre escuta piadas com queijo. “Eu queria que vocês me perdoassem. Eu amo isso aqui, venho sempre no carnaval. Estou sempre aqui e foi só uma brincadeira”, disse.

Assim como o Jota Quest, outros artistas brasileiros já causaram polêmica com declarações durante shows. Veja abaixo lista com os casos mais recentes:

Gusttavo Lima durante show em Iperó (SP) (Foto: Thiago Nicolau / Novo Agito)Gusttavo Lima durante show em Iperó (SP)
(Foto: Thiago Nicolau / Novo Agito)

Gusttavo lima

O sertanejo Gusttavo Lima fez desabafo durante um show em março deste ano, dizendo que a apresentação poderia ser a última de sua carreira. No palco, diante do público, ele discursou: “São 14 anos de carreira, dez cantando em barzinho. Tô pensando seriamente… Talvez este seja um dos últimos shows que eu vou fazer na minha vida. Eu já não aguento mais, eu já não suporto mais.” Relembre o caso.

Vocalista Chorão (à direita) dá bronca em baixista Champignon durante show do Charlie Brown Jr. neste sábado (8) (Foto: Reprodução/YouTube)Vocalista Chorão (à direita) dá bronca em baixista
Champignon durante show do Charlie Brown
(Foto: Reprodução/YouTube)

Chorão

O vocalista do Charlie Brown Jr., Chorão, fez longo discurso contra Champignon, baixista do grupo, em show Apucarana (PR) em novembro de 2012. Após cerca de 4 minutos de acusações do líder da banda, o baixista deixou o palco. O vídeo foi registrado por uma pessoa presente na apresentação e postado no mesmo dia no YouTube. Chorão, que morreu em 2013, dirige-se ao companheiro de banda e afirma que Champignon deveria “ficar muito grato” por ter sido aceito de volta à banda, da qual se desligou em 2005, para retornar no ano passado. “Você não tem nem coragem de falar a verdade”, prossegue o cantor, referindo-se a uma suposta acusação de que teria “roubado” o grupo. Em seguida, ele questiona um outro músico, Marcão: “Eu roubei alguém nessa porra dessa banda?”. A resposta é negativa. Relembre o caso.

Tico Santa Cruz, vocalista do Detonautas, durante show em Boa Vista (Foto: Rodrigo Menaros/G1)Tico Santa Cruz, vocalista do Detonautas
(Foto: Rodrigo Menaros/G1)

Tico Santa Cruz

O vocalista do Detonautas Roque Clube se irritou durante um show da banda em agosto deste ano, em evento do Diretório Central de Estudantes (DCE) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Em vídeo divulgado na internet, Tico Santa Cruz se demonstra insatisfeito com a qualidade dos equipamentos de som e interrompe a apresentação. “Este PA serviria no máximo para 1,5 mil pessoas, e tem mais de 10 mil pessoas aqui. Então, eu agradeço a vocês que estão aqui na frente. E, a vocês que estão aí detrás, eu peço mil desculpas por não conseguirmos atingi-los aí com nosso som. Mas, faremos o esforço máximo para que esta noite seja inesquecível e divertida”. A sigla PA, em inglês, Public Audition, é usada para se referir ao som que alcança o público em shows e eventos. Relembre o caso.

Rita Lee faz show em Barra dos Coqueiros (SE) (Foto: Reprodução/ TV Sergipe)Rita Lee faz show em Barra dos Coqueiros (SE)
(Foto: Reprodução/ TV Sergipe)

Rita Lee

Momentos após show em janeiro de 2012, em Sergipe, a cantoria Rita Lee afirmou pelo Twitter que foi detida pela Polícia Militar por causa do que havia dito durante sua apresentação. Ela foi uma das três atrações da noite do sábado (28) do Festival Verão Sergipe, e cantava na praia Atalaia Nova, no município de Barra dos Coqueiros, próximo à capital Aracaju. “Polícia dando trabalho p/ mim, quer me prender, embasamento legal ñ há, ñ retiro uma palavra do q disse, o show era meu! [sic]”, afirmou Rita Lee em seu perfil. A cantora foi detida porque teria xingado policiais que faziam a segurança no local de “cachorros” e “filhos da puta”, segundo testemunhas. Relembre o caso.

Joelma, da banda Calypso (Foto: Flávio Alves / G1)Joelma, da banda Calypso (Foto: Flávio Alves/G1)

Joelma

Um desabafo da cantora Joelma, da banda Calypso, sobre a vontade de seguir carreira gospel, feito em junho deste ano, no São João da Capitá, no Recife, gerou um mal-entendido nas redes sociais. Algumas pessoas divulgaram em seus perfis que a artista havia anunciado o fim do grupo. Não era verdade, ela apenas havia comentado sobre desejo de lançar disco gospel, em dar fim à banda. Relembre o caso.

'Lavei a alma aqui', disse Luciano (Foto: Joka Madruga/G1)Luciano canta em Curitiba (Foto: Joka Madruga/G1)

Luciano

Uma briga momentos antes de um show em Curitiba (PR) abalou Zezé di Camargo e Luciano em novembro de 2011. Luciano chegou a anunciar o término da dupla, mas assessoria dos cantores negou o fim da parceria, em seguida. No Teatro Guaíra lotado, o público que esperava ver a dupla foi surpreendida: apenas Zezé cantou e disse que Luciano foi embora. Meia hora depois, Luciano apareceu: “Não era para eu estar aqui agora. Até o final do ano vou cumprir todos os meus compromissos. Mas o ano que vem o meu irmão vai continuar a carreira sozinho, e vocês vão ser com certeza a segunda voz que ele sempre mereceu e que merece para o resto da vida. Valeu de coração e obrigado”. Relembre o caso.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 5 de setembro de 2013 em Música

 

Tags: , , , , ,

Jota Quest é vaiado em show ao dizer que baianos não trabalham

Rogério Flausino se apresenta no Circuito Banco do Brasil em Salvador, no sábado (31) (Foto: Divulgação/Vitor Nomoto/Circuito BB)O vocalista mineiro Rogério Flausino se apresenta com o Jota Quest no Circuito Banco do Brasil em Salvador, no sábado (31) (Foto: Divulgação/Vitor Nomoto/Circuito BB)

A banda mineira Jota Quest foi vaiada durante o show que fez no Circuito Banco do Brasil em Salvador, no sábado (31). A reação da plateia aconteceu depois que o vocalista Rogério Flausino disse que os baianos poderiam ficar até tarde na “festa”, porque era sábado a noite. Ele brincou ao comentar que baiano “não trabalha” em qualquer dia da semana, não só domingo.

Depois das vaias, ele se desculpou. Disse que precisava “discutir a relação” e se explicou, dizendo que é mineiro e sempre escuta piadas com queijo. “Eu queria que vocês me perdoassem. Eu amo isso aqui, venho sempre no carnaval. Estou sempre aqui e foi só uma brincadeira”, disse.

Além do grupo de pop rock, Joss Stone, Carlinhos Brown, Skank, Preta Gil (com participação de Jau), Monobloco, Ask2Quit e Taboo se apresentaram no Wet’n Wild. O Circuito acontece em Salvador, Curitiba (12/10), Belo Horizonte (02/11), Rio de Janeiro (09/11), Brasília (07/12) e São Paulo (14/12). Entre as atrações que tocam nas seis cidades, os destaques são Stevie Wonder, Yeah Yeah Yeahs, Red Hot Chili Peppers, Simple Minds e Jason Mraz.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 5 de setembro de 2013 em Música

 

Tags: , , , ,

Além de Jota Quest, lista tem artistas com falas polêmicas em shows

AppId is over the quota
AppId is over the quota
Rogério Flausino se apresenta no Circuito Banco do Brasil em Salvador, no sábado (31) (Foto: Divulgação/Vitor Nomoto/Circuito BB)Jota Quest toca em Salvador, no sábado (31)
(Foto: Divulgação/Vitor Nomoto/Circuito BB)

A banda Jota Quest foi vaiada durante o show que fez em Salvador, no sábado (31). A reação da plateia aconteceu depois que o vocalista Rogério Flausino disse que os baianos poderiam ficar até tarde na “festa”. Ele brincou ao comentar que baiano “não trabalha” em qualquer dia da semana, não só domingo. Depois das vaias, ele se desculpou. Disse que precisava “discutir a relação” e se explicou, dizendo que é mineiro e sempre escuta piadas com queijo. “Eu queria que vocês me perdoassem. Eu amo isso aqui, venho sempre no carnaval. Estou sempre aqui e foi só uma brincadeira”, disse.

Assim como o Jota Quest, outros artistas brasileiros já causaram polêmica com declarações durante shows. Veja abaixo lista com os casos mais recentes:

Gusttavo Lima durante show em Iperó (SP) (Foto: Thiago Nicolau / Novo Agito)Gusttavo Lima durante show em Iperó (SP)
(Foto: Thiago Nicolau / Novo Agito)

Gusttavo lima

O sertanejo Gusttavo Lima fez desabafo durante um show em março deste ano, dizendo que a apresentação poderia ser a última de sua carreira. No palco, diante do público, ele discursou: “São 14 anos de carreira, dez cantando em barzinho. Tô pensando seriamente… Talvez este seja um dos últimos shows que eu vou fazer na minha vida. Eu já não aguento mais, eu já não suporto mais.” Relembre o caso.

Vocalista Chorão (à direita) dá bronca em baixista Champignon durante show do Charlie Brown Jr. neste sábado (8) (Foto: Reprodução/YouTube)Vocalista Chorão (à direita) dá bronca em baixista
Champignon durante show do Charlie Brown
(Foto: Reprodução/YouTube)

Chorão

O vocalista do Charlie Brown Jr., Chorão, fez longo discurso contra Champignon, baixista do grupo, em show Apucarana (PR) em novembro de 2012. Após cerca de 4 minutos de acusações do líder da banda, o baixista deixou o palco. O vídeo foi registrado por uma pessoa presente na apresentação e postado no mesmo dia no YouTube. Chorão, que morreu em 2013, dirige-se ao companheiro de banda e afirma que Champignon deveria “ficar muito grato” por ter sido aceito de volta à banda, da qual se desligou em 2005, para retornar no ano passado. “Você não tem nem coragem de falar a verdade”, prossegue o cantor, referindo-se a uma suposta acusação de que teria “roubado” o grupo. Em seguida, ele questiona um outro músico, Marcão: “Eu roubei alguém nessa porra dessa banda?”. A resposta é negativa. Relembre o caso.

Tico Santa Cruz, vocalista do Detonautas, durante show em Boa Vista (Foto: Rodrigo Menaros/G1)Tico Santa Cruz, vocalista do Detonautas
(Foto: Rodrigo Menaros/G1)

Tico Santa Cruz

O vocalista do Detonautas Roque Clube se irritou durante um show da banda em agosto deste ano, em evento do Diretório Central de Estudantes (DCE) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Em vídeo divulgado na internet, Tico Santa Cruz se demonstra insatisfeito com a qualidade dos equipamentos de som e interrompe a apresentação. “Este PA serviria no máximo para 1,5 mil pessoas, e tem mais de 10 mil pessoas aqui. Então, eu agradeço a vocês que estão aqui na frente. E, a vocês que estão aí detrás, eu peço mil desculpas por não conseguirmos atingi-los aí com nosso som. Mas, faremos o esforço máximo para que esta noite seja inesquecível e divertida”. A sigla PA, em inglês, Public Audition, é usada para se referir ao som que alcança o público em shows e eventos. Relembre o caso.

Rita Lee faz show em Barra dos Coqueiros (SE) (Foto: Reprodução/ TV Sergipe)Rita Lee faz show em Barra dos Coqueiros (SE)
(Foto: Reprodução/ TV Sergipe)

Rita Lee

Momentos após show em janeiro de 2012, em Sergipe, a cantoria Rita Lee afirmou pelo Twitter que foi detida pela Polícia Militar por causa do que havia dito durante sua apresentação. Ela foi uma das três atrações da noite do sábado (28) do Festival Verão Sergipe, e cantava na praia Atalaia Nova, no município de Barra dos Coqueiros, próximo à capital Aracaju. “Polícia dando trabalho p/ mim, quer me prender, embasamento legal ñ há, ñ retiro uma palavra do q disse, o show era meu! [sic]”, afirmou Rita Lee em seu perfil. A cantora foi detida porque teria xingado policiais que faziam a segurança no local de “cachorros” e “filhos da puta”, segundo testemunhas. Relembre o caso.

Joelma, da banda Calypso (Foto: Flávio Alves / G1)Joelma, da banda Calypso (Foto: Flávio Alves/G1)

Joelma

Um desabafo da cantora Joelma, da banda Calypso, sobre a vontade de seguir carreira gospel, feito em junho deste ano, no São João da Capitá, no Recife, gerou um mal-entendido nas redes sociais. Algumas pessoas divulgaram em seus perfis que a artista havia anunciado o fim do grupo. Não era verdade, ela apenas havia comentado sobre desejo de lançar disco gospel, em dar fim à banda. Relembre o caso.

'Lavei a alma aqui', disse Luciano (Foto: Joka Madruga/G1)Luciano canta em Curitiba (Foto: Joka Madruga/G1)

Luciano

Uma briga momentos antes de um show em Curitiba (PR) abalou Zezé di Camargo e Luciano em novembro de 2011. Luciano chegou a anunciar o término da dupla, mas assessoria dos cantores negou o fim da parceria, em seguida. No Teatro Guaíra lotado, o público que esperava ver a dupla foi surpreendida: apenas Zezé cantou e disse que Luciano foi embora. Meia hora depois, Luciano apareceu: “Não era para eu estar aqui agora. Até o final do ano vou cumprir todos os meus compromissos. Mas o ano que vem o meu irmão vai continuar a carreira sozinho, e vocês vão ser com certeza a segunda voz que ele sempre mereceu e que merece para o resto da vida. Valeu de coração e obrigado”. Relembre o caso.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 2 de setembro de 2013 em Música

 

Tags: , , , , ,

Jota Quest é vaiado em show ao dizer que baianos não trabalham

AppId is over the quota
AppId is over the quota
Rogério Flausino se apresenta no Circuito Banco do Brasil em Salvador, no sábado (31) (Foto: Divulgação/Vitor Nomoto/Circuito BB)O vocalista mineiro Rogério Flausino se apresenta com o Jota Quest no Circuito Banco do Brasil em Salvador, no sábado (31) (Foto: Divulgação/Vitor Nomoto/Circuito BB)

A banda mineira Jota Quest foi vaiada durante o show que fez no Circuito Banco do Brasil em Salvador, no sábado (31). A reação da plateia aconteceu depois que o vocalista Rogério Flausino disse que os baianos poderiam ficar até tarde na “festa”, porque era sábado a noite. Ele brincou ao comentar que baiano “não trabalha” em qualquer dia da semana, não só domingo.

Depois das vaias, ele se desculpou. Disse que precisava “discutir a relação” e se explicou, dizendo que é mineiro e sempre escuta piadas com queijo. “Eu queria que vocês me perdoassem. Eu amo isso aqui, venho sempre no carnaval. Estou sempre aqui e foi só uma brincadeira”, disse.

Além do grupo de pop rock, Joss Stone, Carlinhos Brown, Skank, Preta Gil (com participação de Jau), Monobloco, Ask2Quit e Taboo se apresentaram no Wet’n Wild. O Circuito acontece em Salvador, Curitiba (12/10), Belo Horizonte (02/11), Rio de Janeiro (09/11), Brasília (07/12) e São Paulo (14/12). Entre as atrações que tocam nas seis cidades, os destaques são Stevie Wonder, Yeah Yeah Yeahs, Red Hot Chili Peppers, Simple Minds e Jason Mraz.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 2 de setembro de 2013 em Música

 

Tags: , , , ,

Jota Quest é vaiado em show ao dizer que baianos não trabalham

AppId is over the quota
AppId is over the quota
Rogério Flausino se apresenta no Circuito Banco do Brasil em Salvador, no sábado (31) (Foto: Divulgação/Vitor Nomoto/Circuito BB)O vocalista mineiro Rogério Flausino se apresenta com o Jota Quest no Circuito Banco do Brasil em Salvador, no sábado (31) (Foto: Divulgação/Vitor Nomoto/Circuito BB)

A banda mineira Jota Quest foi vaiada durante o show que fez no Circuito Banco do Brasil em Salvador, no sábado (31). A reação da plateia aconteceu depois que o vocalista Rogério Flausino disse que os baianos poderiam ficar até tarde na “festa”, porque era sábado a noite. Ele brincou ao comentar que baiano “não trabalha” em qualquer dia da semana, não só domingo.

Depois das vaias, ele se desculpou. Disse que precisava “discutir a relação” e se explicou, dizendo que é mineiro e sempre escuta piadas com queijo. “Eu queria que vocês me perdoassem. Eu amo isso aqui, venho sempre no carnaval. Estou sempre aqui e foi só uma brincadeira”, disse.

Além do grupo de pop rock, Joss Stone, Carlinhos Brown, Skank, Preta Gil (com participação de Jau), Monobloco, Ask2Quit e Taboo se apresentaram no Wet’n Wild. O Circuito acontece em Salvador, Curitiba (12/10), Belo Horizonte (02/11), Rio de Janeiro (09/11), Brasília (07/12) e São Paulo (14/12). Entre as atrações que tocam nas seis cidades, os destaques são Stevie Wonder, Yeah Yeah Yeahs, Red Hot Chili Peppers, Simple Minds e Jason Mraz.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 2 de setembro de 2013 em Música

 

Tags: , , , ,

Jota Quest no Rock in Rio terá novas canções, mais músicos e ‘protesto’

AppId is over the quota
AppId is over the quota
Jota Quest (Foto: Divulgação)O quinteto mineiro Jota Quest, com o vocalista Rogério Flausino no centro (Foto: Divulgação)

O show do Jota Quest está entre as apresentações “repetidas” no Rock in Rio 2011 e 2013. Mas a apresentação na noite de Shakira há dois anos terá diferenças na noite com Justin Timberlake, no dia 15 de setembro.

A nova faixa “Mandou bem” estará no setlist, assim como “Tudo está parado”, de 2012, e a versão de “Tempos modernos” que voltou a ser hit após ser trilha de “Malhação”. Outras novidades do próximo disco podem aparecer. “É tentador querer mostrar as novas. Mas ao mesmo tempo temos uma plateia gigante a fim de ouvir os hits”, diz o vocalista Rogério Flausino ao G1.

Flausino adianta que, pela primeira vez em duas turnês, ou sete anos, a banda vai voltar a tocar com o apoio de naipe de metais e backing vocals, remetendo à “volta às raízes” soul e funk do próximo trabalho. O álbum tem participação de Nile Rodgers, do Chic, que também gravou o hit “Get Lucky” com o Daft Punk, e do ex-CSS Adriano Cintra.

Para o show de 2011, a banda preparou um vídeo da música “Planeta dos macacos”, que mostrava protestos populares no Brasil desde ditadura militar até a marcha da maconha. Com o tema ainda mais atual, eles querem voltar a abordar manifestações. “Talvez usar umas partes mais recentes [de protestos]”, diz Flausino.

G1 – O próximo disco sai um pouco depois do festival. O quanto pretendem mostrar no show?
Rogério Flausino –
Estamos conversando isso agora. O single novo, “Mandou bem”, com certeza vai estar. É tentador querer mostrar as novas, mas ao mesmo tempo temos uma plateia gigante a fim de ouvir os hits. Temos duas canções que viraram hits de 2011 pra cá, que são “Tudo está parado” e “Tempos modernos”, e vamos tocar com certeza. Algo que dá para adiantar é o retorno da “cozinha” de backing vocal e metais, que não usávamos há duas turnês. Há sete anos estávamos só os cinco no palco. Agora retorna, pois o disco retorna às raízes, de black, soul, funk, disco.

O guitarrista Marco Túlio e o produtor Adriano Cintra (Foto: Divulgação/Ricardo Muniz)O guitarrista Marco Túlio e o produtor Adriano Cintra
(Foto: Divulgação/Ricardo Muniz)

G1 – No YouTube, algumas pessoas acusam vocês de copiarem o Daft Punk em “Mandou bem”, sem saber que vocês convidaram o Nile Rodgers antes de sair “Get lucky”. O que acha disso?
Rogério Flausino –
Começamos tocando black, soul, funk, quem acompanha o grupo sabe. Ter nosso ídolo maior, Nile Rodgers, é fantástico. As semelhanças param por aí. O Daft Punk sempre foi uma referência de coisa boa, mas é um duo de música eletrônica que pela primeira vez na carreira convida seres humanos. O Jota sempre foi “groove”. Não tem grilo com isso. Não estamos em busca do pop perfeito, estamos em busca do nosso som. Muita gente fala um monte de coisa. Quem gosta do Jota, gosta; quem não gosta não vai passar a gostar. A nova geração eu quero. A rapaziada que torce o nariz vai continuar torcendo.

G1 – Por que chamar o Adriano Cintra, que parece ser de um universo diferente do Jota Quet, mais alternativo, menos pop?
Rogério Flausino –
A gente está de olho nele há um tempão, é uma pessoa dessa nova geração que deu certo. Um produtor esperto, que conseguiu plantar uma sonoridade no mundo. Ele foi super cordial, veio em quatro músicas, duas vão para o disco. Ele entrou na nossa onda, ouviu as demos, escolheu o que queria participar. Tirou um som maneiríssimo. O fato de a gente estar fazendo “groove” não significa que queremos soar retrô. Queremos fazer um som novo, mas com as nossas referências.

G1 – Acha que pode conquistar parte desse público do CSS, indie?
Rogério Flausino –
Sinceramente, a ideia não é essa. O Nile está com a gente pois somos fãs do Chic. Esse é o nosso foco.

A gente sempre quis ser uma banda popular, e a gente é. Então a gente não está nem aí. Toca no festival, na feira, na rádio.”Rogério Flausino, cantor do Jota Quest

G1 – Mas acha que pode ter esse ‘efeito colateral’?
Rogério Flausino –
Se acontecer, vai ser legal demais. A gente é uma banda que trabalha muito, correndo atrás do prejuízo. Mas é uma banda brasileira. O Brasil é um país imenso, de diversidades de plateias absurdas. A gente sempre quis ser uma banda popular, e a gente é. Então a gente não está nem aí. Toca no festival, na feira, na rádio. Existe uma coisa peculiar de gente que gosta de um som mais indie, de não curtir uma coisa que todo mundo curte. E eu entendo isso. Mas se essas pessoas quiserem pintar no som do Jota, e cantar o refrão, vou amar. A gente é pop.

Em 1996, quando chegamos com o primeiro disco, fomos recebidos muito bem por todos os “indies” da época, porque éramos uma banda cool, só que aí a gente começou a fazer sucesso, e deixou de ser cool (risos). A história é longa. Talvez agora estejamos em um momento em que quem sabe possamos nos aproximar a rapaziada. Mas trazer o Adriano foi por sempre admirarmos o trampo do cara. É suingado, dançante.

G1 – Vocês têm falado muito em “volta às raízes”. Em um vídeo de gravações, dizem que “depois de muito tempo focou no que todo mundo gosta”. Por que tinha se afastado das raízes? Em algum momento não fez o que todo mundo gosta?
Rogério Flausino –
Eu acho que é porque é uma banda com cinco cabeças, e ao longo do período, fica querendo fazer algo diferente. Olha quantas coisas aconteceram nesses vinte anos – muitas novidades, tendências, outras formas de fazer música. Cada hora um está puxando para um lado. Eu acho que dessa vez nós estávamos todos olhando para o mesmo lugar. Os últimos discos talvez não tenham tido uma congruência entre os ideais artísticos.

Lu [Luciano Huck] é parceiro, ‘cê tá louco’. Foi ideia dele. Ele falou: ‘Posso divulgar?’. E eu falei: ‘Você vai botar um ‘postzinho’ no seu ‘Facebookzinho’?’. Ia mandar pra não sei quantos milhões.”Rogério Flausino, cantor do Jota Quest

G1 – No Rock in Rio 2011, em “Planeta dos macacos”, tem um momento político no telão, o que pode ter maior significado hoje, com novos protestos. Vão manter isso?
Rogério Flausino –
Foi muito louco, ninguém imaginava que fosse acontecer. Em 2011, eu liguei pra o diretor e falei que queria fazer um protesto, um vídeo, alguma coisa da “macacada reunida”. Ele falou – isso em 2011 -, que estava fazendo um documentário sobre levantes populares no Brasil. Ele tinha reunido imagens de todas as vezes que os brasileiros foram pras ruas desde golpe militar até chegar à marcha da maconha. O vídeo era isso. A polícia repreendendo. Foi muito legal, usamos na turnê “Jota 15”. E chega e acontece essa parada. Não sabemos se vamos usar o mesmo ou criar outra coisa. Talvez usar umas partes mais recentes.

G1 – A música nova ganhou elogio e link do Luciano Huck nas redes sociais. Neste momento de mercado difícil, quanta diferença isso pode fazer para o disco?
Rogério Flausino –
O Lu é parceiro, “cê tá louco”. Foi ideia dele. Ele falou: “Posso divulgar?”. E eu falei: “Você vai botar um ‘postzinho’ no seu ‘Facebookzinho’?”. Ia mandar pra não sei quantos milhões. É louco isso. Está todo mundo aprendendo a mexer. Há cinco anos quando lançamos o outro disco, o anterior, estávamos vivendo a parada do MySpace. E agora essa coisa dos links do Facebook e Twitter. Ter uns amigos desses, aí fica bonito na fita.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 28 de agosto de 2013 em Música

 

Tags: , , , ,