RSS

Arquivo da tag: MegaUpload

Fundador do Megaupload processa Nova Zelândia por espionagem

Fundador do Megaupload, Kim Dotcom, deixa uma corte de Auckland nesta terça-feira (28) (Foto: Gino Demeer/Reuters)Fundador do Megaupload, Kim Dotcom, em foto de
fevereiro de 2012 (Foto: Gino Demeer/Reuters)

O fundador do Megaupload, Kim Dotcom, está processando o governo neozelandês pelos “excessos” cometidos pela polícia na invasão da casa do empresário em janeiro de 2012. Na ocasião, equipes especiais da polícia entraram na mansão em vans e helicópteros, confiscando joias e outras propriedades sem relação com as acusações de infração de direitos autorais enfrentadas por Dotcom.

Nascido na Alemanha como Kim Schmitz, Dotcom tem direito de residência permanente na Nova Zelândia. Ele foi preso a pedido do FBI, acusado de cooperar com as infrações de direito autoral cometidas por usuários que enviavam arquivos ao site de troca de arquivos Megaupload. O empresário responde a um processo de extradição da Nova Zelândia para os Estados Unidos.

O mandado de busca e apreensão usado pela polícia em 20 de janeiro de 2012 foi considerado ilegal pela justiça neozelandesa, garantindo a Dotcom o direito de processar o governo e obrigando a divulgação dos documentos da investigação. As autoridades entraram com recurso, mas os tribunais deram outra decisão favorável ao fundador do Megaupload em março de 2013.

O Escritório Governamental de Segurança nas Comunicações (GCSB, na sigla em inglês) também teria espionado Dotcom de maneira ilegal, porque o órgão era proibido de monitorar cidadãos do próprio país. Por conta desse caso, a lei foi modificada para que o GCSB tenha essa autoridade.

Segundo os advogados do empresário, policiais teriam usado força excessiva durante a invasão ilegal à mansão, pois ninguém teria apresentado resistência. Dotcom ainda disse que o processo deverá revelar o envolvimento dos programas de monitoramento da internet da Agência de Segurança Nacional (NSA), como o Prism, na obtenção de seus dados.

Por conta dos excessos, Dotcom pede uma indenização de seis milhões de dólares neozelandeses, ou R$ 11 milhões.

View the original article here

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 17 de setembro de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , ,

Caso Megaupload: Audiência sobre extradição de Kim Dotcom é adiada

Atraso aconteceu para que fosse possível direcionar mais tempo para ouvir previamente os argumentos sobre o caso antes de enviá-lo aos tribunais

O fundador do Megaupload, Kim Dotcom, teve sua audiência de extradição adiada para março do ano que vem.

A audiência, que aconteceria em 6 de agosto, foi adiada até março de 2013, disse hoje uma porta-voz de seu advogado na Nova Zelândia, Paul Davison.

O atraso aconteceu para que fosse possível direcionar mais tempo para ouvir previamente os argumentos sobre o caso antes de enviá-lo aos tribunais.

Na última aparição de Dotcom no tribunal, no início deste mês, Davison argumentou era um direito de seu cliente ver as provas que as autoridades norte-americanas tinham contra ele.

Mas os advogados representando o governo dos EUA disseram que não havia necessidade de Kim ver as informações, já que ele não está sendo julgado na Nova Zelândia.

Dotcom, fundador do site de compartilhamento de arquivos Megaupload, está enfrentando a extradição aos EUA para responder às acusações de infração de direitos autorais.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 30 de julho de 2012 em Tecnologia

 

Tags: , , , , ,

Kim Dotcom, do Megaupload, propõe acordo com promotores dos EUA

No Twitter, ele disse que “não há necessidade de extradição”, e que apenas quer “fianças, fundos desbloqueados para advogados e despesas de moradia”

O fundador do Megaupload, Kim Dotcom, se ofereceu para fazer um acordo com promotores norte-americanos, que estão tentando sua extradição da Nova Zelândia para os EUA.

“Hey DOJ, nós iremos para os EUA. Não há necessidade de extradição. Queremos fianças, fundos desbloqueados para advogados e despesas de moradia”, disse Dotcom em uma mensagem no Twitter nesta terça-feira (10).

Um tribunal distrital de North Shore em Auckland, Nova Zelândia, remarcou provisoriamente para 25 de março do ano que vem a audiência sobre a extradição, que estava programada para começar dia 6 de agosto.

Dotcom tem usado com frequência sua conta no Twitter para ironizar os EUA. Mas em uma entrevista ao The New Zealand Herald, disse que os atrasos no caso foram colocando pressão sobre sua capacidade de se defender das acusações.

“Eles estão sentando em todo o meu dinheiro, de modo que não tenho nada para pagar meus advogados. Sabem que, a cada movimento que fazem, tenho que enviar meus advogados para lá. Fazem isso para que eu não tenha nenhuma chance de defesa a longo prazo. Advogados precisam de dinheiro também”, disse ele ao jornal. Os ativos de Kim foram apreendidos em janeiro.

Ele disse ao jornal que acumulou milhões de dólares em despesas legais e não tinha sido capaz de pagar um único centavo. “Eles só querem me deixar esperando até que eu não  tenha mais apoio”. Dotcom disse ainda que estaria disposto a ir até os EUA se ele e seus co-réus recebessem a garantia de um julgamento justo, dinheiro para pagar a defesa e  fundos para sustentar a si e suas famílias. “Eles nunca irão concordar com isso porque já sabem que não podem ganhar este caso”, disse ao jornal.

Dotcom e colegas, e duas empresas, incluindo o Megaupload, foram indiciados por um júri no Distrito Leste da Virgínia em 5 de janeiro, e acusados de fazer parte de “uma organização ilegal responsável por uma enorme rede de pirataria virtual mundial”. De acordo com as autoridades, o site causou prejuízos de 500 milhões de dólares pela violação de direitos autorais de conteúdos compartilhados pelos internautas.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 30 de julho de 2012 em Tecnologia

 

Tags: , , , ,

Caso Megaupload: Audiência sobre extradição de Kim Dotcom é adiada

Atraso aconteceu para que fosse possível direcionar mais tempo para ouvir previamente os argumentos sobre o caso antes de enviá-lo aos tribunais

O fundador do Megaupload, Kim Dotcom, teve sua audiência de extradição adiada para março do ano que vem.

A audiência, que aconteceria em 6 de agosto, foi adiada até março de 2013, disse hoje uma porta-voz de seu advogado na Nova Zelândia, Paul Davison.

O atraso aconteceu para que fosse possível direcionar mais tempo para ouvir previamente os argumentos sobre o caso antes de enviá-lo aos tribunais.

Na última aparição de Dotcom no tribunal, no início deste mês, Davison argumentou era um direito de seu cliente ver as provas que as autoridades norte-americanas tinham contra ele.

Mas os advogados representando o governo dos EUA disseram que não havia necessidade de Kim ver as informações, já que ele não está sendo julgado na Nova Zelândia.

Dotcom, fundador do site de compartilhamento de arquivos Megaupload, está enfrentando a extradição aos EUA para responder às acusações de infração de direitos autorais.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 30 de julho de 2012 em Tecnologia

 

Tags: , , , , ,

Kim Dotcom, do Megaupload, propõe acordo com promotores dos EUA

No Twitter, ele disse que “não há necessidade de extradição”, e que apenas quer “fianças, fundos desbloqueados para advogados e despesas de moradia”

O fundador do Megaupload, Kim Dotcom, se ofereceu para fazer um acordo com promotores norte-americanos, que estão tentando sua extradição da Nova Zelândia para os EUA.

“Hey DOJ, nós iremos para os EUA. Não há necessidade de extradição. Queremos fianças, fundos desbloqueados para advogados e despesas de moradia”, disse Dotcom em uma mensagem no Twitter nesta terça-feira (10).

Um tribunal distrital de North Shore em Auckland, Nova Zelândia, remarcou provisoriamente para 25 de março do ano que vem a audiência sobre a extradição, que estava programada para começar dia 6 de agosto.

Dotcom tem usado com frequência sua conta no Twitter para ironizar os EUA. Mas em uma entrevista ao The New Zealand Herald, disse que os atrasos no caso foram colocando pressão sobre sua capacidade de se defender das acusações.

“Eles estão sentando em todo o meu dinheiro, de modo que não tenho nada para pagar meus advogados. Sabem que, a cada movimento que fazem, tenho que enviar meus advogados para lá. Fazem isso para que eu não tenha nenhuma chance de defesa a longo prazo. Advogados precisam de dinheiro também”, disse ele ao jornal. Os ativos de Kim foram apreendidos em janeiro.

Ele disse ao jornal que acumulou milhões de dólares em despesas legais e não tinha sido capaz de pagar um único centavo. “Eles só querem me deixar esperando até que eu não  tenha mais apoio”. Dotcom disse ainda que estaria disposto a ir até os EUA se ele e seus co-réus recebessem a garantia de um julgamento justo, dinheiro para pagar a defesa e  fundos para sustentar a si e suas famílias. “Eles nunca irão concordar com isso porque já sabem que não podem ganhar este caso”, disse ao jornal.

Dotcom e colegas, e duas empresas, incluindo o Megaupload, foram indiciados por um júri no Distrito Leste da Virgínia em 5 de janeiro, e acusados de fazer parte de “uma organização ilegal responsável por uma enorme rede de pirataria virtual mundial”. De acordo com as autoridades, o site causou prejuízos de 500 milhões de dólares pela violação de direitos autorais de conteúdos compartilhados pelos internautas.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 30 de julho de 2012 em Tecnologia

 

Tags: , , , ,

Wozniak critica EUA e sai em defesa de criador do Megaupload

O cofundador da Apple, Steve Wozniak, visitou recentemente o fundador do MegaUpload, Kim DotCom (que atualmente está em prisão domiciliar) e acusou o governo dos EUA de uma “tentativa mal pensada de extraditar” DotCom, com advogados “que tentaram se aproveitar de brechas”.

Wozniak também criticou o governo norte-americano por não permitir que o executivo tivesse acesso a honorários advocatícios, sugerindo que “o lado com acesso aos fundos gasta milhões em advogados, esperando que o outro lado vá a falência. Um sistema que permite esse tipo de vantagem de um lado só é uma vergonha”.

DotCom é acusado pelos EUA de dirigir uma empresa criminosa responsável por diversos tipos de pirataria de materiais protegidos por copyright. A justiça alega que o cofundador do Megaupload encorajou os usuários do site a compartilharem filmes, músicas, softwares e outros materiais ilegais. Wozniak, por outro lado, discorda, e sugere que DotCom estava tentando evitar a pirataria em seu site ao remover links de conteúdos proibidos.

wozkimdotcom01.png

DotCom postou uma foto em seu perfil no Twitter ao lado do cofundador da Apple

Em um e-mail enviado à Cnet, o cofundador da Apple escreveu: “Quando crimes ocorrem por correspondência, você não deve simplesmente fechar o correio. Quando os governos confabulam acusações de extorsão de um cara de TI que está apenas operando um site de compartilhamento de arquivos ou o acusam de fraude porque ele disse que removeria os arquivos quando apenas retirou os links, isso evidencia o quão pobre foi pensada a tentativa de extraditá-lo”.

Steve Wozniak continuou a atacar, apontando que DotCom tem sorte de viver na Nova Zelândia, lugar que, de acordo com ele, “possui melhores direitos humanos”. “Me perguntou por que os estúdios perseguiram uma pessoa que tentou tudo o que foi possível para remover os links que eles queriam”, defendeu Wozniak. O executivo destacou que há muitos serviços de compartilhamento de arquivos e armazenamento em nuvem que funcionam na legalidade e que a violação de copyright é ilegal, porém afirmou que a questão está sendo levada de uma forma tão rígida que isso poderia “frear o progresso da era digital”.

Acusado de pirataria, o Megaupload, um dos maiores sites de compartilhamento de arquivos da Internet, foi fechado no início do ano sob acusação de que seus responsáveis pelo site teriam provocado um prejuízo de mais de 500 milhões de dólares aos detentores de direitos autorais, devido aos filmes piratas e outros conteúdos protegidos que circulavam na rede.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 19 de julho de 2012 em Tecnologia

 

Tags: , , , ,

Usuários do Megaupload terão de pagar caso queiram reaver dados

Governo dos Estados Unidos diz que não possui arquivos, e não se opõe caso usuários queiram recuperar suas perdas

Promotores federais dos Estados Unidos estão de acordo em usuários do Megaupload recuperem seus dados. Desde que eles paguem por isso.

A posição do governo foi explicada em uma ação judicial que aconteceu na sexta-feira (8/6), considerando um dos muitos lados interessantes da questão que surgiu a partir do encerramento das atividades do Megaupload, um dos sites mais utilizados para compartilhamento de dados.

Os promotores estão respondendo a uma proposta apresentada pela Electronic Frontier Foundation, no fim do mês de março, em nome de Kyle Goodwin, repórter esportivo de Ohio que utilizava o Megaupload legalmente para armazenamento de vídeos.

Goodwin tinha o disco rígido quebrado, por isso armazenava seus arquivos no Megaupload, como um backup. Mas ele perdeu o acesso ao site quando este foi fechado em 19 de janeiro por infringir a lei de direitos autorais.

Existe uma lei nos Estados Unidos que permite a terceiros reclamarem caso tenham interesse em propriedades confiscadas. O problema é que o governo argumenta que apenas copiou parte dos dados que o Megaupload e que os servidores físicos nunca foram realmente apreendidos. Os 1103 servidores do Megaupload – os quais armazenam mais de 28 petabytes de dados – ainda estariam sob o poder da Carpathia Hosting, fornecedora de serviços de hospedagem.

“O acesso não é a questão – se fosse, o Sr. Goodwin poderia simplesmente contratar um especialista forense para reaver o que ele afirma ser de sua propriedade e reembolsar a Carpathia pelos serviços associados”, dizem os promotores. “A questão é que o processo de identificação, cópia e retorno de dados ao Sr. Goodwin será demasiadamente caro, e o Sr. Goodwin quer que o governo, ou o Megaupload ou a Carpathia, ou qualquer outra pessoa que não ele, para assumir os gastos.”

O governo também sugere que se o Megaupload ou a Carpathia violaram um termo de serviço no contrato, Goodwin pode “processar o Megaupload ou a Carpathia para recuperar sua perda”.

A questão sobre o que fazer com os dados armazenados no Megaupload está circulando faz um bom tempo. Carpathia afirma que custa 9 mil dólares, por dia, para mantê-los. Os bens do Megaupload estão congeladas, por isso pediu ao tribunal para que o Departamento de Justiça pague para que os dados sejam preservados, os quais podem ser necessários para a sua defesa. Até agora, a questão continua sem solução.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 23 de junho de 2012 em Tecnologia

 

Tags: , , , , ,