RSS

Arquivo da tag: julgamento

Julgamento do rapper Chris Brown é adiado para junho

Chris Brown durante audiência em Los Angeles, no dia 3 de fevereiro (Foto: Reuters/DavidMcNew/Pool)Chris Brown durante audiência em Los Angeles, no
dia 3 de fevereiro (Foto: Reuters/DavidMcNew/Pool)

Um juiz de Washington voltou a adiar nesta quarta-feira (23) o início do julgamento por agressão contra o rapper Chris Brown, porque decidiu enviá-lo para a Califórnia para que assista a uma audiência sobre outro caso. Brown, de 24 anos, que compareceu à Justiça na capital americana, deverá retornar a Washington em 25 de junho. Seu processo já havia sido adiado por dois dias na segunda-feira.

Se for considerado culpado por agredir um fã em outubro passado em Washington, Brown poderá ser condenado a seis meses de prisão e a pagar uma multa de US$ 1 mil. Pelo mesmo caso, o segurança do rapper Chris Hollosy já foi condenado.

O ganhador do prêmio Grammy de melhor álbum R&B em 2012 por “F.A.M.E.” também pode ser condenado à prisão em Los Angeles. Recentemente, uma corte local exigiu sua presença por ter violado os termos de sua libertado condicional no caso Rihanna.

Em junho de 2009, ele havia sido condenado a cinco anos de liberdade condicional e a prestar serviço comunitário, assim como a seguir um programa de aconselhamento sobre violência doméstica. Chris Brown se declarou culpado por agredir sua então namorada, a diva pop Rihanna, em fevereiro desse mesmo ano. Em 2013, foi chamado à Justiça várias vezes por diversas violações à condenação.

View the original article here

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 30 de abril de 2014 em Música

 

Tags: , , , , ,

Egito leva líder da Irmandade Muçulmana e outros 682 a julgamento

O líder da proscrita Irmandade Muçulmana e 682 outras pessoas começaram a ser julgados na terça-feira por várias acusações, inclusive homicídio, segundo o advogado do grupo, em mais um golpe para os partidários do presidente deposto do Egito Mohamed Mursi.

O julgamento de Mohmed Badie, de 70 anos, e de seguidores seus começa um dia depois de o mesmo tribunal, na província de Minya, condenar à morte 529 membros do grupo islâmico, no que entidades de direitos humanos disseram ser a maior sentença coletiva à pena capital na história moderna do Egito.

A Irmandade tem sido duramente reprimida desde julho, quando o Exército depôs Mursi, da Irmandade, o primeiro presidente democraticamente na história egípcia.

Queixando-se de irregularidades, advogados de defesa boicotaram a audiência judicial da terça-feira, assistida por 60 dos réus.

“Evitamos comparecer… porque o juiz violou os procedimentos da lei penal e não permitiu que (os advogados) apresentassem sua defesa”, disse o advogado Adel Ali à Reuters.

Segundo ele, 77 réus estão presos, e os demais foram libertados sob fiança ou estão foragidos.

Os julgamentos coletivos podem intensificar as tensões e desencadear mais violência no mais populoso país árabe. Centenas de pessoas morreram por causa de confrontos políticos nos últimos meses, e uma insurgência islâmica está se espalhando pelo país.

A Irmandade, com estimados 1 milhão de membros, venceu a maioria das eleições disputadas desde a deposição de Hosni Mubarak, em 2011, mas o atual governo implantado pelos militares qualificou a entidade como “terrorista”.

O grupo – que já sobreviveu anteriormente a décadas de repressão– se diz voltado para o ativismo pacífico.

new WM.Player( { videosIDs: “3236434”, sitePage: “g1/mundo/videos”, zoneId: “110461”, width: 320, height: 200 } ).attachTo($(“#3236434”)[0]);

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 26 de março de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , ,

Egito cometeu irregularidades no julgamento de 529 à morte, diz ONU

A ONU afirmou nesta terça-feira (25) que a Justiça do Egito cometeu inúmeras irregularidades no julgamento no qual 529 seguidores do presidente deposto Mohamed Morsi foram condenados na segunda-feira (24) à morte.

A maioria dos sentenciados nem sequer estavam presentes no tribunal.

“O número de condenados não tem precedente na história recente. A imposição da pena de morte em um julgamento em massa repleto de irregularidades de procedimento viola o direito internacional”, declarou nesta terça-feira o porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

“Não é possível que um julgamento como este, realizado em apenas dois dias, tenha cumprido com os requisitos mais básicos para um processo justo”, acrescentou.

Defesa cerceada
Segundo a ONU, três quartos dos acusados não participaram do julgamento, o que impediu seu direito de defesa. Além disso, os advogados dos réus, no caso dos que contavam com um, também tiveram limitações em seu trabalho. O porta-voz explicou que vários sentenciados não tinham advogado e a corte não designou ninguém para a defesa.

No caso dos que tinham um representante legal, os advogados tiveram um acesso “insuficiente” aos réus e não puderam estudar o processo de forma adequada. Além disso, as deliberações dos defensores não foram aceitas pelo tribunal.

As principais acusações que pesavam contra os condenados eram ser membros de uma organização ilegal (a Irmandade Muçulmana), incitação à violência, vandalismo, associação ilegal e o assassinato de um policial.

Colville afirmou que “todas as acusações tem relação com os eventos ocorridos em agosto do ano passado, depois que o presidente Mohammed Morsi foi deposto, enquanto a Irmandade Muçulmana foi declarada ilegal meses depois”.

“As acusações exatas contra cada um dos acusados não foram claras nem lidas na corte, o que também é uma irregularidade”, criticou.

Segundo a ONU, a pena de morte só pode ser imposta após um processo “que alcance os níveis mais elevados de respeito a um julgamento justo e do devido processo”, o que neste caso visivelmente não ocorreu.

new WM.Player( { videosIDs: “3235951”, sitePage: “g1/mundo/videos”, zoneId: “110461” } ).attachTo($(“#3235951”)[0]);

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 26 de março de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , ,

Julgamento de Pistorius adiado para segunda-feira

O julgamento do atleta sul-africano Oscar Pistorius, acusado de matar a namorada em 14 de fevereiro de 2013, foi adiado para segunda-feira (24), anunciou a juíza Thokozile Masipa.

A magistrada aceitou um pedido da promotoria, que prometeu concluir sua parte no processo no início da próxima semana com a presença de quatro ou cinco testemunhas adicionais.

O julgamento começou em 3 de março em Pretória.

Pistorius é visto em tribunal em Pretória nesta quarta-feira (19) antes de o julgamento ser adiado para 24 de março (Foto: Leon Sadiki/Reuters)Pistorius é visto em tribunal em Pretória nesta quarta-feira (19) antes de o julgamento ser adiado para 24 de março (Foto: Leon Sadiki/Reuters)

Durante o julgamento, o perito de balística da polícia, Chris Mangena, afirmou que a m modelo Reeva Steenkamp estava em posição de defesa lateral quando recebeu o último tiro de seu namorado. Segundo ele, o último dos quatro tiros com que Pistorius matou sua namorada passou atravessou a mão esquerda da modelo antes de atingir a parte direita de sua cabeça.

Oscar Pistorius, de 27 anos, reconheceu ter matado a tiros Steenkamp através da porta fechada do banheiro de sua casa em Pretória, mas sustenta que agiu dessa maneira porque pensou que se tratava de um intruso.

A jovem “tinha as mãos cruzadas, com a esquerda cobrindo a parte direita de sua cabeça e a (mão) direita cobrindo a esquerda”, disse Mangena na audiência.

Antes do encerramento da sessão a promotoria também solicitou um dia completo para “consultar novamente” suas testemunhas, antes do fim de semana prolongado na África do Sul, que começa na sexta-feira, um feriado (Dia dos Direitos Humanos).

Inicialmente, 107 testemunhas figuravam na lista da promotoria – sem a obrigação de convocação de todos – e o julgamento deveria terminar na quinta-feira, antes da juíza preparar o veredicto e mais tarde a sentença, que será anunciada várias semanas depois.

A defesa de Pistorius aceitou o novo calendário.

“É um processo oneroso, caro, mas aceitamos o pedido”, afirmou o advogado Barry Roux.

O julgamento sofreu atrasos por vários incidentes e problemas de tradução, além dos longos interrogatórios de Roux, que fez muitas perguntas sobre detalhes aparentemente alheios ao caso.

Pistorius se declarou inocente do assassinato da namorada Reeva Steenkamp. Ele afirma que a matou por acreditar que estava atirando contra um ladrão escondido no banheiro ao lado de seu quarto.

Ele também foi acusado de infrações à lei sobre o porte de armas e, da mesma maneira, alega inocência.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 19 de março de 2014 em Brasil

 

Tags: , , ,

Pistorius vomita no julgamento ao ouvir relato sobre lesões na namorada

Pistorius se comove durante julgamento (Foto: Siphiwe Sibeko/Pool/AFP)Pistorius se comove durante julgamento (Foto: Siphiwe Sibeko/Pool/AFP)

O atleta paralímpico sul-africano Oscar Pistorius vomitou nesta segunda-feira (10) em plena audiência, no tribunal que o julga por assassinato, ao ouvir a descrição do legista sobre a autópsia de sua namorada, a modelo Reeva Steenkamp.

O legista Gert Saayman fez uma descrição dos múltiplos ferimentos que Pistorius provocou na namorada ao atirar na vítima com uma pistola dentro de casa.

O atleta admite que deu os tiros, mas afirma que confundiu a namorada com um ladrão.

Sentado no banco dos réus, o atleta tentava enxugar os olhos com um lenço. Quando o legista descrevia o estado do crânio de Reeva ao receber um tiro, Pistorius cruzou as mãos atrás da nuca, abaixou a cabeça e vomitou.

Réu no julgamento, Oscar Pistorius se abaixa para vomitar em um balde na corte em Pretória (Foto: Siphiwe Sibeko/Pool/Reuters)Réu no julgamento, Oscar Pistorius se abaixa para vomitar em um balde na corte em Pretória (Foto: Siphiwe Sibeko/Pool/Reuters)

Um pouco antes, a juíza havia proibido a transmissão ao vivo do depoimento do legista.

“Não acontecerá a transmissão (áudio e vídeo) ao vivo. Isto também inclui o Twitter”, decidiu a juíza Thokozile Masipa, em resposta a um pedido expresso do legista.

O atleta admite que deu os tiros em 14 de fevereiro do ano passado na namorada, que estava trancada em um banheiro da casa. Mas ele afirma que confundiu a namorada com um ladrão.

Na semana passada, durante o julgamento, que já dura dias, um médico vizinho de Oscar Pistorius declarou que o velocista sul-africano confessou, minutos depois do crime, que tinha disparado na modelo Reeva Steenkamp pensando que “era um ladrão”.

“Eu disparei. Pensei que fosse um ladrão”, disse Pistorius ao radiologista Johan Stipp, que vive a 72 metros da casa do velocista, segundo ele. Na madrugada de 14 de fevereiro de 2013, no dia do assassinato, o médico se dirigiu até o local para oferecer ajuda após ter escutado vários disparos.

Segundo Stipp, ele foi uma das primeiras pessoas a chegar na casa do velocista em Pretória. Quando chegou ao local, o velocista já havia tentado desobstruir as vias respiratórias de Reeva para evitar sua morte. Posteriormente, ele passou a insistir com o médico para que a salvasse.

Momento em que Pistorius passa mal durante julgamento no caso da morte de sua namorada (Foto: Siphiwe Sibeko/Pool/Reuters)Momento em que Pistorius passa mal durante julgamento no caso da morte de sua namorada (Foto: Siphiwe Sibeko/Pool/Reuters)Abatido, Pistorius participa de julgamento após passar mal (Foto: Bongiwe Mchunu/Pool/AFP)Abatido, Pistorius participa de julgamento após passar mal (Foto: Bongiwe Mchunu/Pool/AFP)

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 11 de março de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , , , , ,

Julgamento contra Morsi por morte em protestos é suspenso no Egito

Mohammed Morsi em 13 de julio del 2012 (Foto: Maya Alleruzzo/AP)Mohammed Morsi em 13 de julho de 2012 (Foto:
Maya Alleruzzo/AP)

O julgamento contra o presidente egípcio destituído Mohamed Morsi por incitação ao assassinato de manifestantes foi suspenso nesta quinta-feira (6) à espera da análise de um pedido apresentado pela defesa do acusado.

Derrubado pelo exército em julho, Morsi responde junto a outras 14 pessoas pela morte de sete manifestantes nos confrontos registrados em dezembro de 2012, em frente ao palácio presidencial.

Os réus, incluindo vários parceiros de Morsi e líderes da Irmandade Muçulmana, enfrentam a possibilidade de condenação à pena de morte.

A repressão das novas autoridades egípcias contra os partidários do primeiro presidente democraticamente eleito no Egito deixou pelo menos 1.400 mortos, segundo a Anistia Internacional.

O advogado de um dos acusados entrou com um pedido de afastamento de dois dos três juízes do caso, explicando que um deles havia falado sobre o caso em uma entrevista.

A data para a análise deste pedido não foi anunciada.

Duas ações similares para a desqualificação de juízes foram apresentadas em outros dois processos contra Morsi, um por “espionagem” e outro por fuga da prisão durante a revolta popular de 2011 que levou à renúncia de Hosni Mubarak.

Um tribunal de apelações deve decidir em 9 de abril sobre estas demandas.

Morsi enfrenta um quarto julgamento por desacato a um juiz.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 7 de março de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , , , ,

Julgamento contra ex-presidente egípcio é adiado para março

Um dos quatro julgamentos envolvendo o ex-presidente islamita Mohamed Morsi foi adiado nesta quarta-feira (5) pela quinta vez, para 1º de março, à espera da análise dos vídeos sobre a morte de manifestantes em 2012, quando ele estava no poder.

Derrubado pelo exército em julho passado, Morsi responde junto a outras 14 pessoas pela morte de ao menos sete manifestantes em confrontos registrados em dezembro de 2012 diante do palácio presidencial.

O ex-presidente pode ser condenado à morte por incitação ao assassinato.

Julgado em quatro casos distintos, Morsi nega a legitimidade das novas autoridades egípcias, dirigidas pelo exército, que reprime de forma violenta seus seguidores islamitas, em particular seu movimento Irmandade Muçulmana, declarado recentemente um grupo terrorista.

Em dezembro de 2012, os partidários de Morsi dispersaram os opositores diante do palácio presidencial no Cairo, em um protesto contra um decreto que concedia ao presidente poderes extras.

Morsi também será julgado por espionagem para realizar atos terrorista, fuga da prisão no início de 2011, e desacato a um magistrado.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 6 de fevereiro de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , ,