RSS

Arquivo da tag: Greenpeace

Greenpeace bloqueia petroleiro russo na Holanda; 30 ativistas detidos

Imagem disponibilizada pela ONG Greenpeace mostra ambientalista em parapente com faixa escrita "Não ao óleo ártico". Abaixo, é possível ver o cerco de embarcações da ONG ao navio russo com carga de petróleo extraída da região polar (Foto: Ruben Neugebauer, Greenpeace/AP)Imagem disponibilizada pela ONG Greenpeace mostra ambientalista em parapente com faixa escrita “Não ao óleo ártico”. Abaixo, é possível ver o cerco de embarcações da ONG ao navio russo com carga de petróleo extraída da região polar (Foto: Ruben Neugebauer, Greenpeace/AP)

Trinta ativistas do Greenpeace, incluindo o capitão da embarcação “Rainbow Warrior”, foram detidos nesta quinta-feira (1º) no porto holandês de Roterdã quando tentavam impedir um navio-tanque russo de entregar petróleo extraído no Ártico. “O capitão foi detido e o barco está sendo levado a outro local”, disse Roland Eckers, um porta-voz da polícia holandesa.

Alguns ativistas haviam saltado uma cerca para impedir a passagem do navio, enquanto outros se posicionaram a bordo de pequenos barcos, entre o cais e o navio “Mikhail Ulianov”, para evitar que ele atracasse. “Vários ativistas foram presos, cerca de 30”, disse o porta-voz.

O capitão foi o único a bordo do “Rainbow Warrior” a ser detido, e o petroleiro, que transporta a primeira carga de petróleo extraída em alto mar do Ártico, conseguiu finalmente ancorar sem problemas, acrescentou.

O ativista Willem Wiskerke tuitou a partir do “Rainbow Warrior” que a polícia havia detido brevemente a tripulação no refeitório do barco.

O “Mikhail Ulianov” transportava uma carga procedente da plataforma ártica Prirazlomnaya, contra a qual estava dirigida a ação do Greenpeace de setembro.

Esta carga foi comprada pelo grupo francês Total, acusado pelo Greenpeace de hipocrisia, já que seu presidente, Christophe de Margerie, afirmou em 2012 que não exploraria a região devido a sua fragilidade.

Contra a exploração no Ártico

Outra imagem disponibilizada pela ONG mostra bote com ativistas ao lado do navio Mikhail Ulyanov, que transporta óleo retirado da região do Ártico e que atracaria no porto de Roterdã, na Holanda (Foto: Marten van Dijl/Greenpeace/AP)Outra imagem disponibilizada pela ONG mostra bote com ativistas ao lado do navio Mikhail Ulyanov, que transporta óleo retirado da região do Ártico e que atracaria no porto de Roterdã, na Holanda (Foto: Marten van Dijl/Greenpeace/AP)

Com esta ação, o Greenpeace protesta contra a exploração de hidrocarbonetos no Ártico, zona de ecossistemas frágeis. Seus ativistas abriram uma bandeira com a inscrição “Não ao petróleo do Ártico” no casco do petroleiro. No total, cerca de 80 pessoas participaram da ação.

O capitão do “Rainbow Warrior” é Peter Wilcox, um dos 30 detidos por autoridades da Rússia em setembro passado após tentativa de invasão da plataforma petroleira do grupo Gazprom.

Prisão de ativistas em 2013
O “Rainbow Warrior” saiu na segunda-feira para enfrentar o navio-tanque, mas o petroleiro russo desativou seu sistema de localização por satélite.

Após as ações do ano passado no Ártico, nas quais os ativistas tentaram subir na plataforma em duas ocasiões, as autoridades russas tomaram o barco “Arctic Sunrise” com bandeira holandesa do Greenpeace e detiveram 30 ativistas e jornalistas a bordo, entre eles a brasileira Ana Paula Maciel.

O Greenpeace afirma que a plataforma da Gazprom gera um risco de catástrofe ambiental que pode ocorrer a qualquer momento e arruinar o ecosssistema do mar de Barents, onde a jazida se localiza. Os 26 ativistas estrangeiros e quatro russos estiveram detidos até Moscou anunciar sua anistia, depois de quase três meses.

A tripulação permaneceu várias semanas detida em prisões locais, antes de ser levada a São Petersburgo e libertada sob fiança. Os militantes, inicialmente acusados de pirataria, finalmente foram acusados de crimes menos graves de vandalismo. O Tribunal Internacional do Direito do Mar ordenou à Rússia em novembro a libertação dos ativistas e do barco, em resposta a uma demanda formal apresentada pela Holanda.

A Rússia boicotou as audiências do tribunal, com sede em Hamburgo (Alemanha), e ignorou sua sentença. Embora os ativistas tenham sido libertados, a Rússia mantém o ‘Arctic Sunrise’ sob seu poder. O Greenpeace processou a Rússia perante o Tribunal Europeu de Direitos Humanos por detenção ilegal de seus ativistas, ao considerar uma violação do direito à liberdade de expressão.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 3 de maio de 2014 em Tecnologia

 

Tags: , , , , , ,

Polícia da França prende 34 ativistas do Greenpeace em usina nuclear

Ativistas colocam faixas em usina nuclear na França (Foto: Bente Stachowske/Reuters)Ativistas colocam faixas em usina nuclear na França (Foto: Bente Stachowske/Reuters)

A polícia francesa prendeu 34 ativistas do Greenpeace na terça-feira (18) que forçaram a entrada em uma usina de energia nuclear explorada pela EDF em Fessenheim, no leste da França, informou a empresa.

Os ativistas penduraram bandeiras na usina, a mais antiga em operação na França, mas a autoridade de segurança nuclear do país disse que os manifestantes não chegaram a entrar em seus edifícios e que a segurança não foi comprometida.

Os ativistas usaram um caminhão para forçar a entrada no local no início da manhã, de acordo com manifestantes do lado de fora. Em seguida, policiais cercaram e entraram na usina.

“A polícia tem 56 ativistas sob controle e 34 foram presos”, disse um porta-voz da EDF. “Não houve nenhum impacto sobre a segurança da planta, que continua a funcionar normalmente.”

O presidente francês, François Hollande, prometeu fechar a Fessenheim até 2016 e reduzir a dependência da França da energia nuclear para 50 por cento dos 75 por cento usados no “mix” de seu abastecimento de energia.

“Símbolo”
O Greenpeace quer que dois reatores de 900 megawatts da Fessenheim, que estão em operação desde 1977, deixem de operar imediatamente.

“A planta de Fessenheim é um símbolo”, disse o ativista do Greenpeace Cyrille Cormier .

“Seu fechamento planejado deve ser o início de uma série de fechamentos de usinas na Europa para limitar os riscos acidentais e financeiros ligados ao envelhecimento (das plantas) e o início de uma transição energética.”

Os ativistas penduraram uma faixa do telhado da usina e convidaram Hollande, e a chanceler alemã, Angela Merkel, para se comprometer em uma cúpula da UE na quinta-feira com a geração de energia a partir de fontes alternativas.

Ativistas do Greenpeace têm um histórico de ocupações de usinas nucleares na França. Cerca de 30 foram presos em julho passado depois de entrar na planta de Tricastin da EDF, no sul da França.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 19 de março de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , , , ,

‘Ficou bem natural’, diz ativista do Greenpeace sobre ensaio; veja fotos

Fotos de Ana Paula vão ser publicadas em uma revista masculina (Foto: Luane Pariz/Arquivo Pessoal)Fotos de Ana Paula vão ser publicadas em uma revista masculina (Foto: Luane Pariz/Arquivo Pessoal)

Ansiosa para conferir a repercussão da foto que será publicada na edição de março de uma revista masculina, a bióloga Ana Paula Maciel, de 32 anos, gostou do resultado das imagens, realizadas em fevereiro. A ativista do Greenpeace ficou presa por cerca de dois meses na Rússia, após um protesto no Ártico. A gaúcha aparecerá de biquíni na Playboy que chega às bancas nesta terça-feira (11), mas a expectativa de Ana Paula é que a foto renda um convite para um ensaio nu. O possível cachê seria usado para criar um santuário para animais.

Ativista quer posar nua e usar cachê para financiar a construção de um santuário para animais (Foto: Luane Pariz/Arquivo Pessoal)Ativista quer posar nua e usar cachê para financiar
a construção de um santuário para animais
(Foto: Luane Pariz/Arquivo Pessoal)

Com um biquíni de cor prata e sandálias pretas, a ativista gaúcha também concedeu entrevista à revista. Na manhã desta segunda-feira (10), após compartilhar fotos de bastidores do ensaio, falou novamente sobre o trabalho.

“Achei bacana o resultado, ficou bem natural e passou o que realmente era a intenção, que era fazer uma analogia ao que aconteceu na Rússia, mas ao mesmo tempo mostrando a beleza da Ana Paula que estava presa”, disse a bióloga ao G1.

O ensaio foi realizado em fevereiro em Maringá, no Paraná. “Participei de tudo desde o princípio. Tudo foi compartilhado: cenário, como fazer as fotos, desde a maquiagem até a escolha do traje”, descreveu.

Ana Paula permaneceu presa na Rússia durante dois meses ao lado de outros membros do Greenpeace após um protesto no Ártico. Da ONG, só recebeu a orientação de deixar claro que se tratava de um projeto pessoal e não da organização.

No dia 19 de setembro, 28 ativistas e dois jornalistas que acompanhavam o grupo foram presos após membros da organização ambiental tentarem escalar uma plataforma da Gazprom para protestar contra a exploração de petróleo do Ártico. Eles foram surpreendidos pela polícia russa, que prendeu toda a tripulação do navio Arctic Sunrise. A embarcação também foi apreendida.

O grupo permaneceu detido durante dois meses, primeiro sob a acusação de pirataria e, em seguida, sob a acusação de vandalismo. Em novembro, eles receberam o direito de responder ao processo em liberdade mediante pagamento de fiança. Desde então, estavam livres na cidade de São Petersburgo, mas sem poder deixar o país. Todos os ativistas já foram soltos.

Ana Paula foi clicada por André Sanseverino. Na foto com a produtora Marcela Borges. (Foto: Luane Pariz/Arquivo Pessoal)Ana Paula foi clicada por André Sanseverino; aa foto, com a produtora Marcela Borges e o fotógrafo (Foto: Luane Pariz/Arquivo Pessoal)

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 11 de março de 2014 em Tecnologia

 

Tags: , , , , , ,

Greenpeace pede fechamento de centrais nucleares europeias antigas

Militantes do Greenpeace entraram em centrais nucleares ou protestaram em suas imediações nesta quarta-feira em seis países europeus para pedir o fechamento dos reatores mais antigos.

A organização de defesa do meio ambiente pediu aos governos destes países que, ao invés de prolongar o uso dos reatores além do prazo inicialmente previsto, “passem a investir em energias limpas e seguras”.

De acordo com o Greenpeace, 66 dos 151 reatores em funcionamento na Europa têm mais de 30 anos, 25 mais de 35 anos e sete foram inaugurados há mais de 40 anos.

Os protestos aconteceram na Espanha, França, Bélgica, Suécia, Suíça e Holanda.

Ativistas fazem protesto pelo fim das centrais nucleares europeias em usina em Doettingen, no norte da Suíça, nesta quarta-feira (5) (Foto: Greenpeace/AFP)Ativistas fazem protesto pelo fim das centrais nucleares europeias em usina em Doettingen, no norte da Suíça, nesta quarta-feira (5) (Foto: Greenpeace/AFP)

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 7 de março de 2014 em Tecnologia

 

Tags: , , , , ,

Greenpeace acusa multinacional de apoiar desmatamento na Indonésia

A organização não-governamental Greenpeace acusou nesta quarta-feira (26) a multinacional Procter & Gamble (P&G) de se abastecer de óleo de palma proveniente de plantações na Indonésia, que seriam responsáveis pelo desmatamento no país.

Segundo a France Presse, a ONG afirma que o óleo de palma entra na composição de produtos da empresa, como os xampus Head & Shoulders e Pantene, além do creme de barbear Gillette.

“O fabricante do Head & Shoulders deve deixar o desmatamento de fora de nossos banheiros”, afirmou o Greenpeace.

Em nota, a P&G informou que não teve acesso ao estudo e alega ser uma “companhia comprometida com o abastecimento sustentável do óleo de palma”.

“Temos estabelecida a meta de garantir que 100% de todas as compras de óleo de palma provenham de fontes sustentáveis e estamos trabalhando prioritariamente com nossos fornecedores para garantir o cumprimento deste compromisso até 2015”, afirma a nota.

Em outro ponto do informe, a multinacional diz que “se opõe firmemente às práticas de desmatamento irresponsáveis e encara qualquer denúncia relacionada a nossos fornecedores de forma séria e criteriosa, assim, investigamos detalhadamente todas as possíveis acusações”

Recentemente, o Greenpeace tem criticado várias multinacionais por não considerarem o desmatamento na Indonésia em função da produção de óleo de palma, necessário para seus produtos. Um fotógrafo da AFP comprovou o atual processo de desmatamento nas terras de abastecedores da P&G na parte indonésia da ilha de Bornéu.

Segundo o WWF, a ilha de Bornéu perdeu mais da metade da selva que cobria mais de 90% de sua superfície há décadas. Ainda segundo a ONG, a Indonésia planeja aumentar em mais de 60% a produção de óleo de palma até 2020.

Imagem feita em 24 de fevereiro durante sobrevoo na região de de Bornéu mostra desmatamento em área concedida a empresa fabricante de óleo de palma (Foto: Bay Ismoyo/AFP)Imagem feita em 24 de fevereiro durante sobrevoo na região de de Bornéu mostra desmatamento em área concedida a empresa fabricante de óleo de palma (Foto: Bay Ismoyo/AFP)

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 7 de março de 2014 em Tecnologia

 

Tags: , , , , ,

Greenpeace alerta sobre substâncias tóxicas em roupas de marcas infantis

Ativista do Greenpeace faz protesto para alertar presença de produtos tóxicos em roupas infantis (Foto: Attila Kisbenedek/AFP)Ativista do Greenpeace faz protesto para alertar presença de produtos tóxicos em roupas infantis (Foto: Attila Kisbenedek/AFP)

O Greenpeace afirmou nesta terça-feira (14) em Pequim, na China, que detectou produtos químicos perigosos em roupas infantis comercializadas por grandes marcas, incluindo Disney, Burberry e Adidas.

A organização de proteção do meio ambiente, explicou em um comunicado que ao analisar 82 produtos de 12 marcas encontrou em todos eles produtos químicos prejudiciais à saúde. Entre as marcas analisadas estão Nike, American Apparel, C&A e Gap.

“Nas análises, foram encontrados altos níveis de substâncias como PFOAs, Phthalates e NPEs – elementos tóxicos que, durante o processo de produção, estão sendo irresponsavelmente descartados no meio ambiente, e que podem gerar impactos nos sistemas reprodutivo, hormonal e imunológico dos seres humanos”, diz o Greenpeace.

Os itens analisados foram fabricados em doze regiões ou países, e um terço deles na China. “Os pais que querem comprar para seus filhos roupas sem produtos químicos perigosos enfrentam um pesadelo”, afirmou Chih Um Lee, da ONG.

O Greenpeace pediu à China, o maior produtor têxtil e primeiro consumidor de produtos químicos do mundo, para parar de usar substâncias nocivas na indústria têxtil.

Não é a primeira vez que o Greenpeace acusa grandes fabricantes de vestuário. Nos últimos dois anos, ele publicou vários estudos que indicam a presença de produtos químicos que podem causar câncer e distúrbios hormonais em produtos de marcas como Zara, Calvin Klein, Levi’s e Li Ning.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 16 de janeiro de 2014 em Tecnologia

 

Tags: , , , , , , ,

Vídeo do Greenpeace faz animais sumirem em cena de ‘O Rei Leão’

O Greenpeace divulgou um vídeo produzido pela agência holandesa Studio Smack para alertar sobre a extinção dos animais na África.

Na montagem, uma cena clássica do filme da Disney “O Rei Leão” é alterada de modo que os animais que prestam reverência ao rei leão desapareçam progressivamente.

No final da cena, o que resta é o “cenário bonito, ainda que opressivo da savana africana”, nas palavras da agência. O vídeo faz parte da mais recente edição da revista online GPM, editada pelo Greenpeace Holanda.

Segundo a organização, o vídeo não foi feito para uma campanha específica, mas serve para lembrar as pessoas de que as espécies estão morrendo em ritmo acelerado.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 10 de janeiro de 2014 em Tecnologia

 

Tags: , ,

Rússia diz ter encontrado drogas em embarcação do Greenpeace

O navio Arctic Sunrise, do Greenpeace, é escoltado pela guarda costeira russa na Baía de Kola, perto da base de Severomorsk. A Rússia entrou com um processo acusando a ONG de pirataria depois que membros tentaram invadir uma plataforma de petróleo. (Foto: Efrem Lukatsky/AP)O navio Arctic Sunrise, do Greenpeace, é escoltado pela guarda costeira russa na Baía de Kola, perto da base de Severomorsk. A Rússia entrou com um processo acusando a ONG de pirataria depois que membros tentaram invadir uma plataforma de petróleo. (Foto: Efrem Lukatsky/AP)

Investigadores russos afirmaram nesta quarta-feira (9) que vários dos 30 ativistas do Greenpeace, em prisão provisória sob acusação de pirataria, por tentarem realizar uma ação de protesto no Ártico, serão acusados de outros delitos graves, segundo a agência AFP. Depois de uma revista em seu barco, de acordo com as autoridades, foram achados entorpecentes e equipamentos suspeitos. A organização nega que houvesse drogas ilegais no Arctic Sunrise.

O comitê de investigação com sede em Moscou indicou, em um comunicado, ter achado na embarcação produtos entorpecentes, aparentemente dormideira (papoula) e morfina, assim como equipamentos tecnológicos suspeitos. Esses equipamentos tinham “um duplo propósito e poderiam ser utilizados não apenas para fins ecológicos”, acrescenta o comitê.

Outro lado
“Qualquer declaração de que drogas ilegais foram encontradas no navio é pura invenção”, respondeu a organização em nota. “Podemos somente presumir que as autoridades russas se referem às medicações obrigatórias que carregamos a bordo, o que é estipulado pela própria legislação marítima. O navio foi vistoriado semanas atrás pela Guarda Costeira Russa, que buscou provas criminosas em cada canto da embarcação, o que nos leva a crer que essa alegação, agora, foi pensada para desviar a atenção do julgamento em Murmansk, que sofre cada vez mais pressão internacional”, argumenta o Greenpeace.

A organização diz que mantém uma rigorosa política contra drogas recreativas a bordo dos seus navios. “Antes de deixar a Noruega rumo ao Ártico russo, o navio foi vistoriado inclusive por um cão farejador, como norma padrão. As leis norueguesas estão entre as mais duras do mundo, e nada foi encontrado, porque não havia nada ilegal”, diz a nota.

A ONG esclarece ainda que o Arctic Sunrise é considerado território holandês e, estando em águas internacionais, está sujeito às leis da Holanda. “É ilegal navegar um navio de bandeira holandesa sem os suprimentos médicos obrigatórios por lei. O navio tinha a bordo um médico totalmente capacitado com mais de dez anos de experiência em hospitais russos. Alguns dos remédios eram mantidos em segurança num cofre, sob acesso apenas do capitão e do médico. Sabemos que o cofre foi arrombado pelas autoridades russas durante a inspeção do navio. Presumimos que são esses os medicamentos aos quais o serviço de segurança russo se refere”.

Os detidos, 28 ativistas do Greenpeace, incluindo a brasileira Ana Paula Alminhana Maciel, e dois jornalistas freelancers, foram presos em 18 de setembro após uma ação de protesto contra exploração de petróleo no Ártico.

A embarcação Arctic Sunrise foi interceptada pela guarda costeira russa no mar ao norte do país. Eles ficaram detidos no navio, sendo conduzidos posteriormente a um tribunal de Murmansk. Lá, foram colocados dentro de celas provisórias.

Os ativistas condenados procedem de 19 países: Brasil, Rússia, EUA, Argentina, Reino Unido, Canadá, Itália, Ucrânia, Nova Zelândia, Holanda, Dinamarca, Austrália, República Tcheca, Polônia, Turquia, Dinamarca, Finlândia, Suécia e França.

Garantia
O diretor do Greenpeace se ofereceu nesta quarta-feira para ir morar na Rússia e se colocar como garantia para viabilizar a libertação sob fiança dos 30 detidos. A oferta foi feita por meio de uma carta, escrita por Kumi Naidoo ao presidente russo, Vladimir Putin, vista pela Reuters e enviada nesta quarta-feira em seguida a uma decisão judicial de negar fiança a três dos detidos.

“Ofereço a mim mesmo como garantidor da boa conduta dos ativistas do Greenpeace, caso sejam libertados sob fiança”, escreveu Naidoo na carta, na qual ele se ofereceu para “mudar sua vida para a Rússia enquanto durar o caso”. Ele acrescentou que nem ele nem os ativistas se consideram acima da lei, e solicitou uma reunião urgente com Putin.

Fonte G1

 
1 comentário

Publicado por em 10 de outubro de 2013 em Brasil

 

Tags: , , , ,

Rússia diz ter encontrado drogas em embarcação do Greenpeace

O navio Arctic Sunrise, do Greenpeace, é escoltado pela guarda costeira russa na Baía de Kola, perto da base de Severomorsk. A Rússia entrou com um processo acusando a ONG de pirataria depois que membros tentaram invadir uma plataforma de petróleo. (Foto: Efrem Lukatsky/AP)O navio Arctic Sunrise, do Greenpeace, é escoltado pela guarda costeira russa na Baía de Kola, perto da base de Severomorsk. A Rússia entrou com um processo acusando a ONG de pirataria depois que membros tentaram invadir uma plataforma de petróleo. (Foto: Efrem Lukatsky/AP)

Investigadores russos afirmaram nesta quarta-feira (9) que vários dos 30 ativistas do Greenpeace, em prisão provisória sob acusação de pirataria, por tentarem realizar uma ação de protesto no Ártico, serão acusados de outros delitos graves, segundo a agência AFP. Depois de uma revista em seu barco, de acordo com as autoridades, foram achados entorpecentes e equipamentos suspeitos. A organização nega que houvesse drogas ilegais no Arctic Sunrise.

O comitê de investigação com sede em Moscou indicou, em um comunicado, ter achado na embarcação produtos entorpecentes, aparentemente dormideira (papoula) e morfina, assim como equipamentos tecnológicos suspeitos. Esses equipamentos tinham “um duplo propósito e poderiam ser utilizados não apenas para fins ecológicos”, acrescenta o comitê.

Outro lado
“Qualquer declaração de que drogas ilegais foram encontradas no navio é pura invenção”, respondeu a organização em nota. “Podemos somente presumir que as autoridades russas se referem às medicações obrigatórias que carregamos a bordo, o que é estipulado pela própria legislação marítima. O navio foi vistoriado semanas atrás pela Guarda Costeira Russa, que buscou provas criminosas em cada canto da embarcação, o que nos leva a crer que essa alegação, agora, foi pensada para desviar a atenção do julgamento em Murmansk, que sofre cada vez mais pressão internacional”, argumenta o Greenpeace.

A organização diz que mantém uma rigorosa política contra drogas recreativas a bordo dos seus navios. “Antes de deixar a Noruega rumo ao Ártico russo, o navio foi vistoriado inclusive por um cão farejador, como norma padrão. As leis norueguesas estão entre as mais duras do mundo, e nada foi encontrado, porque não havia nada ilegal”, diz a nota.

A ONG esclarece ainda que o Arctic Sunrise é considerado território holandês e, estando em águas internacionais, está sujeito às leis da Holanda. “É ilegal navegar um navio de bandeira holandesa sem os suprimentos médicos obrigatórios por lei. O navio tinha a bordo um médico totalmente capacitado com mais de dez anos de experiência em hospitais russos. Alguns dos remédios eram mantidos em segurança num cofre, sob acesso apenas do capitão e do médico. Sabemos que o cofre foi arrombado pelas autoridades russas durante a inspeção do navio. Presumimos que são esses os medicamentos aos quais o serviço de segurança russo se refere”.

Os detidos, 28 ativistas do Greenpeace, incluindo a brasileira Ana Paula Alminhana Maciel, e dois jornalistas freelancers, foram presos em 18 de setembro após uma ação de protesto contra exploração de petróleo no Ártico.

A embarcação Arctic Sunrise foi interceptada pela guarda costeira russa no mar ao norte do país. Eles ficaram detidos no navio, sendo conduzidos posteriormente a um tribunal de Murmansk. Lá, foram colocados dentro de celas provisórias.

Os ativistas condenados procedem de 19 países: Brasil, Rússia, EUA, Argentina, Reino Unido, Canadá, Itália, Ucrânia, Nova Zelândia, Holanda, Dinamarca, Austrália, República Tcheca, Polônia, Turquia, Dinamarca, Finlândia, Suécia e França.

Garantia
O diretor do Greenpeace se ofereceu nesta quarta-feira para ir morar na Rússia e se colocar como garantia para viabilizar a libertação sob fiança dos 30 detidos. A oferta foi feita por meio de uma carta, escrita por Kumi Naidoo ao presidente russo, Vladimir Putin, vista pela Reuters e enviada nesta quarta-feira em seguida a uma decisão judicial de negar fiança a três dos detidos.

“Ofereço a mim mesmo como garantidor da boa conduta dos ativistas do Greenpeace, caso sejam libertados sob fiança”, escreveu Naidoo na carta, na qual ele se ofereceu para “mudar sua vida para a Rússia enquanto durar o caso”. Ele acrescentou que nem ele nem os ativistas se consideram acima da lei, e solicitou uma reunião urgente com Putin.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 10 de outubro de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , ,

Justiça rejeita pedido de libertação de médica do Greenpeace na Rússia

Imagem divulgada pelo Greenpeace, feita nesta terça-feira (24), mostra Ana Paula (em destaque) com outros membros da tripulação a bordo do navio ‘Arctic Sunrise’ enquanto são rebocados pela guarda costeira russa (Foto: Greenpeace/AP)Imagem divulgada pelo Greenpeace, feita há duas semanas, mostra Ana Paula (em destaque) com outros membros da tripulação a bordo do navio ‘Arctic Sunrise’ enquanto são rebocados pela guarda costeira russa (Foto: Greenpeace/AP)

O tribunal de Murmansk, noroeste da Rússia, rejeitou nesta terça-feira (8) o pedido de libertação da médica do Greenpeace, detida e acusada de pirataria ao lado de outras 29 pessoas após uma ação de protesto contra uma plataforma de petróleo no Ártico.

Ekaterina Zaspa, médica do navio do Greenpeace “Arctic Sunrise”, permanecerá em prisão provisória até 24 de novembro, decidiu o tribunal regional de Murmansk.

Na semana passada, os 30 membros da equipe, entre eles a bióloga brasileira Ana Paula Maciel, foram indiciados por “pirataria em grupo organizado”, acusação que pode resultar em uma pena de até 15 anos de prisão.

O Greenpeace denunciou na segunda-feira as condições de detenção dos ativistas como “desumanas”.

De acordo com a organização, vários ativistas detidos não têm acesso a água potável e são vigiados por vídeo de maneira permanente.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 9 de outubro de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , , , ,