RSS

Arquivo da tag: falsas

Autora de falsas memórias do Holocausto deve pagar R$ 50 milhões

AppId is over the quota
AppId is over the quota
Capa de 'Misha: A mémoire of the Holocaust years' (Foto: Divulgação)Capa de ‘Misha: A mémoire of the Holocaust
years’ (Foto: Divulgação)

A escritora de um best-seller baseado em falsas memórias sobre o Holocausto foi condenada por um tribunal dos Estados Unidos a devolver US$ 22,5 milhões, o equivalente a quase R$ 50 milhões, a sua editora.

A autora em questão é a belga Misha Defonseca, autora do livro “Misha: A mémoire of the Holocaust years” (Misha: memórias dos anos do Holocausto, na tradução literal), publicado em 1997.

O livro conta a história – supostamente verdadeira – de uma menina judia que, entre outras coisas, foi criada por lobos e matou um soldado nazista durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A decisão do tribunal de apelação de Massachusetts foi emitida no último 29 de abril e leva a assinatura do juiz Marc Kantrowicz, segundo uma cópia do documento publicada no Courthouse News Service.

A autobiografia de Misha Defonseca, que na verdade se chama Monique de Wael, tornou-se um sucesso instantâneo na Europa e foi traduzida em mais de vinte línguas. Em 2007, a obra ganhou uma adaptação para o cinema, “Sobrevivendo com lobos”.

Em fevereiro de 2008, Defonseca admitiu que muitas das coisas escritas eram falsas, começando pelo fato de que não era judia e de que nunca havia deixado sua casa na Bélgica durante a guerra. Ela se justificou garantindo que esta foi sua forma de sobreviver à tragédia vivida à época.

“Este livro, esta história, é minha. Não é a realidade real, mas foi a minha realidade, minha maneira de sobreviver”, afirmou a escritora em 2008.

A saga judicial nos Estados Unidos começou com um processo aberto pela própria Defonseca e por uma pessoa que deveria ajudá-la a escrever a versão em inglês, Vera Lee, que denunciaram a editora Mt. Ivy Press L.P por quebra de contrato.

Um primeiro parecer favorável à Defonseca e Lee deu US$ 22,5 milhões à belga (R$ 49,93 milhões) e US$ 9,9 milhões (R$ 27,97 milhões) a Lee.

Mas a derrota judicial levou Jane Daniel, presidente da editora, a buscar evidências de fraude na história, da qual muitos já tinham duvidado.

Após a apelação da editora, o caso passou à segunda instância, onde a sentença em favor de Defonseca foi revertida e anulada.

A escritora recorreu ao tribunal de apelação, que resolveu manter a decisão de anular a primeira sentença.

“Este caso é único. A falsidade da história é indiscutível”, avaliou o juiz Kantrowitz em sua sentença de 29 de abril.

“Não opinamos sobre se é ‘razoável’ a crença de Defonseca na veracidade de sua história”, informou o juiz, alegando que “a introdução da evidência dos fatos atuais de sua história no processo poderia ter feito uma diferença significativa nas deliberações do júri”.

“Esperamos que agora a saga tenha chegado ao fim”, conclui a sentença de nove páginas.

View the original article here

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 14 de maio de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , , ,

Grupo criminoso engana Apple com peças falsas de iPhone na China

Em golpe, criminosos pretendiam revender smartphones usados como se fossem novos após conseguirem peças sem custo junto à empresa de Cupertino. Um grupo de distribuidores chineses de iPhone foi preso por enganar a Apple com componentes falsos para obter partes substitutas que valem cerca de 65 mil dólares (400 mil yuans).

Os cinco suspeitos foram presos neste mês após a Apple ter informado a polícia local que havia recebido componentes falsos de iPhone 4 de um distribuidor da cidade chinesa de Wenzhou que também acusado de consertar iPhones sem autorização.

As partes substitutas provavelmente foram usadas por revendedores locais para arrumar iPhones usados para que pudessem ser vendidos como novos para consumidores, afirmou a polícia do distrito de Lucheng em um comunicado online.

O golpe, que começou em dezembro, envolvia os suspeitos usando suas credenciais como distribuidores oficiais de iPhone para fazer um pedido para a Apple de 121 partes BAND do iPhone 4S. Essas partes compões os principais componentes do smartphone, mas excluem sua bateria e cobertura traseira. Uma unidade BAND pode custar mais de 480 dólares (3000 yuans).

Os suspeitos teriam feito o pedido ao submeter números seriais de 121 iPhones 4S genuínos, e inventando falsos problemas para os aparelhos. Os suspeitos então enviaram para a Apple um grupo de partes BAND falsas que a polícia afirmou terem pouco valor. Para evitar serem descobertos, os suspeitos chegaram ao ponto de imprimir números seriais verdadeiros de iPhone para os componentes BAND falsos.

Inicialmente, os distribuidores de iPhone negaram qualquer crime, mas a polícia confirmou o golpe após descobrir que 118 dos 121 iPhones informados como “problemáticos” foram ativados em 20 de dezembro do ano passado – além disso, todos tinham o identificador “C8PJ” nos seus números seriais. A polícia afirmou que havia poucas chances que tantos aparelhos iguais precisassem de reparos.

A polícia disse que a Apple alertou as autoridades sobre o caso em janeiro, mas que até então eles não tinham conseguido recuperar os componentes roubados. As partes BAND poderia ser usadas pelos criminosos para conseguir um lucro de 160 dólares (1000 yuans) por cada iPhone usado revendido como novo, afirmou a polícia.

A Apple não respondeu ao nosso pedido de comentário sobre o assunto até o fechamento da reportagem.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 21 de junho de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , , , ,

Páginas falsas da Apple no Facebook reúnem cerca de 9 milhões de fãs

Companhia de Cupertino não possui nenhum perfil oficial em seu nome na rede social, apenas do iTunes. Empresas que se sentirem lesadas por podem denunciar prática.A Apple possui cerca de 9 milhões de fãs no Facebook, mesmo sem ter nenhum perfil ou página oficial em seu nome na maior rede social do mundo. Procurada pela nossa reportagem, a empresa confirmou que não possui nenhum perfil oficial no site de Mark Zuckerberg, com exceção das páginas do iTunes.

O principal desses perfis falsos, intitulado simplesmente Apple Inc, registra nada menos que 8,75 milhões de fãs na maior rede social do mundo. Some a isso os 135 mil likes da página Apple Brasil e chegamos perto de 9 milhões de fãs. Além delas, é possível encontrar muitas outras páginas e comunidades sob o nome da empresa.

appleincfakefacebook01.jpg

Usuário às escuras: página Apple Inc. não traz nenhuma informação sobre ser oficial ou não

applebrasilfacebook01

Já a Apple Brasil indica que não é oficial, mas traz um e-mail de “atendimento”

Alguns desses casos de páginas falsas podem ser prejudiciais para a empresa em questão. A página Apple Brasil Inc, diferente das suas citadas acima, já divulgou diversos daqueles cada vez mais comuns sorteios falsos de iPhone 5 (confira imagem do sorteio falso abaixo), o que ajuda a ganhar muitos novos fãs de forma rápida.

Procurada pela Macworld Brasil, a assessoria do Facebook informou que as empresas que se sentirem lesadas por essas páginas e perfis podem denunciá-las por esse link e salientou que todo o processo é feito de forma online. De acordo com a rede social, as páginas devem obedecer a determinados termos de conduta – link para página com diretrizes do Facebook.

sorteiofalsoiphone201302.jpg

Tipos de páginas falsas e como agir

Segundo Alessandro Lima, CEO da empresa de análise e gestão de relacionamento em mídias sociais e.life, existem diferentes tipos de páginas falsas, que exigem condutas diferentes por parte da empresa “homenageada”. “Temos  páginas/perfis falsos criados por fãs, outras que são feitas na má-fé para aplicar golpes, por exemplo. Além disso, também há casos de redes de franquias que veem suas lojas de diferentes lugares criarem perfis com visual e abordagens diferentes”.

Para se precaver, aponta o executivo, os usuários devem sempre procurar primeiro pelo endereço oficial da página social no site da empresa, em vez de fazer a busca logo de cara no Facebook, por exemplo. De acordo com ele, também vale ficar de olho nas postagens, que costumam cometer erros de português e/ou digitação, além de “não parecerem muito profissionais”.

Lima também destaca que pequenas e médias empresas podem utilizar programas e serviços específicos para realizar monitoramento dos seus perfis e encontrar essas páginas e perfis falsos em redes como Facebook, Twitter e Google+. A própria e.life oferece um serviço chamado Buzz Monitor, que pode ser usado de forma gratuita por um mês.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 19 de junho de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , , , ,

iPad 3 já vira isca para páginas falsas no Facebook e Twitter

AppId is over the quota

Redes sociais como o Facebook e o Twitter estão sendo duramente criticadas por experts em segurança por permitirem que scammers atraiam usuários desavisados usando o iPad 3 como isca. O tablet sequer foi lançado, e a Apple apenas fez o anúncio de um evento sobre o produto, marcado para San Francisco no próximo dia 7/3. 

Gragam Clule, consultor-sênior de segurança da Sophos, escreveu um post no Naked Security, blog da companhia, alertando em relação a grande quantidade de armadilhas que já prometem a possível terceira geração do tablet da empresa, caso os membros das redes sociais preencham formulários de pesquisa. Vale lembrar que táticas similares foram utilizadas antes do lançamento do iPhone 4S. 

Basta uma rápida pesquisa no Facebook para ver que já existem diversos resultados para o termo “free iPad 3”, com páginas que exibem montagens do que seria o novo tablet e prometem o aparelho para testes, alegando que os usuários podem ficar com o equipamento de graça depois. No Twitter, há resultados semelhantes, com perfis, mensagens e links que prometem um suposto sorteio do aparelho.

“Como a Apple nem mesmo anunciou a existência de um iPad 3, essas postagens e páginas (algumas com meses de existência) obviamente são ameaças” escreveu Luley. “Seria ótimo ver redes sociais como o Facebook e o Twitter fazerem uma limpeza mais profunda e remover atividades claramente duvidosas para proteger sua base de usuários”. 

freeipad3-01.jpg
Diversas páginas sugerem que darão o novo aparelho de graça

Se você fizer parte de um desses grupos do Facebook, o usuário será encorajado a acessar links de site externos, com pesquisas, que possibilitariam acesso ao dispositivo. Entretanto, não existe nenhuma chance de ganhar e, além disso, esses links podem coletar dados pessoais sensíveis que podem ser vendidos para anunciantes ou mesmo instalar spyware que possibilitaria o roubo de dados de seu computador. 

É importante lembrar que a Apple não realiza nenhum tipo de promoção que envolva seus produtos, seja para sorteios ou teste. Nem mesmo a página Apple Inc. no Facebook, que possui quase 4 milhões de “curtir” é oficial, e não pertence à empresa. 

Falso sorteio de iPhone 4S
No início de fevereiro, ocorreu no Facebook um falso sorteio de iPhones 4S em uma página brasileira, na qual os organizadores afirmavam que tinham recebido 14 peças do novo smartphone “de cortesia” da empresa , e que elas seriam sorteadas entre os usuários que curtissem o endereço “Chá de Ideias”. 

Obviamente, a promoção era uma farsa, a Apple negou participação na ação e nada aconteceu na data marcada – entretanto, o post foi curtido mais de 115 mil vezes antes de ser apagado e cerca de 190 mil usuários curtiram a página. O post foi simplesmente removido e o endereço, que conta hoje com mais de 215 mil usuários, não falou nada a respeito do sorteio e continuou funcionando normalmente. 

Em suma, fica o alerta: desconfie de páginas e links que prometem equipamentos e vantagens em redes sociais e só envie dados pessoais para instituições oficias e de sua confiança.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 10 de março de 2012 em Tecnologia

 

Tags: , , ,

iPad 3 já vira isca para páginas falsas no Facebook e Twitter

AppId is over the quota

Redes sociais como o Facebook e o Twitter estão sendo duramente criticadas por experts em segurança por permitirem que scammers atraiam usuários desavisados usando o iPad 3 como isca. O tablet sequer foi lançado, e a Apple apenas fez o anúncio de um evento sobre o produto, marcado para San Francisco no próximo dia 7/3. 

Gragam Clule, consultor-sênior de segurança da Sophos, escreveu um post no Naked Security, blog da companhia, alertando em relação a grande quantidade de armadilhas que já prometem a possível terceira geração do tablet da empresa, caso os membros das redes sociais preencham formulários de pesquisa. Vale lembrar que táticas similares foram utilizadas antes do lançamento do iPhone 4S. 

Basta uma rápida pesquisa no Facebook para ver que já existem diversos resultados para o termo “free iPad 3”, com páginas que exibem montagens do que seria o novo tablet e prometem o aparelho para testes, alegando que os usuários podem ficar com o equipamento de graça depois. No Twitter, há resultados semelhantes, com perfis, mensagens e links que prometem um suposto sorteio do aparelho.

“Como a Apple nem mesmo anunciou a existência de um iPad 3, essas postagens e páginas (algumas com meses de existência) obviamente são ameaças” escreveu Luley. “Seria ótimo ver redes sociais como o Facebook e o Twitter fazerem uma limpeza mais profunda e remover atividades claramente duvidosas para proteger sua base de usuários”. 

freeipad3-01.jpg
Diversas páginas sugerem que darão o novo aparelho de graça

Se você fizer parte de um desses grupos do Facebook, o usuário será encorajado a acessar links de site externos, com pesquisas, que possibilitariam acesso ao dispositivo. Entretanto, não existe nenhuma chance de ganhar e, além disso, esses links podem coletar dados pessoais sensíveis que podem ser vendidos para anunciantes ou mesmo instalar spyware que possibilitaria o roubo de dados de seu computador. 

É importante lembrar que a Apple não realiza nenhum tipo de promoção que envolva seus produtos, seja para sorteios ou teste. Nem mesmo a página Apple Inc. no Facebook, que possui quase 4 milhões de “curtir” é oficial, e não pertence à empresa. 

Falso sorteio de iPhone 4S
No início de fevereiro, ocorreu no Facebook um falso sorteio de iPhones 4S em uma página brasileira, na qual os organizadores afirmavam que tinham recebido 14 peças do novo smartphone “de cortesia” da empresa , e que elas seriam sorteadas entre os usuários que curtissem o endereço “Chá de Ideias”. 

Obviamente, a promoção era uma farsa, a Apple negou participação na ação e nada aconteceu na data marcada – entretanto, o post foi curtido mais de 115 mil vezes antes de ser apagado e cerca de 190 mil usuários curtiram a página. O post foi simplesmente removido e o endereço, que conta hoje com mais de 215 mil usuários, não falou nada a respeito do sorteio e continuou funcionando normalmente. 

Em suma, fica o alerta: desconfie de páginas e links que prometem equipamentos e vantagens em redes sociais e só envie dados pessoais para instituições oficias e de sua confiança.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 10 de março de 2012 em Tecnologia

 

Tags: , , ,