RSS

Arquivo da tag: Cabul

Ataque suicida atinge escritório de comissão eleitoral em Cabul

Um homem-bomba atacou nesta terça-feira (25) um escritório da comissão eleitoral de Cabul e em seguida teve início um tiroteio, informou a polícia, a apenas duas semanas da eleição presidencial afegã, que será realizada em 5 de abril. Sete pessoas morreram, segundo fontes policiais.

As vítimas seriam três civis, entre eles um candidato de um partido regional, dois policiais e cinco talibãs, de acordo com a agência EFE. Pelo menos três civis e três policiais afegãos ficaram feridos.

A ação do homem-bomba aconteceu diante de um escritório regional da Comissão Eleitoral Independente (IEC), na zona oeste de capital.

Forças de segurança afegãs seguem para local de ataque a comissão eleitoral (Foto: Roberto Schimidt/AFP)Forças de segurança afegãs seguem para local de ataque a comissão eleitoral (Foto: Roberto Schimidt/AFP)

“Vários indivíduos entraram no edifício e um tiroteio teve início com a polícia”, afirmou o porta-voz da polícia na capital afegã, Hashmat Estanakzai.

Os funcionários do escritório atacado buscaram refúgio em locais seguros, informou a comissão eleitoral.

A polícia chegou a informar em um primeiro momento um ataque perto da casa de Ashraf Ghani, um dos favoritos da eleição presidencial, que terá o primeiro turno celebrado em 5 de abril, mas colaboradores do candidato negaram a notícia.

O ataque não foi reivindicado até o momento, mas os atentados suicidas estão entre os métodos utilizados pelos talibãs em sua luta contra o governo afegão e as tropas estrangeiras.

Os rebeldes islamitas prometeram atuar para prejudicar a eleição presidencial que escolherá o sucessor de Hamid Karzai.

Fonte G1

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 26 de março de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , , , ,

Sobe para 21 o número de mortos em atentado em Cabul, no Afeganistão

Sobe para 21 o número de mortos após um atentado a bomba em um restaurante em Cabul, no Afeganistão. Segundo as autoridades locais, 13 são estrangeiros e oito são afegãos, informa a agência France Presse.

De acordo com a agência EFE, entre os estrangeiros estavam o principal responsável do Fundo Monetário Internacional (FMI) no país, Wabel Abdullah, e três funcionários da Organização das Nações Unidas (ONU). As duas organizações internacionais emitiram comunicados confirmando as mortes após o atentado no centro da capital afegã.

A EFE informa ainda que um porta-voz talibã, Zabihullah Mujahid, reivindicou a autoria do ataque em nome do movimento. Em entrevista à agência local AIP, Mujahid elevou para 29 o número de “altos funcionários estrangeiros” que morreram no atentado. Os talibãs costumam exagerar o número de vítimas de seus ataques.

Em comunicado posterior enviado à EFE, o talibã explicou que “o ataque foi uma vingança pelos ataques estrangeiros na província de Parwan, onde há dois dias arrasaram dez casas e mataram mulheres e crianças indefesas”.

Forças de Segurança do Afeganistão investigam local onde um ataque suicida deixou mortos nesta sexta-feira (17) em Cabul. (Foto: Rahmat Gul/AP)Forças de Segurança do Afeganistão investigam local onde um ataque suicida deixou mortos nesta sexta-feira (17) em Cabul. (Foto: Rahmat Gul/AP)

“São notícias trágicas e no fundo estamos todos desolados. Nossos corações estão com a família e os amigos de Wabel, assim como com os entes queridos das outras vítimas do ataque”, disse em comunicado a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde.

Wabel Abdallah, de 60 anos e com nacionalidade libanesa, foi nomeado o mais alto  representante do FMI no Afeganistão em 2008, após ter trabalhado para essa organização em diferentes cargos, a maioria deles relacionados com o Oriente Médio.

No atentado também morreram três funcionários da ONU, organização que condenou os ataques contra civis como o ocorrido “por serem inaceitáveis e violarem de maneira flagrante as leis internacionais em matéria humanitária”.

“Estes ataques devem acabar imediatamente”, disse hoje um porta-voz do secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, em comunicado.

“O secretário-geral envia suas mais profundas condolências às famílias e amigos dos que morreram hoje e seu desejo de que os feridos melhorem em breve”, completou.

O atentado coincide com o início do último ano das tropas da Otan no Afeganistão, de acordo com o calendário de retirada gradual que será concluído em dezembro, quando as forças locais assumirão a segurança em todo o território afegão.

Segundo o chefe da polícia de Cabul, Mohammed Zahir, três terroristas participaram do ataque, mas apenas um detonou sua carga explosiva, depois que os outros dois foram abatidos pelas forças de segurança.

Testemunhas citadas pela agência local ‘AIP’ garantiram que após a explosão foi possível ouvir uma breve troca de tiros no local, e acrescentaram que as forças de segurança isolaram a área, sobre a qual sobrevoam helicópteros militares.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 28 de janeiro de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , ,

Imigrante morre defendendo seu restaurante em Cabul

Imigrante morre defendendo seu restaurante em Cabul (Foto: AFP/BBC)Imigrante morre defendendo seu restaurante em Cabul (Foto: AFP/BBC)

Kamal Hamade, dono de um restaurante em Cabul, oferecia o melhor bolo de chocolate da cidade, o melhor da culinária libanesa e, ele acreditava, o melhor plano de proteção para seus clientes.

Mas o plano não foi bom o bastante para permitir que ele e outras 20 pessoas – entre clientes e funcionários – escapassem de um atentado realizado nesta sexta-feira, em seu restaurante Taverna du Liban, localizado em uma rua tranquila da capital do Afeganistão.

Segundo relatos, Kamal tentou impedir o ataque à taverna, mas foi morto a tiros pelos agressores, que agiram com armas e explosivos.

O atentado, que resultou na morte de 13 estrangeiros e oito afegãos, foi reivindicado pelo Talebã, indicando que o restaurante foi escolhido como alvo por ser frequentado por visitantes de alto escalão e por servir álcool.

O episódio é mais uma evidência dos desafios de segurança que assombram o Afeganistão, num ano em que a maioria das tropas estrangeiras deve deixar o país.

Casa longe de casa

Kamal, um carismático e sorridente imigrante libanês, fazia todo o possível para tornar seu restaurante uma ‘casa longe de casa’.

Qualquer prato que você pedisse, ele trazia a comida em dobro. E, quando sentava na sua mesa, ele compartilhava ótimas histórias. Treinava, com orgulho, chefs afegãos para que produzissem iguarias libanesas, enquanto seguranças afegãos protegiam seu restaurante.

Sua taverna já havia sido atacada antes. Ele contou uma vez à reportagem da BBC que guardava uma arma, pronto para defender seu negócio e seus clientes, que faziam do local um ambiente especial.

De tempos em tempos, ele aumentava a segurança: mais portas, mais armas, mais regras.

Nas redes sociais, dezenas de afegãos e estrangeiros, que em algum momento foram agraciados com sua hospitalidade, lamentaram a morte de Kamal com tristeza e assombro – tanto por ele quanto pelo Afeganistão.

Agora, as portas de seu restaurante estão fechadas e, com elas, parte da esperança de que Cabul volte a ser a cidade segura e convidativa com que Kamal sonhava.

‘Cabul está sangrando’

A tragédia também tirou a vida de outro libanês, amigo de Kamal: Wabel Abdallah, de 60 anos, representante do Fundo Monetário Internacional. Muitas vezes eles sentavam juntos no restaurante e conversavam sobre o país que haviam deixado para trás e o país que passaram a chamar de casa.

Horas após a explosão no restaurante, ainda emergiam detalhes sobre o ocorrido e sobre as vítimas.

Bilal Sarwary, da equipe da BBC em Cabul, conta que os extremistas responsáveis pelo ataque pesquisaram o local antes do atentado. A polícia disse a ele que os agressores chegaram ao restaurante com ‘mapas, datas e energéticos’ para uma operação ‘organizada e planejada’.

‘Cabul está sangrando’, escreveu Bilal no Twitter. ‘E meu coração também.’

Em um ano crucial, que colocará à prova a força da segurança e da estabilidade afegãs, o atentado desta sexta é um mau presságio: uma luz preciosa de Cabul se apagou.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 22 de janeiro de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , ,

Representante do FMI e funcionários da ONU morrem em ataque em Cabul

Forças de Segurança do Afeganistão investigam local onde um ataque suicida deixou mortos nesta sexta-feira (17) em Cabul. (Foto: Rahmat Gul/AP)Forças de Segurança do Afeganistão investigam local onde um ataque suicida deixou mortos nesta sexta-feira (17) em Cabul. (Foto: Rahmat Gul/AP)

O principal responsável do Fundo Monetário Internacional (FMI) no Afeganistão, Wabel Abdullah, e três funcionários da Organização das Nações Unidas (ONU) estão entre os mortos no ataque suicida cometido nesta sexta-feira (17) contra um restaurante no centro de Cabul.

As duas organizações internacionais emitiram comunicados confirmando as mortes após o atentado no centro da capital afegã, que deixou pelo menos 14 mortos e quatro feridos.

“São notícias trágicas e no fundo estamos todos desolados. Nossos corações estão com a família e os amigos de Wabel, assim como com os entes queridos das outras vítimas do ataque”, disse em comunicado a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde.

Wabel Abdallah, de 60 anos e com nacionalidade libanesa, foi nomeado o mais alto  representante do FMI no Afeganistão em 2008, após ter trabalhado para essa organização em diferentes cargos, a maioria deles relacionados com o Oriente Médio.

No atentado também morreram três funcionários da ONU, que condenou os ataques contra civis como o ocorrido hoje “por serem inaceitáveis e violarem de maneira flagrante as leis internacionais em matéria humanitária”.

“Estes ataques devem acabar imediatamente”, disse hoje um porta-voz do secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, em comunicado.

“O secretário-geral envia suas mais profundas condolências às famílias e amigos dos que morreram hoje e seu desejo de que os feridos melhorem em breve”, completou.

O atentado coincide com o início do último ano das tropas da Otan no Afeganistão, de acordo com o calendário de retirada gradual que será concluído em dezembro, quando as forças locais assumirão a segurança em todo o território afegão.

Segundo o chefe da polícia de Cabul, Mohammed Zahir, três terroristas participaram do ataque, mas apenas um detonou sua carga explosiva, depois que os outros dois foram abatidos pelas forças de segurança.

Testemunhas citadas pela agência local ‘AIP’ garantiram que após a explosão foi possível ouvir uma breve troca de tiros no local, e acrescentaram que as forças de segurança isolaram a área, sobre a qual sobrevoam helicópteros militares.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 21 de janeiro de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , ,

Sem nomes ou números nas ruas, carteiros de Cabul viram ‘detetives’

AppId is over the quota
AppId is over the quota

Depois de três décadas de guerra e organização urbana anárquica, muitas ruas de Cabul não têm nome ou número, obrigando os carteiros a serem verdadeiros detetives para entregar as correspondências.

Sem nomes ou números nas ruas, os carteiros de Cabul viram 'detetives' (Foto: AP)Sem nomes ou números nas ruas, os carteiros de Cabul viram ‘detetives’ (Foto: AP)

Em uma bicicleta velha, Mohamad Rahim percorre seu caminho através das ruas íngremes da capital afegã. Com dez anos de experiência, nem os endereços mais misteriosos são capazes de assustá-lo.

“Esta é uma carta para um homem que vive perto da casa de um tal doutor Hashmat”, conta Rahim, de 46 anos. “Eu não conheço este endereço e vou ter que encontrar uma maneira de descobrir onde é”.

Rahim tem algumas pistas: o nome do destinatário, o fato de ele viver perto de um médico e as instruções do verso do envelope, que dizem: “Colina Kart-e-Sakhi, atrás do Ministério da Agricultura”.

São boas pistas, mas não suficientes. Por isso, Mohamad “Sherlock” Rahim iniciou sua investigação conversando com os vizinhos.

“Irmão, você sabe onde é a casa do dr. Hashmat?”, pergunta a um comerciante. “Suba o morro e vire à direita”, responde o homem.

Rahim, então, sobe em sua bicicleta e segue as orientações. A pista é quente. “Vire à direita, é a terceira casa à esquerda”.

O carteiro entra em uma estrada de terra, coberta por pedras e lixo. A subida íngreme o obriga a sair da bicicleta. Poucos metros à frente, consegue encontrar a casa.

A esposa do destinatário, uma mulher de cerca de 40 anos, recebe a carta na porta. Missão cumprida.

Salário de US$ 90 por mês

A capital afegã está, há alguns anos, em plena metamorfose: sua população cresceu acentuadamente devido à migração de muitas pessoas que vêm à procura de trabalho ou fugindo da violência, e já atingiu a marca de cinco milhões de habitantes.

Este processo fez com que vários edifícios tenham surgido em muitos lugares da cidade, até mesmo sem permissão, em alguns casos.

Mas o calvário dos carteiros pode chegar ao fim porque, há algumas semanas, o ministério das Comunicações assinou um acordo com o governo municipal para implementar um novo sistema de endereçamento.

As ruas e as casas deverão ser registradas, numeradas e identificadas em um mapa, graças a um dispositivo de localização por satélite. O projeto levará dois anos para ser finalizado e o governo pretende estendê-lo para outras cidades.

Khan Agha, outro carteiro, de 42 anos, aguarda ansiosamente a melhoria, já que a atual disposição caótica das ruas faz com que o trabalho do correio seja “o mais difícil do mundo”. “Quando o projeto for implementado, poderemos fazer o nosso trabalho com mais facilidade”, garante.

Com 900 carteiros no país, 100 na capital, o avanço tecnológico pode fazer com que novos afegãos escolham a profissão, apesar dos baixos salários. Agha ganha cerca de 90 dólares por mês, o que mal dá para alimentar sua família de oito pessoas.

Antes de começar seu dia de trabalho, este ex-soldado, que sofre com um ferimento causado por uma bala que atingiu a parte de trás da sua cabeça e “saiu pela órbita do olho direito”, precisa encontrar as cartas que correspondem ao seu setor em uma enorme pilha no chão.

Às vezes, um “número de telefone na parte de trás do envelope pode ajudar”. “Nós ligamos para o destinatário, que nos diz onde podemos encontrá-lo”, conta Agha, que é carteiro há 22 anos.

“Devemos entregar esta carta para a Sra. Barbara, que veio da Alemanha”, conta. E, como é comum acontecer, o envelope indica apenas o bairro, sem nome da rua ou número da casa. É o começo de uma nova investigação.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 24 de agosto de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , , ,