RSS

Arquivo da tag: Brasil

Serviço de música online Spotify chega ao Brasil por US$ 6 ao mês

Spotfy chega ao Brasil com acervo de 30 milhões de músicas (Foto: Divulgação/Spotfy)Spotify chega ao Brasil com acervo de 30 milhões
de músicas (Foto: Divulgação/Spotfy)

O serviço de música por streaming Spotify (acesse aqui) – uma espécie de Netflix apenas com canções – foi lançado oficialmente no Brasil nesta quarta-feira (28) com mensalidade em dólar. Por US$ 6 ao mês (algo em torno de R$ 15), os brasileiros poderão acessar mais de 30 milhões de músicas disponíveis, acessadas no PC, em tablets e smartphones.

O Spotify chega tarde ao Brasil, e enfrenta concorrentes já consolidados no mercado, como o Xbox Music, da Microsoft, o Deezer, o Rdio e o Napster.

O catálogo de 30 milhões de músicas pode ser acessado por meio do programa para PC gratuitamente, desde que o usuário aceite ouvir e assistir a anúncios publicitários. Também não é possível escutar uma canção escolhida pelo usuário: é necessário incluí-la em uma lista ou escutar o álbum inteiro do artista na ordem ou em forma aleatória. Para ter liberdade de escolha, apenas pagando a mensalidade.

O valor pago, além de permitir escolher qual canção ouvir, dá a possibilidade de se baixar mais de 3 mil canções para escutar offline. Há aplicativos para celulares com sistemas Android, iOS, Windows Phone e Blackberry.

View the original article here

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 31 de maio de 2014 em Tecnologia

 

Tags: , , , , ,

Tempo do Brasil no Facebook é maior que de México e Argentina na internet

Conheça os tipos de amigos mais excluídos no Facebook (Foto: Reuters)Brasileiro gasta mais tempo no Facebook do que mexicanos e argentinos passam navegando na internet durante o mês (Foto: Reuters)

Os brasileiros gastam mais tempo no Facebook do que o período que mexicanos e argentinos passam navegando na internet por dia, de acordo com um estudo da consultoria comScore.

Composto por dados de fevereiro, o relatório “2014 Brazil Digital Future in Focus” mostra que os brasileiros passam 46 minutos na rede social por dia, enquanto os internautas do México e Argentina juntos somam 44,7 minutos na rede. Por mês, os brasileiros passam 12,9 horas curtindo e compartilhando postagens de seus amigos em redes sociais, mais do que o dobro do período médio do resto do mundo, de 5,7 horas.

Rede social LinkedIn tem 135 milhões de usuários no mundo (Foto: Divulgação)Rede social LinkedIn tem 135 milhões de usuários
no mundo (Foto: Divulgação)

O Facebook continua a ser o maior site do gênero no país. Mas houve uma dança das cadeiras nas posições subsequentes. O Twitter perdeu o posto de segunda rede social mais utilizada pelos brasileiros para o LinkedIn.

A rede social de contatos profissionais possui 11,8 milhões de visitas únicas. O número é suficiente para desbancar o Twitter, que possui 11,3 milhões. O Facebook ainda é de longe a maior mídia social do país, com 65,9 milhões de visitantes únicos. Completam a lista o Tumblr, do Yahoo, com 7,9 milhões, Ask.fm (5 milhões), Orkut, do Google (4,8 milhões), Badoo (3,1 milhões) e Yahoo Profile (2,7 milhões).

Segundo a comScore, os jovens se concentram no site de perguntas e respostas Aks.fm. A média de idade dos usuários do serviço é a menor de todas, de 21 anos. A do Yahoo Profile é a maior, de 38anos. As outras são: Facebook (30,2 anos), LinkdedIn (32,9 anos), Twitter (27 anos), Tumblr (24,8 anos), Orkut (30,4 anos) e Badoo (34,7 anos).

Quando a análise é feita sobre a dedicação despendida a sites desse gênero, a predominância do site de Mark Zuckerberg é enorme. Do tempo usado para navegar em redes social, 97,8% é gasto checando as atualizações, fotos dos amigos e outras postagens no Facebook. O Twitter fica com 0,7% do tempo com mídias sociais, o Tumblr, com 0,6%, o Ask.fm, com 0,5%, o Orkut, com 0,3%, e o LinkedIn, com 0,2%.

Tempo on-line
O maior tempo gasto em redes sociais ocorre porque os internautas brasileiros passam mais tempo na rede. Enquanto a média ao redor do mundo é passar 22,7 horas por mês conectado, no Brasil, o comum é acessar a rede mensalmente por 29,7 horas.

Além de passar muito tempo com os olhos grudados em computadores, tablets e smartphones, o brasileiro compõe um batalhão de internautas. O país possui a quinta maior audiência on-line, com 68 milhões de visitantes únicos, o que representa 40% de toda a população conectada na América Latina. China, EUA, Índia e Japão são, nessa ordem, os quatro maiores países on-line. Rússia, Alemanha, França, Reino Unido e Itália completam o top 10.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 31 de maio de 2014 em Tecnologia

 

Tags: , , , , , ,

Diretor da ONU quer Brasil em mais missões internacionais de paz

AppId is over the quota
AppId is over the quota
Edmond Mulet, subsecretário-geral de Operações de Paz das Nações Unidas (Foto: Gustavo Barreto/UNIC Rio)Edmond Mulet, subsecretário-geral de Operações de Paz das Nações Unidas (Foto: Gustavo Barreto/UNIC Rio)

As Nações Unidas precisam do Brasil em mais missões internacionais de paz em outros países. A afirmação é do subsecretário-geral de Operações de Paz da ONU, Edmond Mulet, em entrevista exclusiva à BBC Brasil no Rio de Janeiro durante as comemorações dos 10 anos da Minustah, missão de paz no Haiti liderada pelas forças brasileiras.

Nascido na Guatemala, o diplomata participou do seminário “Minustah e o Brasil: Dez anos pela paz no Haiti”, na Escola de Guerra Naval da Marinha, na Urca. Para ele, que já atuou duas vezes como chefe da Minustah, o trabalho dos militares brasileiros é “excepcional e admirável”.

O Brasil já participou de várias missões de paz ao longo dos anos, seja com observadores militares ou de outras maneiras, mas enviou tropas a apenas quatro: a missão de Suez, em 1956, do Timor Leste, em 1999, e atualmente a Unifil, no Líbano, e a Minustah, no Haiti.

Para Mulet, é imprescindível que esta participação continue e se expanda. Prova desta confiança foi a indicação do general brasileiro Carlos Alberto dos Santos Cruz, que esteve à frente das tropas no Haiti, para chefiar a Monusco, missão da ONU na República Democrática do Congo.

Na entrevista, o diplomata, baseado em Nova York, que supervisiona 16 missões de paz da ONU ao redor do mundo, falou sobre o trabalho de Santos Cruz, que completa 1 ano na África, e comentou ainda uma potencial expansão da atuação brasileira no Líbano e a inédita permissão do uso da força aos “capacetes azuis” atuando no Congo.

Confira os principais trechos:

BBC Brasil – O Brasil já participou de várias missões internacionais de paz nas últimas décadas e enviou tropas em quatro ocasiões. Agora que a Minustah completa dez anos, como o senhor avalia esta participação?

Edmond Mulet – Eu posso dizer, com toda certeza, que as tropas brasileiras atuam com profissionalismo, qualidade e com um nível de comprometimento excepcional e admirável. Tendo servido duas vezes como chefe da missão no Haiti, fui testemunha deste trabalho, e posso dizer que a atuação deles faz uma grande diferença.

E sabendo que eventualmente a Minustah vai começar a ser reduzida e um dia será encerrada, a ONU está tentando motivar o Brasil a olhar além do Haiti, e analisar outras possibilidades em outras partes do mundo.

Em nome do Departamento de Operações de Missões de Paz, posso dizer que as Nações Unidas precisam do Brasil. Eu espero que os líderes políticos e militares do Brasil levem em consideração esta atuação além do Haiti, para que contribuam levando a paz e a estabilidade a outros lugares.

BBC Brasil – O que ainda é necessário fazer no Haiti antes que a Minustah possa ser encerrada e a ONU deixe o país?

Mulet – A ONU sempre terá uma presença no Haiti. Não necessariamente com uma missão de paz, com componentes militares e policiais, mas os programas de desenvolvimento e ajuda internacional continuarão lá, com certeza.

É preciso lembrar que uma missão de paz deveria ter curta duração e que os objetivos são atuar em situações de instabilidade e insegurança. E podemos dizer que no Haiti estas metas foram alcançadas. A capacidade da polícia nacional haitiana é excelente e dentro de dois anos eles devem atingir o número de 15 mil homens.

Sobre o que está pendente, acho que os haitianos precisam começar, sozinhos, a lidar com assuntos como o cumprimento da lei, do Estado de Direito, e o combate à impunidade. É necessário investir em infraestrutura, em desenvolvimento.

O Estado precisa ser reestruturado, as instituições ainda são muito frágeis. É necessário instaurar sistemas de registro civil, registro de propriedades de terra. É preciso convidar investidores internacionais a analisarem oportunidades para gerar renda e empregos.

O país tem um potencial de turismo enorme, com praias lindas e 1.700 km de costa, a uma hora apenas de distância dos Estados Unidos.

BBC Brasil – Em termos de moradia e segurança, dois assuntos cruciais, já que o terremoto deixou muitos sem casa e vitimou grande parte das forças policiais, o senhor acha que o país realmente já está em condições de caminhar sem a ajuda da ONU?

Mulet – Se você comparar os níveis de violência, em termos de sequestros, homicídios e outros crimes, com outros países do Caribe e América Central, o Haiti é provavelmente neste momento uma das nações mais seguras da região. Acho que os níveis de segurança e estabilidade no Haiti são aceitáveis agora.

BBC Brasil – O Brasil avalia enviar tropas terrestres à Unifil, missão de paz que monitora a costa do Líbano desde 1978, e onde o país mantém uma fragata com mais de 200 marinheiros e fuzileiros navais desde 2011. Houve algum avanço nas negociações?

Mulet – O Brasil tem contribuído com sua embarcação e um almirante brasileiro é o chefe do componente marítimo da Unifil. Eles têm feito um ótimo trabalho e espero que continuem. Quanto às tropas terrestres, há países como a Espanha, que estão reconfigurando seus contingentes na missão.

Eles buscam reduzir o número de homens presentes no Líbano, mas convidando países latino-americanos a enviarem tropas para atuarem dentro de seus batalhões. Ainda não há confirmação oficial de que o Brasil vá enviar tropas terrestres nem de que tenha aceito qualquer convite da Espanha para ter soldados ‘embedados’ nos batalhões espanhóis.

BBC Brasil – Os países emergentes tendem a ter um papel cada vez mais forte em missões de paz da ONU?

Mulet – Sem dúvida. Países como Camboja, Mongólia e Vietnã, que nunca haviam participado de missões de paz, enviaram recentemente seus primeiros observadores militares. Muitas nações da Ásia Central e da Europa Oriental também começam a participar.

Mas também é preciso dizer que os países da Otan, que estiveram no Oriente Médio nos últimos anos, começam a fazer a transição de poder no Afeganistão e com isso poderão voltar a contribuir com as missões de paz da ONU, não só necessariamente com tropas, mas com expertise e equipamentos.

A Holanda, por exemplo, contribuiu com quatro helicópteros de ataque, uma unidade de inteligência e forças especiais para nossa missão no Mali. A Alemanha e os países nórdicos, como Islândia, Dinamarca e Suécia estão contribuindo com aeronaves, e nossa mais nova missão, que será estabelecida no dia 15 de setembro, na República Centro-Africana, também contará com contribuições de muitos países europeus, alguns com tropas.

BBC Brasil – O trabalho dos ‘capacetes azuis’, como são conhecidos os soldados das missões de paz da ONU, sempre foi marcado pela contenção, mas no Congo, pela primeira vez, uma missão da ONU conta com uma brigada de intervenção, com autorização para o combate direto. Como isto pode afetar a visão do mundo sobre as missões de paz?

Mulet – Esta foi uma decisão tomada pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, e temos que enxergá-la como parte de um esforço político maior na região. Eu não creio que este seja um modelo a ser replicado em outros países, em outros contextos.

Os 11 países que assinaram o acordo para a atuação da missão de paz na região dos Grandes Lagos aceitaram esta proposta, que na verdade foi sugerida por eles. Esta possibilidade do uso da força é uma ferramenta, um instrumento, para se atingirem os objetivos políticos mais abrangentes da região.

Cada missão de paz é completamente diferente e temos que nos adaptar com flexibilidade aos desafios e riscos de cada lugar onde atuamos.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 31 de maio de 2014 em Brasil

 

Tags: , , ,

José Mujica pede a Obama que EUA melhorem relação com o Brasil

AppId is over the quota
AppId is over the quota
Obama e Mujica conversam com a imprensa antes de reunião na Sala Oval da Casa Branca (Foto: BRENDAN SMIALOWSKI/AFP)Obama e Mujica conversam com a imprensa
antes de reunião na Sala Oval da Casa Branca
(Foto: BRENDAN SMIALOWSKI/AFP)

O presidente do Uruguai, José Mujica, pediu nesta segunda-feira (12) a seu colega americano, Barack Obama, que melhore as relações com o Brasil, defendendo que é do interesse de toda a região.

“Pedi a ele que tente melhorar as relações, com um grande respeito, com um país fundamental da América Latina, que se chama Brasil”, disse Mujica, durante entrevista coletiva depois de encontro bilateral na Casa Branca, em Washington.

Mujica não revelou a reação de Obama a seu pedido.

As relações Brasil-Estados Unidos sofreram um afastamento em 2013, depois das revelações de que a Agência de Segurança Nacional americana (NSA, na sigla em inglês) havia interceptado comunicações pessoais eletrônicas da presidente Dilma Rousseff.

O escândalo motivou a suspensão de uma esperada visita de Estado que Dilma faria a Washington em outubro do ano passado.

Desde então, o Departamento de Estado americano e o Itamaraty tentam aparar as arestas e o mal-estar gerado pelo escândalo para recompor o diálogo político e diplomático entre os dois países.

Na semana passada, a subsecretária de Estado americana para a América Latina, Roberta Jacobson, disse à imprensa que as relações bilaterais “estão melhorando”. Segundo ela, essa tendência ficará mais clara após a eleição presidencial no Brasil.

O vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, virá ao Brasil para assistir à estreia da seleção americana na Copa do Mundo em 16 de junho e, no dia seguinte, vai se reunir com Dilma em Brasília.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 14 de maio de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , ,

One Direction estreia no Brasil nesta quinta; veja discografia comentada

AppId is over the quota
AppId is over the quota
Zayn Malik, Niall Horan, Liam Payne, Louis Tomlinson e Harry Styles, do One Direction (Foto: Divulgação/T4F)Zayn Malik, Niall Horan, Liam Payne, Louis Tomlinson e Harry Styles, do One Direction (Foto: Divulgação/T4F)

Boy band mais popular da atualidade, o One Direction talvez não existisse se seus cinco integrantes não tivessem “fracassado” individualmente alguns anos atrás. Em 2010, os garotos participaram do reality show musical britânico The X Factor. Concorrendo cada um por si, foram eliminados antes da final. Mas os produtores do programa viram que, juntos, os rapazes tinham potencial. Assim nasceu o grupo, que nesta quinta-feira (8), no Rio, abre sua primeira turnê no Brasil.

Harry Styles, Niall Horan, Zayn Malik, Liam Payne e Louis Tomlinson lançaram o disco de estreia do One Direction, “Up all night”, em novembro de 2011. Desde então, mantiveram o esquema de um CD de inéditas a cada novembro. Em 2012, veio “Take me home”. Em 2013, “Midnight memories”.

É este trabalho mais recente que sustenta os shows da atual turnê do quinteto, chamada Where we are. A excursão começou no dia 25 de abril e já visitou Colômbia, Peru, Chile, Argentina e Uruguai. No Brasil, passam primeiro pelo Rio. Em seguida, tocam duas vezes em São Paulo, neste sábado (10) e neste domingo (11).

De acordo com o site Setlist.fm, as apresentações na América Latina têm mostrado repertório idêntico. São sempre as mesmas 23 músicas – e elas devem se repetir no Brasil. Veja, a seguir, detalhes da discografia do One Direction e entenda como cada álbum do grupo contribui para os shows. Depois, o provável set list dos shows.

Capa de 'Up all night', do One Direction (Foto: Divulgação)Capa de ‘Up all night’, o CD de estreia
(Foto: Divulgação)

‘Up all night’ (2011)
A estreia do One Direction costuma ceder apenas três músicas aos shows da turnê – e elas devem aparecer apenas na segunda metade da apresentação. O single “What makes you beautiful”, primeiro hit da boy band, não poderia ficar de fora. Geralmente, é a 19ª da noite, logo antes de a banda sair de cena (depois vem o bis).

No Brasil, a música ficou ainda mais conhecida dois anos atrás, ao ser usada no vídeo comemorativo do garoto Nissim Ourfali. Com seus versos cantados em ritmo bem marcado e um refrão simples e feito para gritar junto, “Beautiful” é um pop grudento e encerra a primeira parte do show.

As outras de “Up all night” que têm vez são o single “One thing” (17ª do set), mais uma com versos relativamente tranquilos e refrão explosivo; e “Moments” (a 13ª). Esta sequer faz parte da versão original do CD, já que integra somente a edição “deluxe”.

Do CD, os fãs devem sentir falta de “Gotta be you” (uma balada que poderia funcionar num momento mais calmo ou para testar habilidades vocais dos jovens cantores) e de “More than this”. Também lançada como single, a faixa não tem sido tocado na Where we are tour.

Capa de 'Take me home', do One Direction (Foto: Divulgação)Capa de ‘Take me home’, do One Direction
(Foto: Divulgação)

‘Take me home’ (2012)
O segundo CD do One Direction tem, usualmente, cinco músicas nos shows. Três delas foram lançadas como single. A dançante “Kiss you” (segunda do set), com sua levada à base de sintetizadores e leve influência hard rock, deve render palmas para acompanhar o ritmo.

Essa canção esteve no centro de uma polêmica com o Restart. Quando lançou “Cara de santa”, a banda brasileira recebeu críticas, justamente pelo fato de o arranjo supostamente lembrar o de “Kiss you” . Ao G1, o vocalista e guitarrista Pe Lu disse que tudo não passava de “picuinha” e classificou o trabalho do One Direction de “muito fino”. 

De “Take me home”, a apresentação provavelmente terá ainda o pop festivo de “Live while we’re young”, com seu coro de “ô, ô, ô, ô!” digno de estádio, e a baladona “Little things”, que investe em violões dedilhados e nos vocais sensíveis e emotivos. Finalmente, há o pop rock agitado “C’mon, c’mon”, com seu jeito de trilha sonora para cenas com carros correndo numa estrada, e “Rock me”, que propõe uma mistura de pop, hard rock levemente distorcido e R&B. Um “clássico” exemplar da sonoridade das boy bands.

Capa de 'Midnight memories', do One Direction (Foto: Divulgação)Capa de ‘Midnight memories’, do One Direction
(Foto: Divulgação)

‘Midnight memories’ (2013)
Os singles do disco mais recente merecem toda atenção e aparecem em momentos marcantes do show. O número escolhido para abrir os trabalhos, por exemplo, é a música roqueira cheia de guitarras que batiza o disco. Para o desfecho, mesma coisa: lá está “Best song ever”.

Todos os demais hits de “Midnight memories” estão representados, caso de “Little black dress”, “Story of my life” e “You & I”, que sai como single em 25 de maio. Para se ter uma ideia, o bis só tem faixas do CD mais recente, incluindo “Little white lies”.

O site Metacritic.com, que compila críticas de publicações estrangeiras, dá uma média de 59 para “Midnight memories”. O número é inferior ao obtido por “Up all night” (média de 64) e “Take me home” (média de 68). De acordo com o resumo do portal, o novo disco é “mais rock” que os seus predecessores.

Mas, na avaliação da revista americana “Billboard”, “Midnight” mereceu nota 85 e supera “Take me home”, porque traz “ideias novas interessantes” e ajuda a “manter ouvintes ansiosos para a evolução da banda”. Já a crítica da “Rolling Stone” é menos generosa e atribui nota 50.  Cita que o One Direction “é feliz ao recorrer a riffs de rock e batidas de hip hop”. Mas peca ao oferecer a “baladas ruins que indicam que Bryan Adams encarna o ideal de maturidade” dos meninos.

Repertório da turnê ‘Where we are’, segundo o site Setlist.fm:

1. “Midnight memories”, de “Midnight memories”
2. “Little black dress”, de “Midnight memories”
3. “Kiss you”, de “Take me home”
4. “Why don’t we go there?, da versão deluxe de “Midnight memories”
5. “Rock me”, de “Take me home”
6. “Don’t forget where you belong”, de “Midnight memories”
7. “Live while we’re young”, de “Take me home”
8. “C’mon, c’mon”, de “Take me home”
9. “Right now”, de “Midnight memories”
10. “Through the dark”, de “Midnight memories”
11. “Happily”, de “Midnight memories”
12. “Little things”, de “Take me home”
13. “Moments”, da versão deluxe de “Up all night”
14. “Strong”, de “Midnight memories”
15. “Better than words”, de “Midnight memories”
16. “Alive”, da versão deluxe de “Midnight memories”
17. “One thing”, de “Up all night”
18. “Diana”, de “Midnight memories”
19. “What makes you beautiful”, de “Up all night”

Bis
20. “You & I”, de “Midnight memories”
21. “Story of my life”, de “Midnight memories”
22. “Little white lies”, de “Midnight memories”
23. “Best song ever”, de “Midnight memories”

Serviço
One Direction no Rio
Quando: quinta-feira, 8 de maio de 2014
Horário: 19h30
Onde: Parque dos Atletas (Avenida Salvador Allende, s/n°- Barra da Tijuca)
Capacidade: 35 mil pessoas
Ingressos: de R$ 280 a R$ 600 (com meia-entrada); esgotados
Classificação: não é permitida a entrada de menores de 6 anos; de 6 a 13 anos, permitida a entrada com pais ou responsávei; a partir de 14 anos, permitida a entrada desacompanhados

One Direction em São Paulo
Quando: sábado, 10 de maio de 2014
Show extra: domingo, 11 de maio de 2014
Horário: 19h30
Onde: Estádio do Morumbi (Praça Roberto Gomes Pedrosa, nº 1)
Capacidade: 65 mil pessoas
Ingressos: de R$ 150 a R$ 600 (com meia-entrada)
Classificação: não é permitida a entrada de menores de 6 anos; de 6 a 13 anos, permitida a entrada com pais ou responsávei; a partir de 14 anos, permitida a entrada desacompanhados

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 14 de maio de 2014 em Música

 

Tags: , , , , , ,

Mensalidade do Netflix no Brasil aumenta para R$ 19,90

Os novo assinantes do Netflix, serviço de vídeos por meio de streaming na internet, pagarão uma mensalidade mais alta. De acordo com e-mail enviado para clientes do serviço, o preço para novos assinantes passa a ser de R$ 19,90. O valor já vale para novos clientes a partir desta sexta-feira (9).

Quem já é assinante continua pagando R$ 16,90 por mês para assistir a filmes e seriados durante um ano. A mensagem diz que a partir de junho de 2015 o valor será de R$ 19,90.

O aumento na mensalidade do Netflix é mundial. Ao divulgar seu resultado fiscal do primeiro trimestre de 2014 no final de abril – a empresa teve lucro líquido de US$ 53 milhões – a empresa revelou que o valor pago pelos clientes aumentaria nos EUA entre US$ 1 e US$ 2.

A justificativa da empresa é que com o aumento de preço será possível investir mais na produção de mais conteúdo original, que rendeu séries de sucesso como “House of Cards”, “Orange is the New Black”, uma temporada adicional de “Arrested Development” e outras.

O aumento é o segundo desde que o Netflix chegou ao Brasil em 2011, com mensalidade que custava R$ 14,90. Em abril de 2013 a empresa anunciou o aumento da mensalidade para novos usuários que passou a custar R$ 16,90.

No final de março, a Netflix informou que tinha 35,7 milhões de assinantes de seu serviço de streaming nos Estados Unidos. Nos mercados internacionais, a sua base de clientes atingiu 12,7 milhões, um ganho de 1,8 milhão durante o trimestre.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 14 de maio de 2014 em Tecnologia

 

Tags: , , ,

‘Primeiro rapper do Brasil’, Jair Rodrigues é homenageado por MCs

AppId is over the quota
AppId is over the quota
Rappin Hood e Jair Rodrigues cantam 'Disparada rap' no Encontro com Fátima Bernardes, em julho de 2013 (Foto: Reprodução/TV Globo)Rappin Hood e Jair Rodrigues cantam ‘Disparada
rap’ no Encontro com Fátima Bernardes em julho
(Foto: Reprodução/TV Globo)
A partir da esq.: Rael, Emicida e Jair Rodrigues dividem o palco em show (Foto: Reprodução/Facebook/Emicida)A partir da esq.: Rael, Emicida e Jair Rodrigues
(Foto: Reprodução/Facebook/Emicida)

O cantor Jair Rodrigues, encontrado morto em casa nesta quinta-feira (8) aos 75 anos, é considerado o primeiro rapper brasileiro. Ele conseguiu o status de precursor do gênero por ter lançado, ainda nos anos 1960, “Deixa isso pra lá”. Com versos mais declamados (ou falados) do que cantados, a música se tornou um de seus principais sucessos. A faixa ganhou popularidade também graças à sua coreografia com as mãos.

Pouco depois da notícia da morte de Jair Rodrigues, alguns dos principais MCs do país exaltaram a influência que o cantor exerceu no rap. Por seu pioneirismo, foi chamado de “mestre” e de “professor”.

“Obrigado demais, impossível agradecer por ter compartilhado seu dom e energia conosco. Descanse em paz eterno professor. Muito triste”, escreveu Emicida no Twitter. Em seu perfil no Facebook, publicou uma foto em que aparece ao lado de Jair e de Rael num show.

Outro que se manifestou foi Rappin Hood. “Meu Querido Mestre Jair se foi, todo carinho do mundo a ele e à família Oliveira! Obrigado, Mestre, Eu te amava demais!”, afirmou, ele na rede social. Rappin Hood. O MC chegou a fazer uma parceria com Jair, na música “Disparada rap”, que do disco “Sujeito homem 2” (2005).

Na faixa, Jair canta trechos de um de seus maiores sucessos, “Disparada”, que havia lhe garnatido a vitória no II Festival de Música Popular Brasileira, em 1966.

Em julho de 2013, a dupla participou do programa Encontro com Fátima Bernardes, da TV Globo, onde apresentou “Disparada rap”. Na ocasião, a apresentadora se lembrou de que Rappin Hood costumava dizer que chorou ao ouvir o resultado da gravação com Jair.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 14 de maio de 2014 em Música

 

Tags: , , , ,