RSS

Arquivo da tag: aumento

Aumento nas temperaturas do Pacífico indica forte El Niño

Um aumento nas temperaturas do Oceano Pacífico e o rápido movimento de águas quentes na direção do leste aumentaram a preocupação de que neste ano o fenômeno El Niño possa ser um dos mais fortes em muitas décadas, disse um cientista australiano especializado em clima.

O fenômeno climático El Niño –o aquecimento das temperaturas da superfície do mar no Pacífico– afeta os padrões do vento e pode desencadear tanto inundações como secas em diferentes partes do globo, reduzindo o suprimento de alimentos.

A maioria dos modelos de previsão do tempo indica que o El Niño pode se desenvolver por volta de meados do ano, mas ainda é muito cedo para avaliar sua força, disse a Organização Meteorológica Mundial, da ONU, em 15 de abril.

De acordo com o cientista Wenju Cai, especialista em clima da Organização de Pesquisa Industrial e Científica da Commonwealth, na Austrália, a elevação das temperaturas no oceano Pacífico acima das vistas nos El Niño de anos anteriores e o rápido movimento da água quente em direção ao leste fizeram crescer o medo de um fenômeno significativo este ano.

“Acho que este evento tem muitas das características de um El Niño forte”, disse Cai.

“Um forte El Niño aparece cedo e nós vimos esse evento ao longo dos últimos dois meses, o que é incomum; o vento que causou o aquecimento é bem amplo e há o que chamamos de efeitos pré-condicionados, nos quais é preciso haver uma grande quantidade de calor no sistema para que haja um grande fenômeno El Niño.”

Ele baseou suas conclusões em informações divulgadas pela Administração Nacional Atmosférica e Oceânica dos EUA.

Um forte El Niño iria também elevar a preocupação de que muitas commodities essenciais na Ásia e Austrália sejam afetadas.

View the original article here

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 14 de maio de 2014 em Tecnologia

 

Tags: , , , ,

Aumento nas temperaturas do Pacífico indica forte El Niño

Um aumento nas temperaturas do Oceano Pacífico e o rápido movimento de águas quentes na direção do leste aumentaram a preocupação de que neste ano o fenômeno El Niño possa ser um dos mais fortes em muitas décadas, disse um cientista australiano especializado em clima.

O fenômeno climático El Niño –o aquecimento das temperaturas da superfície do mar no Pacífico– afeta os padrões do vento e pode desencadear tanto inundações como secas em diferentes partes do globo, reduzindo o suprimento de alimentos.

A maioria dos modelos de previsão do tempo indica que o El Niño pode se desenvolver por volta de meados do ano, mas ainda é muito cedo para avaliar sua força, disse a Organização Meteorológica Mundial, da ONU, em 15 de abril.

De acordo com o cientista Wenju Cai, especialista em clima da Organização de Pesquisa Industrial e Científica da Commonwealth, na Austrália, a elevação das temperaturas no oceano Pacífico acima das vistas nos El Niño de anos anteriores e o rápido movimento da água quente em direção ao leste fizeram crescer o medo de um fenômeno significativo este ano.

“Acho que este evento tem muitas das características de um El Niño forte”, disse Cai.

“Um forte El Niño aparece cedo e nós vimos esse evento ao longo dos últimos dois meses, o que é incomum; o vento que causou o aquecimento é bem amplo e há o que chamamos de efeitos pré-condicionados, nos quais é preciso haver uma grande quantidade de calor no sistema para que haja um grande fenômeno El Niño.”

Ele baseou suas conclusões em informações divulgadas pela Administração Nacional Atmosférica e Oceânica dos EUA.

Um forte El Niño iria também elevar a preocupação de que muitas commodities essenciais na Ásia e Austrália sejam afetadas.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 10 de maio de 2014 em Tecnologia

 

Tags: , , , ,

Maduro anuncia aumento de 30% no salário mínimo da Venezuela

AppId is over the quota
AppId is over the quota
Cronologia Venezuela com miss (Foto: Arte/G1)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nesta terça-feira (29) um aumento de 30% no salário mínimo, que se soma ao reajuste de 10% aplicado em janeiro, para fazer frente à inflação de 59,3% registrada nos últimos 12 meses.

“Decidi dar um aumento ao salário mínimo nacional e às pensões de 30%, para elevar o salário e as pensões a níveis necessários para a vida em nosso país”, disse Maduro em um ato no Palácio de Miraflores.

“Isto quer dizer que neste ano já concedemos ao sistema de defesa do salário 43% de aumento”, destacou Maduro, que prevê mais um reajuste do mínimo para o último trimestre de 2014.

Com o aumento de hoje, o salário mínimo venezuelano é de 4.251,71 bolívares (US$ 675 no câmbio oficial), contra uma cesta básica que Maduro calculou em 3.730 bolívares (US$ 592). O mesmo salário comparado ao dólar no paralelo é 10 vezes menor.

Além da inflação anual próxima aos 60%, a Venezuela enfrenta um desabastecimento crônico de produtos básicos, o que provoca longas filas nos supermercados.

Inflação, desabastecimento e insegurança são os principais elementos da onda de protestos que sacode o país há quase três meses, e que já deixou 41 mortos, centenas de feridos e inúmeros detidos.

“Espero que até o final deste ano já tenhamos estrangulando e derrotado esta perversa inflação e possamos transitar para um bom equilíbrio nos preços dos produtos e dos serviços”, disse Maduro, que atribui a situação a uma “guerra” econômica promovida pela oposição.

A Venezuela, país com as maiores reservas de petróleo do planeta, experimentou em 2013 uma forte desaceleração, com crescimento de 1,6% do PIB, muito abaixo dos 3% projetados.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 1 de maio de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , , ,

Aumento em salário dos deputados de Buenos Aires gera polêmica

Os deputados da cidade Buenos Aires, que equivalem aos vereadores no Brasil, receberam um aumento salarial de 57% em 2013, o que gerou polêmica na Legislatura da capital em meio ao crescimento inflacionário vivido pela Argentina após uma forte depreciação do peso.

O deputado da coalização Unen, Gustavo Vera, reiterou nesta sexta-feira (7) que vai apresentar em março um projeto de lei para regular os salários de seus colegas, que oscilam entre os 26 mil (US$ 3,3 mil) e 37 mil pesos (US$ 4,7 mil) mensais, os auxílios, benefícios e impedir futuros aumentos tão elevados como o do ano passado.

“Tenho vergonha de ser um servidor público e ganhar cinco vezes mais do que ganham os cidadãos de Buenos Aires. Vou viver como vinha fazendo até agora: como professor”, disse Vera.

O legislador informou através de sua conta no Facebook que doará 60% de seu salário para uma cooperativa de trabalhadores de uma empresa têxtil e outra de construção da comunidade de etnia Qom La Primavera.

A proposta do deputado determina que os legisladores ganhem um salário equivalente ao de um diretor de escola e exige que seus colegas e suas famílias sejam atendidos em hospitais públicos.

Os deputados do partido majoritário na Câmara portenha, Propuesta Republicana (PRO), e da maior bancada, a Frente para la Victoria (FPV), se opuseram categoricamente a uma redução salarial.

‘Não recebo por antiguidade, não me pagam por título, não temos vagas cativas de estacionamento, não temos carros oficiais, não pagam nossa conta de celular. Quando trabalhava no Congresso ganhava o dobro’, se queixou ao jornal ‘La Nación’ o primeiro vice-presidente da Legislatura, Cristian Ritondo.

‘O salário é correto pela responsabilidade e pela dedicação que, no meu caso, é absoluta: dez horas por dia. Cada trabalhador deve receber de acordo com suas responsabilidades’, disse ao mesmo jornal a deputada Gabriela Alegre, chefe do FPV.

A polêmica começou após a troca de acusações entre funcionários do alto escalão do governo argentino e os sindicatos.

As organizações trabalhistas da Argentina advertem que a inflação diminuiu o poder aquisitivo dos trabalhadores e exigem aumentos salariais para 2014 superiores a 30%.

Segundo dados oficiais, a Argentina fechou 2013 com uma inflação de 10,9%, mas consultoras privadas elevaram o número para até 28,3% e preveem que a inflação se acelere após a desvalorização de 22,3% do peso em janeiro.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 9 de fevereiro de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , , ,

FAO acusa aumento do desperdício dos alimentos na Ásia-Pacífico

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) denunciou nesta terça-feira em Bangcoc “um aumento do desperdício de alimentos” na região Ásia-Pacífico em consequência das colheitas e distribuição, mas também dos maus hábitos dos consumidores.

“Em média, quase 35% se perdem ou são desperdiçados após a colheita”, declarou Hiroyuki Konuma, representante da FAO para a região Ásia-Pacífico.

Segundo os números da FAO, as perdas, de 30% para os cereais, aumentam a 42% para as frutas e verduras produzidas nesta região pelo déficit de planejamento, pragas de insetos ou parasitas e uma logística deficiente.

Konuma ressaltou o “crescente problema do desperdício de alimentos na região” durante uma reunião com 130 representantes de 20 países da Ásia-Pacíficao, do Paquistão às Filipinas.

A região Ásia-Pacífico permanece, no entanto, atrás da Europa e da América do Norte, com 120 quilos de alimentos desperdiçados por habitante ano ano, contra 300 quilos das outras duas regiões, segundo a FAO.

Para o agrônomo indiano Swaminathan, um dos pais da “revolução verde” na Índia, a luta contra o desperdício passa pela “educação e mobilização social”.

Segundo a FAO, a redução de 25% do desperdício de comida no mundo poderia alimentar as 870 milhões de pessoas que sofrem de fome, 536 milhões delas na região Ásia-Pacífico.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 29 de agosto de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , ,

Black Friday Brasil teve aumento de preços, ao invés de descontos

Pesquisa da da Fundação Instituto de Administração mostra que alta média no dia foi de 0,26%, em 1728 produtos

Em vez dos prometidos descontos, a terceira edição brasileira da Black Friday apresentou alta média de 0,26% no preço de 1728 produtos.

Os dados são de estudo elaborado pelo Provar/FIA – Programa de Administração de Varejo da Fundação Instituto de Administração -, em parceria com a Felisoni Consultores e Associados e a Íconna, empresa de monitoramento de preços no e-commerce. De 12 a 30 de novembro, foram analisadas as oscilações de preços de diversos bens duráveis nos sites dos 12 principais varejistas do país e constatou-se que, na Black Friday, houve uma alta nos preços. 

Divididos em 5 períodos, o monitoramento foi feito entre as seguintes datas: 

·         1º período – 12 a 20/11 

·         2º período – 21 a 22/11 

·         3º período – 23/11 – Black Friday 

·         4º período – 24 a 25/11 

·         5º período – 26 a 30/11 

 Comparando estes estágios, os pesquisadores verificaram que, duas semanas antes do principal dia de descontos, houve uma alta de 8,5% nos preços de produtos nas lojas on-line e na Black Friday os valores foram elevados em 0,26%. 

 bfbraumento 

“Durante o estudo esperava-se que os preços fossem todos superiores aos da Black Friday. Porém, no primeiro período, os valores eram bem menores, -7,8%. Em todos os outros intervalos monitorados, as variações de preço foram insignificantes para os consumidores”, afirma Claudio Felisoni, presidente do Conselho do Provar/FIA e autor da pesquisa. 

Outro dado interessante é que 47,5% dos produtos verificados não tiveram alteração de valor por conta da Black Friday. Somente 2,8% dos itens analisados tiveram comportamento típico de promoção pontual, porém o desconto médio foi de pouco mais que 6%. 

Aumento na ‘promoção’
Em sentido contrário ao dia de desconto, 5,1% dos produtos verificados sofreram alta média de 5,6% nos valores, 2,3 p.p a mais do que os produtos que tiveram real desconto. 

Por fim, foi constatado que 92,2% de itens não tiveram o preço alterado durante a Black Friday. “O comportamento monitorado não permite afirmar que houve de fato uma promoção. Se percebido pelos compradores, tal comportamento acaba por desacreditar tais iniciativas”, conclui Felisoni.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 25 de janeiro de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , , ,

iPad Mini impulsiona aumento de vendas de tablets no mundo

As últimas previsões da IDC mostram um aumento contínuo nas vendas de tablets do final de 2012 até o fim de 2016, de acordo com o mais recente relatório Worldwide Quarterly Tablet Tracker da empresa.

A IDC elevou sua estimativa para o número total de tablets a serem vendidos no mundo em 2012, de 117,5 milhões para 122,3 milhões, com base na forte demanda para o iPad mini da Apple e os crescentes números de vendas do Android. A companhia também elevou sua previsão de 2013, de 165,9 milhões de unidades para 172,4 milhões, e de 2016, de 261,4 milhões para 282,7 milhões.

“Tablets Android estão ganhando força no mercado graças a produtos sólidos do Google, Amazon, Samsung e outros. E o lançamento do iPad mini em novembro, juntamente com sua atualização surpresa do iPad, posiciona bem a empresa para a temporada de festas”, disse o diretor de pesquisas de tablets da IDC, Tom Mainelli, em comunicado.

A IDC também prevê que dispositivos baseados em Android serão responsáveis por uma maior proporção de vendas de tablets do que nos anos anteriores. A estimativa da empresa dá aos aparelhos Android 42,7% do mercado global em 2012, em comparação com 39,8% em 2011, enquanto a fatia da Apple está prevista para cair de 56,3% para 53,8% no mesmo período.

Leia também:

– Teste: câmera do iPad Mini impressiona e supera iPhone 4

ipadmini_435

Ryan Reith, que administra os rastreadores de dispositivo móveis na IDC, diz que diferentes aparelhos e configurações são parcialmente responsáveis por essa mudança.

“A amplitude e profundidade do Android tem tido pleno efeito sobre o mercado de tablets, assim como para o segmento de smartphone. As vendas de tablet com o sistema certamente agirão como catalisadoras para o crescimento na categoria de baixo custo em mercados emergentes, já que a plataforma aberta estimula a produção. Ao mesmo tempo, empresas de alto nível, como Samsung, Lenovo e ASUS, estão lançando tablets Android comparáveis a produtos premium, mas oferecem preços muito mais baixos”, diz ele.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 23 de janeiro de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , ,