RSS

Arquivo da tag: agricultores

Exploração da andiroba garante renda a pequenos agricultores do PA

Espalhada por 49 mil quilômetros quadrados, a Ilha do Marajó fica no norte do estado do Pará e é banhada pelo oceano Atlântico e por rios imensos, como o Amazonas. A paisagem combina áreas de mata fechada, com campos, várzeas e alagados; fazendas antigas e muitos rebanhos de búfalos.

No litoral do município de Salvaterra, no leste da ilha, os moradores vivem principalmente da pesca, de pequenos roçados e do aproveitamento da andiroba, uma semente da floresta que vem ganhando importância nos últimos anos. O produto rende um óleo vegetal procurado por indústrias de cosméticos.

A exploração da andiroba é ligada não apenas às florestas, mas também aos rios, lagos e igarapés. O aproveitamento tradicional depende inclusive do movimento das marés. Com nome científico carapa guianensis, a andirobeira cresce bem em terra firme, mas também gosta de baixadas e áreas alagadiças.

Um dos líderes do trabalho com a andiroba no município é João dos Anjos. Ele explica que rios da região são muito influenciados pelo sobe e desce das marés. O leito do Paracauari, por exemplo, aumenta bastante na maré cheia e as águas acabam invadindo a floresta duas vezes por dia.

No leito do Paracauari, uma grande quantidade de galhos, folhas e frutos é carregada pelas águas, inclusive as sementes de andiroba, também conhecidas como castanhas. O produto vai sendo levado pela correnteza até a boca do rio, em uma viagem lenta e constante em direção ao mar.

Depois de flutuar por várias horas, dias, às vezes até semanas, as castanhas de andiroba acabam chegando em praias. É justamente em lugares assim, à beira mar, que as famílias da região fazem a coleta do produto. O serviço não tem dificuldade. Nos meses de safra, entre fevereiro e junho, as praias da região ficam cheias de gente.

A virada começou em 2006, quando ribeirinhos fundaram uma cooperativa para vender a produção em conjunto. Nessa época, uma indústria produtora da óleos começou a comprar a andiroba em quantidade e de maneira regular.

Os cooperados instalaram uma mini-agroindústria que está começando a produzir o óleo da andiroba. Especialista no assunto, João dos Anjos explica que o óleo é mais valioso do que as sementes e também tem mercado garantido.

Na comunidade de Monte Alegre, município de Bragança, nordeste do Pará, a maior parte das famílias trabalha em sítios pequenos e com agricultura variada. O problema é que a vida na roça sempre foi dura. Além de ganhar pouco com os cultivos, os agricultores não sabiam aproveitar os recursos da floresta.  Aliás, a mata era vista como problema.

A mudança de postura é o resultado de um projeto que se baseia principalmente no aproveitamento de um fruto produzido por uma palmeira da floresta: o murumuru, muito utilizado na produção de sabonetes e hidratantes.

O trabalho envolve diversas entidades. Um dos líderes é o padre Nelson Magalhães, que coordena a Cáritas local, um órgão de ação social ligado à Igreja Católica. “Fomos reunindo com as comunidades, buscando qual é a produção que tem na floresta e, ao mesmo tempo, dialogando com as empresas que estão em busca do produto. Se não tiver quem compre também não tem incentivo para conservar produzir ou para juntar semente.”

Hoje, a coleta do murumuru já faz parte da rotina de dezenas de famílias da região. A palmeira dá frutos o ano todo, mas a produção fica mais forte entre abril e agosto. Na comunidade, a coleta do murumuru é uma atividade planejada e coletiva, feita em grupo. Os agricultores se reúnem uma vez por semana e vão todos juntos para fazer a coleta na floresta.

A coleta na mata ocorre num clima animado. Apesar da descontração, o trabalho também é cansativo. Na mata, a temperatura fica quase sempre acima de 30ºC, a umidade do ar passa de 80% e não falta bicho venenoso. Outro perigo são os espinhos que revestem o tronco e as folhas do murumuru.

Saindo da mata, os frutos são levados para os sítios, onde ocorre um primeiro beneficiamento. Na propriedade da família do Carmo, um sítio de 18 hectares, com várias casinhas, primeiro se espalha o murumuru numa lona plástica. Depois de uns dez dias secando, a polpa se desfaz e o que sobra são as sementes. A etapa seguinte é a quebra. O objetivo é retirar a  amêndoa do murumuru que fica dentro da semente.

Para vender melhor a produção, os agricultores de Bragança também formaram uma cooperativa. Além de vender a matéria prima, a cooperativa também começou a investir na fabricação artesanal de cosméticos. Os agricultores fizeram cursos, oferecidos pela indústria compradora, por uma ONG da Alemanha e também pelo Sebrae – o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas.  Os itens mais fabricados são cremes e óleos hidratantes.

A venda de sementes, amêndoas, frutos e também dos cosméticos acaba funcionando como um complemento de renda importante para as famílias.

Apesar do crescente aumento no consumo de perfumes e cosméticos, o aproveitamento de matérias-primas da Amazônia ainda é pequeno. Mas projetos como esses, que acabamos de mostrar, comprovam que a exploração de espécies nativas tem muito a crescer.

Fonte G1

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 21 de janeiro de 2014 em Tecnologia

 

Tags: , , , , ,

Calendário agrícola é alvo de críticas na Suíça por usar ‘falsos agricultores’

Um tradicional calendário que deveria trazer os mais belos agricultores da Suíça gerou críticas depois que foi revelado que os homens que aparecem na edição 2014 do calendário não são agricultores, mas modelos, e que alguns dos participantes nem sequer são suíços.

Seis dos “agricultores” que retratam os meses do calendário são, na verdade, modelos gregos. Além disso, suas fotos haviam sido tiradas inicialmente para uma campanha publicitária de uma marca de roupas íntimas.

Tradicional calendário foi alvo de críticas por trazer modelos, e não agricultores (Foto: Reprodução/bauernkalender.ch)Tradicional calendário foi alvo de críticas por trazer modelos, e não agricultores (Foto: Reprodução/bauernkalender.ch)Seis dos 'agricultores' que retratam os meses do calendário são, na verdade, modelos gregos (Foto: Reprodução/bauernkalender.ch)Seis dos ‘agricultores’ que retratam os meses do calendário são, na verdade, modelos gregos (Foto: Reprodução/bauernkalender.ch)

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 13 de setembro de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , ,

Agricultores recitam poesias para vacas em Burundi

Os agricultores de Burundi inovaram o tratamento de seus animais – eles recitam poemas e poesias para suas vacas. A ação, na cidade de Maramvya, visa melhorar a produção de leite dos animais, segundo os produtores.

Após uma guerra colonial que dizimou a população bovina no país, Burundi está se reconstruindo em torno de seu gado e modernizando seus rebanhos.

De acordo com os agricultores, ao recitar um poema e uma poesia, as vacas ficariam mais “tranquilas” e “relaxadas” no pasto e poderiam ter uma melhor qualidade no alimento e um fortalecimento nos laços sociais.

Agricultores de Burundi apostam nos poemas para melhorar a produção de leite (Foto: Esdras Ndikumana/ AFP)Agricultores de Burundi apostam nos poemas para melhorar a produção de leite das vacas (Foto: Esdras Ndikumana/ AFP)Produtiores acreditam que os animais ficam mais tranquilos e relaxados para a melhor qualidade do alimento (Foto: Esdras Ndikumana/ AFP)Produtores acreditam que os animais ficam mais tranquilos e relaxados com a poesia para ‘fazer’ a melhor qualidade do alimento (Foto: Esdras Ndikumana/ AFP)

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 31 de agosto de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , ,

Argentino cria rede social SojaBook para reunir agricultores

O site foi criado há cinco meses e já agrega mais de 13 mil usuários cadastrados, 75% dos quais brasileiros, diz seu criador

O argentino Mariano Torrubiano, de 31 anos, revendedor de insumos agrícolas e advogado, teve uma idéia, há cerca de um ano, enquanto passeava por uma feira agrícola na Argentina. Numa exposição de tratores, um agricultor, montado em um trator, ouvia música com fones de ouvido ligados a um netbook. Na tela do netbook, o agricultor consultava sua página no Facebook.

“Percebi que a explosão das redes sociais valia também para a área agrícola e era hora de aproveitar e criar uma rede específica”, diz Torrubiano. Assim nasceu a rede social SojaBook, a primeira específica para o segmento de agribusiness. Segundo seu criador, o nome – SojaBook – foi escolhido para facilitar a empatia com agricultores do mundo todo  já que a soja é o cereal mais popular mundialmente.

A rede começou a funcionar na Argentina há cinco meses e agora passa dos 13 mil usuários, sendo que a maioria – 75% – são brasileiros. “O produtor agropecuário brasileiro está muito mais conectado que o resto da América Latina”, diz Torrubiano. O mercado potencial é de 500 mil usuários e a expectativa do criador do SojaBook é chegar a 100 mil cadastrados até o final de 2012. “Temos uma intensa troca de informação entre eles e as páginas de cada um são tão ativas quanto as do Facebook. A diferença é que no lugar da foto de uma pessoa no perfil às vezes tem um trator, uma vaca…”, diz Torrubiano.

Atualmente os países mais ativos na rede são Brasil, Argentina, Uruguai, Rússia, Índia e China, mas há usuários do Leste Europeu, EUA e outros países. O site foi traduzido para dezenas de línguas diferentes visando atingir o contingente global de agricultores e agropecuaristas. O SojaBook tem aplicativos específicos, grupos de discussão, páginas para cada usuário e, como primeira forma de monetização, uma área de classificados. “Estamos apostando em patrocinadores, publicidade e classificados”, diz Torrubiano. O tempo médio por visita no site é de 7 minutos.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 29 de julho de 2012 em Tecnologia

 

Tags: , , , ,

Argentino cria rede social SojaBook para reunir agricultores

O site foi criado há cinco meses e já agrega mais de 13 mil usuários cadastrados, 75% dos quais brasileiros, diz seu criador

O argentino Mariano Torrubiano, de 31 anos, revendedor de insumos agrícolas e advogado, teve uma idéia, há cerca de um ano, enquanto passeava por uma feira agrícola na Argentina. Numa exposição de tratores, um agricultor, montado em um trator, ouvia música com fones de ouvido ligados a um netbook. Na tela do netbook, o agricultor consultava sua página no Facebook.

“Percebi que a explosão das redes sociais valia também para a área agrícola e era hora de aproveitar e criar uma rede específica”, diz Torrubiano. Assim nasceu a rede social SojaBook, a primeira específica para o segmento de agribusiness. Segundo seu criador, o nome – SojaBook – foi escolhido para facilitar a empatia com agricultores do mundo todo  já que a soja é o cereal mais popular mundialmente.

A rede começou a funcionar na Argentina há cinco meses e agora passa dos 13 mil usuários, sendo que a maioria – 75% – são brasileiros. “O produtor agropecuário brasileiro está muito mais conectado que o resto da América Latina”, diz Torrubiano. O mercado potencial é de 500 mil usuários e a expectativa do criador do SojaBook é chegar a 100 mil cadastrados até o final de 2012. “Temos uma intensa troca de informação entre eles e as páginas de cada um são tão ativas quanto as do Facebook. A diferença é que no lugar da foto de uma pessoa no perfil às vezes tem um trator, uma vaca…”, diz Torrubiano.

Atualmente os países mais ativos na rede são Brasil, Argentina, Uruguai, Rússia, Índia e China, mas há usuários do Leste Europeu, EUA e outros países. O site foi traduzido para dezenas de línguas diferentes visando atingir o contingente global de agricultores e agropecuaristas. O SojaBook tem aplicativos específicos, grupos de discussão, páginas para cada usuário e, como primeira forma de monetização, uma área de classificados. “Estamos apostando em patrocinadores, publicidade e classificados”, diz Torrubiano. O tempo médio por visita no site é de 7 minutos.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 29 de julho de 2012 em Tecnologia

 

Tags: , , , ,