RSS

Arquivo da tag: agncias

Premiê russo diz que Ucrânia deve US$16 bi à Rússia, dizem agências

O primeiro-ministro russo, Dmitry Medvedev, disse em uma reunião com o presidente Vladimir Putin, nesta sexta-feira, que a Ucrânia deve no total US$ 16 bilhões à Rússia, disseram agências de notícias locais.

Medvedev disse que a Ucrânia deve US$ 11 bilhões uma vez que o tratado segundo o qual a Rússia fornece gás mais barato a Kiev em troca da base naval de Sebastopol está “sob denúncia”.

Além disso, ele afirmou que a Ucrânia deve US$ 3 bilhões de um recente empréstimo em forma da compra pela Rússia de eurobonds, e que mais US$ 2 bilhões são devidos à estatal russa Gazprom.

Finanças
O vice-ministro das Finanças russo, Alexei Moiseev, afirmou nesta sexta que não espera um grande impacto imediato das sanções do Ocidente ao setor financeiro da Rússia, e argumentou que o perfil de crédito do país não piorou.

“Por enquanto, não vejo consequências severas para o setor financeiro”, disse Moiseev a jornalistas às margens de uma conferência empresarial.

Os Estados Unidos impuseram uma segunda rodada de sanções a Moscou na quinta-feira e a União Europeia também deve anunciar medidas devido às ações da Rússia para anexar a região da Crimeia, tomada da Ucrânia no mês passado.

Moiseev também criticou o rebaixamento da perspectiva de crédito da Rússia por agências de classificação, dizendo que não há base para isso.

Na quinta-feira, tanto a S&P quanto a Fitch revisaram a perspectiva de longo prazo da dívida russa para “negativa”, de “estável”.

Fonte G1

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 21 de março de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , , ,

Agências localizam maconha plantada em parque nos EUA

Guarda florestal encontra plantação de maconha em Parque Nacional de Cascade nos Estados Unidos (Foto: REUTERS/David Snyder/Handout via Reuters)Guarda florestal encontra plantação de maconha em Parque Nacional de Cascade nos Estados Unidos (Foto: REUTERS/David Snyder/Handout via Reuters)

Agências de imposição das leis e policiais fizeram uma operação para erradicar o crescimento de maconha plantada no Parque Nacional de Cascade, um parque nacional de preservação ambiental nos Estados Unidos localizado na cidade de Diablo, no estado de Washington.

Um homem que apoiava as forças locais na operação tirou fotos com folhas de maconha.

Mesmo após a legalização da maconha em alguns estados, as polícias e agências de repressão antidrogas dos Estados Unidos estão exigindo penas mais duras para cultivadores ilegais de maconha se eles invadem terrenos públicos, matam vegetação e vida animal nativa e  aplicam pesticidas.

Guarda florestal mostra planta de maconha em plantação encontrada no Parque Nacional de Cascad (Foto: REUTERS/David Snyder/Handout via Reuters)Guarda florestal mostra planta de maconha em plantação encontrada no Parque Nacional de Cascad (Foto: REUTERS/David Snyder/Handout via Reuters)

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 16 de março de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , ,

Obama vai reduzir uso de metadados na espionagem, dizem agências

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, vai anunciar nesta sexta-feira (17) uma grande reforma no polêmico programa da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) que monitora grande quantidade de dados telefônicos de estrangeiros e norte-americano, disseram fontes graduadas do governo às agências Reuters e France Presse.

Em discurso às 14h (horário de Brasília) no Departamento de Justiça, Obama vai dizer que está ordenando uma transição que vai mudar de forma significativa o uso pela NSA do que ficou conhecido como programa de “metadados” de telefonemas.

A medida de Obama tem como objetivo restaurar a confiança nas práticas de inteligência dos Estados Unidos, e será anunciada após meses de revisão do programa pela Casa Branca, depois das revelações feitas pelo ex-prestador de serviço da NSA Edward Snowden.

Em um aceno aos defensores da privacidade, Obama vai dizer que ele decidiu que o governo não deve mais manter o enorme volume de metadados de telefonemas, uma decisão que pode frustrar alguns oficiais de inteligência.

Além disso, o presidente vai determinar, com efeito imediato, que “nós tomaremos medidas para modificar o programa para que uma decisão judicial seja necessária antes de consultar o banco de dados”, disse a fonte, que revelou detalhes do discurso sob condição de anonimato.

Vazamento
Em um dos maiores vazamentos de segurança da história dos Estados Unidos, Snowden, um ex-contratado da NSA agora exilado na Rússia, divulgou por meses nos meios de comunicação denúncias sobre a espionagem americana de líderes de outros países, como Brasil e Alemanha.

As revelações enfureceram os aliados de Washington, envergonharam a Casa Branca e escandalizaram legisladores e ativistas do direito à privacidade.

O governo assegura que a informação arrecadada é usada apenas para localizar suspeitos de terrorismo e que as autoridades não ouvem ligações telefônicas pessoais.

Obama disse que tentará restaurar a confiança pública nas operações de inteligência.

O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, por sua vez, admitiu que, para o presidente, as revelações de Snowden são prejudiciais, mas as reformas também são necessárias.

Em sua edição de quarta-feira, o “New York Times” ressalta que não se espera uma revolução na maneira de trabalhar da NSA.

Em dezembro, um painel de cinco especialistas escolhidos por Obama formulou 46 recomendações, muitas delas focadas no programa ultrassecreto de coleta de dados das chamadas telefônicas feitas nos Estados Unidos.

“Estamos dando as últimas pinceladas na revisão dos nossos programas de vigilância eletrônica”, declarou Carney, sem comentar a matéria.

Segundo o jornal, é provável que Obama rejeite a recomendação do painel de atribuir às operadoras o poder de armazenar os dados, e não à NSA. Mas seu discurso será marcado por “um espírito de reforma (…) e deixará a porta aberta para novas mudanças mais à frente”.

Os analistas acreditam que a reforma será ainda mais restrita para os programas de vigilância no exterior, já que o grupo de especialistas evitou pedir o final do sistema Prism.

O Prism foi autorizado pelo artigo 702 de uma lei votada em 2008 pelo Congresso e é defendido como um dos instrumentos mais eficazes da NSA. Ele permite acessar e-mails, fotos e demais comunicações eletrônicas trocadas nos sites mais visitados do mundo, como Gmail, Hotmail e Skype.

“No que se refere ao programa 702, conservaremos, a grosso modo, a mesma estrutura que hoje”, disse na terça-feira o professor Peter Swire, um ex-funcionário do governo e especialista no tema.

“Querem ter o direito a ser mais transparentes sobre os dados que proporcionam e as condições em que fazem isso”, explica Mark Rumold, da Electronic Frontier Foundation, mas, “em termos de reforma da legislação, não acho que o presidente Obama proponha grande coisa”.

Depois do pronunciamento de Obama, espera-se que a reforma seja submetida à votação no Congresso. O consenso político que permitiu a aprovação da ‘Patriot Act’ em 2001 já não existe, e os principais críticos dos métodos da NSA se encontram no partido do presidente.

Na véspera do discurso, o jornal “Guardian” publicou as mais recentes revelações dos vazamentos de Snowden.

Segundo a matéria, a NSA teria coletado cerca de 200 milhões de mensagens de texto diários (SMS) de celulares em todo o mundo para extrair informações sobre a localização, redes de contato e cartões de crédito dos usuários.

Prontos para levar sua luta ao Congresso se necessário, os ativistas das liberdades civis esperam pelo discurso de Obama com ceticismo.

“A trajetória do presidente Obama nesses assuntos, de reformador a partidário desses programas, é muito desanimadora”, afirma Kevin Bankston, diretor do Open Technology Institute, da New America Foundation, um centro de estudos em Washington.

“Se ele não assumir a liderança corajosa que é necessário será responsabilidade do Congresso revisar as revelações e esperamos trabalhar com eles para isso”, afirmou Bankston.

Espera-se que Obama defenda medidas extraordinárias para proteger a privacidade de estrangeiros atingidos pelas interceptações eletrônicas e limitar a espionagem de seus aliados.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 17 de janeiro de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , , ,

Obama vai reduzir uso de metadados na espionagem, dizem agências

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, vai anunciar nesta sexta-feira (17) uma grande reforma no polêmico programa da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) que monitora grande quantidade de dados telefônicos de estrangeiros e norte-americano, disseram fontes graduadas do governo às agências Reuters e France Presse.

Em discurso às 14h (horário de Brasília) no Departamento de Justiça, Obama vai dizer que está ordenando uma transição que vai mudar de forma significativa o uso pela NSA do que ficou conhecido como programa de “metadados” de telefonemas.

A medida de Obama tem como objetivo restaurar a confiança nas práticas de inteligência dos Estados Unidos, e será anunciada após meses de revisão do programa pela Casa Branca, depois das revelações feitas pelo ex-prestador de serviço da NSA Edward Snowden.

Em um aceno aos defensores da privacidade, Obama vai dizer que ele decidiu que o governo não deve mais manter o enorme volume de metadados de telefonemas, uma decisão que pode frustrar alguns oficiais de inteligência.

Além disso, o presidente vai determinar, com efeito imediato, que “nós tomaremos medidas para modificar o programa para que uma decisão judicial seja necessária antes de consultar o banco de dados”, disse a fonte, que revelou detalhes do discurso sob condição de anonimato.

Vazamento
Em um dos maiores vazamentos de segurança da história dos Estados Unidos, Snowden, um ex-contratado da NSA agora exilado na Rússia, divulgou por meses nos meios de comunicação denúncias sobre a espionagem americana de líderes de outros países, como Brasil e Alemanha.

As revelações enfureceram os aliados de Washington, envergonharam a Casa Branca e escandalizaram legisladores e ativistas do direito à privacidade.

O governo assegura que a informação arrecadada é usada apenas para localizar suspeitos de terrorismo e que as autoridades não ouvem ligações telefônicas pessoais.

Obama disse que tentará restaurar a confiança pública nas operações de inteligência.

O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, por sua vez, admitiu que, para o presidente, as revelações de Snowden são prejudiciais, mas as reformas também são necessárias.

Em sua edição de quarta-feira, o “New York Times” ressalta que não se espera uma revolução na maneira de trabalhar da NSA.

Em dezembro, um painel de cinco especialistas escolhidos por Obama formulou 46 recomendações, muitas delas focadas no programa ultrassecreto de coleta de dados das chamadas telefônicas feitas nos Estados Unidos.

“Estamos dando as últimas pinceladas na revisão dos nossos programas de vigilância eletrônica”, declarou Carney, sem comentar a matéria.

Segundo o jornal, é provável que Obama rejeite a recomendação do painel de atribuir às operadoras o poder de armazenar os dados, e não à NSA. Mas seu discurso será marcado por “um espírito de reforma (…) e deixará a porta aberta para novas mudanças mais à frente”.

Os analistas acreditam que a reforma será ainda mais restrita para os programas de vigilância no exterior, já que o grupo de especialistas evitou pedir o final do sistema Prism.

O Prism foi autorizado pelo artigo 702 de uma lei votada em 2008 pelo Congresso e é defendido como um dos instrumentos mais eficazes da NSA. Ele permite acessar e-mails, fotos e demais comunicações eletrônicas trocadas nos sites mais visitados do mundo, como Gmail, Hotmail e Skype.

“No que se refere ao programa 702, conservaremos, a grosso modo, a mesma estrutura que hoje”, disse na terça-feira o professor Peter Swire, um ex-funcionário do governo e especialista no tema.

“Querem ter o direito a ser mais transparentes sobre os dados que proporcionam e as condições em que fazem isso”, explica Mark Rumold, da Electronic Frontier Foundation, mas, “em termos de reforma da legislação, não acho que o presidente Obama proponha grande coisa”.

Depois do pronunciamento de Obama, espera-se que a reforma seja submetida à votação no Congresso. O consenso político que permitiu a aprovação da ‘Patriot Act’ em 2001 já não existe, e os principais críticos dos métodos da NSA se encontram no partido do presidente.

Na véspera do discurso, o jornal “Guardian” publicou as mais recentes revelações dos vazamentos de Snowden.

Segundo a matéria, a NSA teria coletado cerca de 200 milhões de mensagens de texto diários (SMS) de celulares em todo o mundo para extrair informações sobre a localização, redes de contato e cartões de crédito dos usuários.

Prontos para levar sua luta ao Congresso se necessário, os ativistas das liberdades civis esperam pelo discurso de Obama com ceticismo.

“A trajetória do presidente Obama nesses assuntos, de reformador a partidário desses programas, é muito desanimadora”, afirma Kevin Bankston, diretor do Open Technology Institute, da New America Foundation, um centro de estudos em Washington.

“Se ele não assumir a liderança corajosa que é necessário será responsabilidade do Congresso revisar as revelações e esperamos trabalhar com eles para isso”, afirmou Bankston.

Espera-se que Obama defenda medidas extraordinárias para proteger a privacidade de estrangeiros atingidos pelas interceptações eletrônicas e limitar a espionagem de seus aliados.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 17 de janeiro de 2014 em Tecnologia

 

Tags: , , , , ,

Extremistas tentam se infiltrar em agências de inteligência dos EUA

AppId is over the quota
AppId is over the quota

A rede terrorista da Al-Qaeda e outros grupos considerados inimigos pelos Estados Unidos tentaram se infiltrar nas agências de inteligência americanas, que iniciaram amplas investigações sobre seus empregados, informou nesta segunda-feira (2) o jornal “Washington Post”.

A CIA revelou que um quinto dos candidatos a um emprego apresentou um perfil suspeito de ter “laços significativos com terroristas e/ou serviços de informação hostis”, publica o jornal ao citar um documento confidencial.

O documento foi entregue por Edward Snowden, ex-técnico de inteligência americano atualmente asilado na Rússia.

Apesar de o documento não dar detalhes sobre a natureza dos vínculos terroristas ou hostis dos candidatos, cita em várias oportunidades o Hamas, o Hezbollah e a Al-Qaeda.

Os temores de uma infiltração levaram a Agência Nacional de Segurança (NSA) a prever no ano passado a investigação de ao menos 4.000 empregados que obtiveram uma habilitação de segurança.

Os principais comportamentos suspeitos incluem a consulta de bases de dados confidenciais por pessoas que habitualmente não têm acesso a elas, ou o download de alguns documentos, explicaram o Post duas pessoas familiarizadas com o programa usado para supervisionaro pessoal.

Mas o programa que custou milhões de dólares não conseguiu detectar quando Snowden baixava uma grande quantidade de documentos confidenciais da NSA.

“Nos últimos anos, um pequeno número de candidatos à CIA foram assinalados por diversos problemas”, declarou uma fonte.

As autoridades americanas intensificaram as análises sobre possíveis ameaças internas depois da divulgação de milhares de documentos confidenciais pelo site WikiLeaks em 2010.

O responsável pelo maior vazamento de informação da história americana foi o soldado Bradley Manning, condenado a 35 anos de prisão.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 2 de setembro de 2013 em Brasil

 

Tags: , , , ,

Equipes de agências humanitárias da ONU continuam na Síria

AppId is over the quota
AppId is over the quota

O pessoal das agências humanitárias da ONU continua trabalhando na Síria, apesar das ameaças de intervenção militar ocidental, informaram seus porta-vozes em Genebra.

“Ninguém nos pediu que saíssemos do país”, afirmou um porta-voz da Unicef.

“Não temos previsto medidas especiais e continuaos com trabalho ante uma afluência adicional de refugiados”, declarou, por sua parte o porta-voz do Acnur (Alto Comissariado para os Refugiados).

Cerca de 1.000 empregados nacionais e expatriados da ONU se encontram atualmente na Síria.

Além disso, uma equipe de inspetores da ONU continua no país fazendo investigações para tentar confirmar o suposto uso de armas químicas em um ataque em Damasco, que segundo a oposição deixou mais de mil mortos.

arte síria versão 28.08 (Foto: Arte/G1)

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 31 de agosto de 2013 em Brasil

 

Tags: , , ,

Scopus recebe prêmio por projeto de expansão de agências do Bradesco

Integrgadora executou projeto de implementação de 1003 agências bancárias espalhadas por todo o território nacional, no prazo de cinco meses.

30 de novembro de 2012 – 17h30

A Scopus Tecnologia, fornecedora de serviços e soluções de TI, recebeu o Prêmio Relatório Bancário 2012 em reconhecimento a sua excelência na atuação no projeto de implementação de 1003 agências bancárias espalhadas por todo o território nacional, no prazo de cinco meses estipulado pelo Bradesco. A empresa levou para casa o troféu na categoria Destaque – Melhor em Serviços de Integração.

Selecionado por um juri de especialistas, entre um universo de mais de 190 cases de soluções adotadas pelo sistema financeiro em 2012, o projeto representou um grande desafio para a Scopus, de acordo com a empresa, que precisou montar uma operação logística avançada e complexa para cumprir a missão recebida do Bradesco. 

O trabalho foi concluído em dezembro do ano passado e envolveu 25 regionais além da matriz da empresa, em São Paulo, e um grupo de 317 profissionais, distribuídos pelo país.

“Preparamos quipes de campo e recebimento, armazenamento e despacho de equipamentos para localidades distintas, muitas delas de difícil acesso físico”, lembra Antonio José Fumes Macedo, superintendente executivo da Scopus. Todos os equipamentos de TI comprados pelo Bradesco para as novas agências foram entregues na matriz da empresa, de onde foram enviados para os vários pontos do Brasil. 

No total, foram 33 mil itens despachados, de 15 tipos diferentes. Dependendo da localidade, os equipamentos consumiram de três a 20 dias para chegar ao destino – alguns precisaram até seguir de avião fretado.

Para dar mais agilidade à instalação em campo, os servidores foram configurados na Scopus, antes de seguirem para o destino. Nas agências e pontos de atendimento, as equipes de campo fizeram a instalação dos equipamentos e a configuração das estações de trabalho e dos equipamentos de rede. Em boa parte das localidades, foi preciso usar o satélite como meio de comunicação, pois não havia links de rede terrestres.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 24 de junho de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , , , ,