RSS

Arquivo da tag: acabar

Bitcoin precisa de regulação para acabar com imagem negativa

Reguladores precisam criar regras para tornar moedas virtuais como o bitcoin mais atraentes para consumidores comuns, disse um advogado da Fundação Bitcoin nesta terça-feira (13).

O bitcoin foi notícia no início de 2014 quando a bolsa com sede em Tóquio Mt. Gox entrou com pedido de falência depois de comunicar a perda de 750 mil bitcoins em um ataque de invasores.

Patrick Murck, advogado geral da Fundação Bitcoin, disse que é necessário cooperação entre as autoridades para criar regras que possam apoiar os usuários que utilizam as moedas digitais de forma responsável.

“Há uma oportunidade de trabalharmos juntos, para que as pessoas parem de dizer que (o bitcoin) é assustador e arriscado”, disse. “O desafio é ter um marco legal que faça sentido para as pessoas”, completou Murck.

Lançado em 2009, o bitcoin permite realizar transações pela Internet. Apoiadores afirmam que o anonimato reduz o risco de fraude, enquanto críticos afirmam que o mesmo anonimato e a falta de uma autoridade central fazem com que seja mais fácil cometer crimes.

View the original article here

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 14 de maio de 2014 em Tecnologia

 

Tags: , , , , ,

Britânica processa advogados após divórcio acabar com seu casamento

Italiana ficou furiosa e entrou com pedido de divórcio. (Foto: Ilustração:Arte/G1)Britânica processou advogados após ‘descobrir’ que
divórcio significaria o fim de seu casamento
(Foto ilustrativa. Arte/G1)

Uma britânica entrou na Justiça para tentar processar os próprios advogados que cuidaram de seu processo de divórcio, já que eles não teriam avisado a mulher que isso significaria o fim de seu casamento com o marido.

De acordo com o jornal “The Independent”, Jane Mulcahy acusou dois funcionários de um escritório de advocacia de negligência profissional, já que os advogados não informaram que o divórcio causaria o fim do casamento, algo que ela alegou que queria evitar.

Mulcahy afirmou que não teria sido informada corretamente devido ao fato de ser católica, e acreditava na visão de “santidade do matrimônio”, que não poderia ser revertido.

Os advogados, de acordo com ela, deveriam ter deixado claro o que seria um divórcio, e recomendado uma separação judicial, que representa um passo antes do divórcio na Justiça.

A corte britânica, no entanto, negou o pedido e a apelação feita por Jane.

View the original article here

 
Deixe um comentário

Publicado por em 14 de janeiro de 2014 em Tecnologia

 

Tags: , , , , ,

Entenda porque o Windows Blue pode acabar com o desktop

Todas as peças se encaixam e os sinais são claros: o fim definitivo do desktop se aproxima. Mas será isso algo tão ruim assim?

Fiéis entusiastas do PC, se preparem. Vocês não vão gostar do que estou prestes a dizer. Em mesmo não gosto, e estou quase aterrorizado em fazê-lo de forma tão direta. Mas é algo que precisa ser dito.

Há uma boa chance de que a Microsoft decida matar o desktop no Windows 9. Nada mais de Gerenciador de Tarefas, Windows Explorer ou compatibilidade com aplicativos legados (escritos para versões anteriores do sistema). Teremos 100% blocos dinâmicos, em 100% do tempo.

Este dia ainda parece distante no horizonte, mas está chegando. De fato se o Windows Blue, a atualização do Windows 8 que vazou há alguns dias na internet, nos mostra algo, é que a Microsoft está disposta a desenfatizar o desktop em favor da nova Modern UI (Interface Moderna).

Leia também
» Por dentro do Windows Blue: 10 coisas legais na próxima versão do Windows
» Livre-se de uma vez da nova interface do Windows 8!

Feito para o toque

Todos já sabem que o Windows 8 (e seu primo simplificado, o Windows RT) é a resposta da Microsoft ao estrondoso sucesso dos smartphones e tablets. Interface feita para o toque! Loja de Apps! Bing Maps! Tem até um modo avião! Mais “mobile” impossível.

A própria introdução da Tela Iniciar foi um mau sinal para os fãs do desktop, mas as nuvens escurecem pra valer quando você começa a notar quanto da funcionalidade básica do Windows está sendo retirada da boa e velha área de trabalho.

Com a exceção do Windows Media Player, não há um único programa essencial da Microsoft no Windows 8 que resida no desktop (e até mesmo o Windows Media Player foi parcialmente substituído pelos apps Música e Filmes). Calendário, Internet Explorer, Email, Mensagens, Pessoas, até mesmo o visualizador de PDFs do sistema adotaram a interface moderna e vivem na Tela Iniciar, e se juntam a apps auxiliares como Finanças, Notícias, Viagens e os já mencionados Música e Vídeo. O Windows 8 foi projetado para que você nunca tenha de acessar o desktop, a não ser que tenha de rodar um programa legado ou fazer algum ajuste mais específico no Painel de Controle.

reviewwin8_inicial-360px.jpg
A Tela Iniciar é a pedra fundamental da interface do Windows 8

Mas mesmo esse nível de engajamento com o desktop parece estar com os dias contados. O Windows 8 ainda exige um “mergulho” no desktop mesmo para funções básicas como mudar o relógio do sistema ou a resolução da tela, mas o Windows Blue traz uma reforma geral da tela Configurações, trazendo muitos dos ajustes que ficavam no painel de controle para uma interface mais amigável ao toque.

E não vamos nos esquecer de como o Menu Iniciar foi chutado do Windows 8 e substituído pela funcionalmente similar (porém melhor) tela Todos os Aplicativos (All Apps). Nem devemos nos esquecer de que é impossível iniciar o Windows 8 diretamente no desktop sem recorrer a apps de terceiros ou truques. Está entendendo o recado?

Mas por quê?

Não é vaidade. A Microsoft tem muito a ganhar com uma mudança para um Windows puramente “moderno”. Em primeiro lugar, as vendas de PCs estão paradas ou vem caindo (em número de unidades entregues pelos fabricantes às lojas) ao longo dos últimos dois anos, com cerca de 350 milhões de unidades em 2012. Não é pouco, mas os smartphones por si só vendem muito mais que os PCs. Foram 208 milhões de unidades apenas no quarto trimestre de 2012. E o IDC (parte do grupo que inclui a PCWorld) espera que as vendas de tablets cheguem a 350 milhões de unidades em 2017.

A Interface Moderna no Windows 8 brilha nos dispositivos móveis, até você ser levado de volta ao desktop por um ou outro motivo. Acabar com ele tornaria o Windows mais palatável a estes explosivos segmentos do mercado, e permitiria que a Microsoft focasse seus recursos em uma só interface unificada.

windowsphone8_ui-360px.jpg
A interface do Windows agora é a mesma no smartphone, tablet ou PC

Além disso, não haveria uma forma mais fácil de silenciar as reclamações sobre o comportamento “bipolar” do Windows 8 do que se livrar de uma das interfaces. E se o desktop (e a compatibilidade com os apps legados) for abandonado, quase todo software para Windows terá de ser distribuído através da Windows Store. Isso não só permitiria que a Microsoft tivesse mais controle sobre a segurança (apps maliciosos são extremamente raros na App Store da Apple, por exemplo) mas também daria à Microsoft um percentual de 30% sobre o preço de todo e qualquer software para Windows. Do ponto de vista dos negócios, uma plataforma “fechada” traz várias vantagens.

Abrindo caminho

Mas nem mesmo a Microsoft pode se livrar de uma “instituição” como o desktop do Windows de uma hora para a outra. É aqui que entra a genialidade do Windows Blue e o suposto ciclo anual de atualizações. Versões anuais do sistema permitirão à Microsoft iterar e apresentar novos recursos mais rapidamente, mas também permitem que a empresa afaste os usuarios do desktop um pouquinho de cada vez, ano após ano, até que sua “morte” seja relativamente indolor. Seria como perder aquele primo de terceiro grau que você só vê em reuniões de família uma vez a cada década.

E, de fato, o desktop já está com um pé na cova.

O Windows Blue e uma rodada de atualizações dos apps do Windows 8 são mais um passo na transição do desktop para a Interface Moderna. A Microsoft está migrando ainda mais funções essenciais do Windows para ela, e implementando melhorias como o novo recurso de tela dividida que facilita a multitarefa, melhor suporte a toque no Email e a habilidade de sincronizar documentos com a nuvem no app do Skydrive para levar os devotos do desktop para o outro da força.

A irrelevância do Painel de Controle é apenas o começo. O site Ars Technica encontrou indícios de uma versão moderna de um gerenciador de arquivos, ainda inacessível, na versão do Windows Blue que vazou na internet.

Mas aparar as arestas do Windows não é a única coisa que a Microsoft precisa fazer antes de matar o desktop. A Interface Moderna é baseda nos blocos dinâmicos, que são parte dos apps “Modernos” feitos sob medida para o Windows 8, e a Windows Store precisa de um “gás” antes que a nova interface possa realmente dominar o Windows. Embora a loja já tenha vários apps de destaque (incluindo, finalmente, um app do Twitter) ela ainda está atrás do Android e iOS tanto em qualidade quanto em quantidade, e a sua velocidade de crescimento caiu vertiginosamente em meses recentes.

A Microsoft está encarando este problema com um novo programa de incentivo aos desenvolvedores, mas eles certamente adotarão a plataforma à medida em que mais e mais usuários migrarem para o Windows 8. Mesmo que as vendas de PC estejam estagnadas, 350 milhões de unidades por ano não é algo de se jogar fora, e a vasta maioria desses computadores novinhos em folha virão com o Windows 8 pré-instalado.

reviewwin8_loja-360px.jpg
A loja no Windows 8 é uma grande oportunidade para a Microsoft

À medida em que as pessoas fizerem o upgrade para o Windows 8, irão encontrar as já mencionadas melhorias – entregues através da Microsoft Store – que aumentam a utilidade a Tela Iniciar e reduzem a do desktop. Você pode até se apegar aos seus preciosos aplicativos no desktop, mas será que o usuário comum se importa se dá duplo clique em um ícone ou um clique em bloco dinâmico, especialmente se as funções básicas do sistema e aplicativos como o Email já lhe ensinaram o jeito “moderno” de ser? Creio que não.

E conforme as pessoas passam uma quantidade maior de tempo com apps feitos sob medida para o Windows 8, os desenvolvedores irão responder com ainda mais apps para o Windows 8. O número de aplicativos disponíveis irá aumentar com o tempo, e isso não precisa acontecer rapidamente. A Microsoft sempre pensa a longo prazo.

Todas as peças se encaixam. E predizem o fim do desktop no Windows 9, seja lá quando ele for lançado.

Barata digital

Não chore pelo desktop (você chorou quando as interfaces gráficas varreram a linha de comando do mapa?). Seu fim irá marcar o início de uma nova era, uma era de computação ubíqua onde tudo é sensível ao toque. Já assistiu a Minority Report?

removermetro_desktop-360px.jpg
Aproveite o desktop… enquanto pode

Além disso, o desktop não irá realmente morrer no Windows 9. Como uma barata ele irá sobreviver em cantos escuros, na forma de edições especializadas ou ferramentas projetadas para que desenvolvedores possam criar seus programas e usuários corporativos possam rodar os aplicativos da era do Windows XP dos quais suas empresas ainda dependem. E quando a Microsoft finalmente puxar a tomada, pode ter certeza de que todas as empresas que ainda não tiverem lançado um app para o Windows 8 o farão rapidamente. Um Windows inteiramente baseado na interface moderna será diferente, mas não algo devastador.

E não será amanhã. Aproveite seu tempo com seus preciosos aplicativos legados enquanto pode, caro entusiasta. Todas as lágrimas do mundo não mudam o fato de que o desktop já morreu, só ainda não foi avisado disso.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 19 de junho de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , ,

Recurso de privacidade do IE10 pode acabar desagradando usuários

Um terço dos entrevistados disse pararia de usar navegadores que impõem o DNT (Não Rastreie) por padrão se isso os impedisse de ter outros benefícios

A decisão da Microsoft de deixar ativado por padrão o recurso “Do Not Track” (DNT), algo como “não rastreie”, no Internet Explorer 10, poderia levar alguns consumidores  a ficarem contra o navegador se ele interferir em características como a memorização de senha e preenchimento automático, diz nova pesquisa.

Desde que foi anunciado há alguns meses que  o “não rastreie” do IE10 foi uma decisão dos usuários, grandes anunciantes têm protestado que este recurso pode minar a personalização de anúncios, do qual o comércio na Internet depende muito.  A principal objeção era que a decisão de ativar o “não rastreie” deve ser feita pelo consumidor, não pela Microsoft. Uma pesquisa da empresa de publicidade digital da YouGov, Mediasyndicator, com 1 987 adultos britânicos, mostrou uma certa confusão sobre os prós e contras de tal abordagem à privacidade.

Uma surpreendentemente taxa de 45% disse que optou por desativar os cookies, com mais da metade dizendo que a publicidade direcionada gerada pelo rastreamento deles raramente era relevante. Em particular o “reajustamento” de propagandas – anúncios servidos aos visitantes depois de terem deixado um site – não caem bem, com apenas 1% descrevendo-os como “relevantes”.  Quase 45% afirmam que simplesmente os ignoraram.

Confusamente, um terço disse que ia parar de usar navegadores que impõem o “não rastreie” por padrão se isso os impedisse de ter outros benefícios, como memorização de senha e preenchimento automático, com 87% valorizando tais características. “Nossos resultados mostram que estas são ações suportadas mais por falta de conhecimento e confusão sobre o propósito da tecnologia de rastreamento, realmente foi projetado para melhorar e personalizar os serviços que lhes são oferecidos na web”, argumentou Spyro Korsanos, CEO da Mediasyndicator.

A interpretação de que os usuários podem se voltar contra o IE10 porque ele estabelece o DNT por padrão parece um exagero; o número de sites para os quais senhas armazenadas e preenchimento automático são definidas por meio de cookies é, para a maioria dos usuários, uma pequena fração do total. Enquanto alguns sites usam cookies como uma forma de facilitar o acesso do consumidor, muitos o utilizam simplesmente como forma de exibir publicidade ou rastrear hábitos de navegação. 

Consequentemente, muitos usuários agora definem seus navegadores para limpar os cookies depois de cada sessão, logando em sites usando gerenciadores de senhas seguras ou de cookies para domínios específicos, o que pode ser feito pelo Firefox.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 19 de março de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , ,

É o fim do mundo? – Parte 4 – (Como ele vai acabar?)

No mês de dezembro, você acompanhou a primeira, a segunda e a terceira parte do nosso artigo sobre as principais profecias a respeito do fim do mundo que, felizmente para nós, não se concretizaram.

Agora, nessa última parte, vamos mostrar um pouco das próximas previsões que videntes, curiosos, místicos, religiosos e cientistas estão preparando para nós, terráqueos. Se prepare, pois no futuro – se depender dessas previsões – esse nosso mundo não vai ser nada fácil pra todos nós!

De acordo com uma apresentação de Power Point que anda circulando pela internet, o mundo está fadado a acabar em algum dia entre 2012 e 2018. O autor da previsão faz uma mistureba de vários assuntos falsos, que vão desde um tal cinturão fotônico a um planeta chamado Ercolubus. Ambos estariam influenciando o bom “funcionamento” da Terra e blá, blá, blá…

Vamos esperar até 2018 para ver se alguma dessas suposições se confirma. Enquanto isso, assista ao vídeo abaixo e leia a nossa pesquisa sobre essa história aqui:

Segundo a repórter Cláudia de Castro Lima, da revista Super Interessante, o mundo pode acabar a qualquer momento! É que, de acordo com a matéria publicada na versão online da revista, a Terra é, na verdade, um planeta gelado que a cada 10.000 anos fica um pouquinho mais quente e, depois, se esfria novamente. Como já se passaram 12.000 anos desde o último ciclo, a qualquer momento poderemos virar picolé!

Ambientalistas sugerem que o aumento gradativo da temperatura média do planeta levará à enormes problemas à vida terrestre nos próximos 100 anos. Efeito estufa, degelo das calotas polares e consequente inundação de vários locais próximos ao mar serão alguns dos desastres que, possivelmente, poderá acabar com a nossa existência (caso não seja feito nada para reverter o tal aquecimento global até lá).

O astrônomo americano James Kasting, através de inúmeros cálculos e simulações por computador, chegou à conclusão o nosso sol irá durar “apenas” mais 2 bilhões de anos! Segundo James, suas previsões são bem mais pessimistas do que o da maioria dos cientistas supõe (que é em torno de 5 bilhões) e que antes disso, daqui 900 milhões de anos, o Sol vai estar tão quente que nenhum ser vivo na Terra irá aguentar.

O canal de TV National Geographic em sua série “O Fim do Universo” afirma que o universo, possivelmente, só dure uns poucos 50 bilhões de anos, quando o “Big Crunch” (efeito previsto apenas em teoria que afirma que universo deva sofrer uma retração e voltará ao seu tamanho original) ocorrerá. Já, outro grupo de astrônomos imagina que ocorrerá o contrário: O universo irá continuar a se expandir até que sua matéria escura reduza tudo a partículas fundamentais. Ainda bem que qualquer uma dessas duas previsões ocorrerá (se acontecer) em um tempo em onde ninguém da sua família vai estar vivo para presenciar.

Essa foi a quarta e última parte desse artigo onde falamos sobre os possíveis fins do mundo. Se o mundo não acabar nos próximos dias, prometemos os demais capítulos em breve.

J. Allan Danelek . 2012: Extinction or Utopia – Doomsday Prophecies Explored. Editora Llewellyn. 2009Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 11 de fevereiro de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , ,

Sinal amarelo: Discussão na UIT pode acabar permitindo controle da Internet

A Internet Society diz que decisão do presidente da conferência transformou uma consulta informal em voto no processo

A Conferência Mundial das Telecomunicações Internacionais (WCIT) aparentemente colocou um item que coloca a Internet nas regulamentações sendo desenvolvidas na reunião – o que gerou muita controvérsia.

No final das sessões de quarta-feira (12) da WCIT, que continuaram à noite e foram concluídas na manhã desta quinta (13) em Dubai, o presidente da conferência, aparentemente, transformou um processo informal em um voto, de acordo com a Internet Society.

A adoção de uma resolução sobre a Internet violou garantias de que o Regulamento das Telecomunicações Internacionais (ITRs), em discussão no WCIT, não seria sobre a Internet, disse o grupo não-governamental, que defende a igualdade de acesso à Internet. Não ficou imediatamente claro o que a resolução declarou.

Os EUA, a União Europeia e outros países se opuseram a “colocar” a Internet sob o ITR, e este tem sido um dos principais problemas na WCIT. O tratado a ser desenvolvido na reunião deve ser assinado até sexta-feira (14). Vários comentaristas no Twitter manifestaram preocupação com o processo de tomada de decisão, alguns chamando-o de “voto/não-voto.”

“O que foi denominado como a obtenção de uma ‘temperatura ambiente’ pelo presidente da conferência se transformou em um ‘voto’ aparente para incluir uma Resolução de Internet na ITRs”, disse a Internet Society. Essa ação “resultou em muita confusão entre os delegados”, disse o grupo. O órgão expressou preocupação de que a o trecho sobre concorrência, liberalização do fluxo livre de informação e regulação independente havia sido, em grande parte, retirada do texto do tratado.

“Adicionalmente, e ao contrário das garantias de que este tratado não é sobre a Internet, a conferência parece ter aprovado, por maioria, uma resolução sobre a Internet”, disse a sociedade em comunicado. “Alterações aparentemente foram feitas no texto, mas não foram publicadas antes de um acordo. Este é claramente um desenvolvimento decepcionante e esperamos que o amanhã traga uma oportunidade de reconsideração desta abordagem”.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 23 de janeiro de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , , , ,

Sinal amarelo: Discussão na UIT pode acabar permitindo controle da Internet

A Internet Society diz que decisão do presidente da conferência transformou uma consulta informal em voto no processo

A Conferência Mundial das Telecomunicações Internacionais (WCIT) aparentemente colocou um item que coloca a Internet nas regulamentações sendo desenvolvidas na reunião – o que gerou muita controvérsia.

No final das sessões de quarta-feira (12) da WCIT, que continuaram à noite e foram concluídas na manhã desta quinta (13) em Dubai, o presidente da conferência, aparentemente, transformou um processo informal em um voto, de acordo com a Internet Society.

A adoção de uma resolução sobre a Internet violou garantias de que o Regulamento das Telecomunicações Internacionais (ITRs), em discussão no WCIT, não seria sobre a Internet, disse o grupo não-governamental, que defende a igualdade de acesso à Internet. Não ficou imediatamente claro o que a resolução declarou.

Os EUA, a União Europeia e outros países se opuseram a “colocar” a Internet sob o ITR, e este tem sido um dos principais problemas na WCIT. O tratado a ser desenvolvido na reunião deve ser assinado até sexta-feira (14). Vários comentaristas no Twitter manifestaram preocupação com o processo de tomada de decisão, alguns chamando-o de “voto/não-voto.”

“O que foi denominado como a obtenção de uma ‘temperatura ambiente’ pelo presidente da conferência se transformou em um ‘voto’ aparente para incluir uma Resolução de Internet na ITRs”, disse a Internet Society. Essa ação “resultou em muita confusão entre os delegados”, disse o grupo. O órgão expressou preocupação de que a o trecho sobre concorrência, liberalização do fluxo livre de informação e regulação independente havia sido, em grande parte, retirada do texto do tratado.

“Adicionalmente, e ao contrário das garantias de que este tratado não é sobre a Internet, a conferência parece ter aprovado, por maioria, uma resolução sobre a Internet”, disse a sociedade em comunicado. “Alterações aparentemente foram feitas no texto, mas não foram publicadas antes de um acordo. Este é claramente um desenvolvimento decepcionante e esperamos que o amanhã traga uma oportunidade de reconsideração desta abordagem”.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 23 de janeiro de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , , , ,