RSS

Cuba rejeita inclusão em lista dos EUA de apoiadores do terrorismo

02 maio

AppId is over the quota
AppId is over the quota

Cuba rejeitou “energicamente” sua inclusão na lista elaborada pelos Estados Unidos sobre países patrocinadores do terrorismo, considerando-a uma manobra para justificar o embargo mantido por Washington contra a ilha, declarou a Chancelaria cubana nesta quinta-feira (1º).

No relatório “Relatório sobre Terrorismo em 2013”, divulgao nesta quarta, o país aparece junto a Irã, Sudão e Síria como “Estados que patrocinam o terrorismo”.

De acordo com a nota, publicada na imprensa local, Cuba “rejeita energicamente a manipulação de um tema tão sensível quanto o terrorismo internacional para transformá-lo em instrumento da política contra Cuba e pede que se exclua definitivamente o nosso país dessa lista espúria, unilateral e arbitrária”.

Ainda segundo o comunicado do Ministério, a inclusão de Cuba na lista de países patrocinadores do terrorismo é usada por Washington para “justificar, a qualquer custo, o bloqueio, fracassado e rejeitado por unanimidade pela comunidade internacional”. O embargo é mantido por Washington desde 1962.

Havana também rejeitou a acusação de que a ilha seja santuário de “fugitivos” da Justiça americana.

“Concedeu-se asilo a alguns desses cidadãos legitimamente, enquanto que outros cometeram delitos nos Estados Unidos, foram devidamente julgados e punidos e decidiram morar em Cuba após o cumprimento de suas sentenças”, frisou a nota oficial.

A Chancelaria disse ainda que o mesmo relatório americano reconhece que “o governo de Cuba apoiou e promoveu negociações entre as Farc e o governo da Colômbia, com o objetivo de obter um acordo de paz entre ambas as partes”.

Um das críticas feitas à ilha no documento americano é o fato de abrigar e apoiar membros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

O informe americano, insiste Cuba, reconhece que “não há informações de que o governo cubano tenha fornecido armamento, ou dado treinamento paramilitar a grupos terroristas” e que “membros do grupo ETA residentes em Cuba foram recebidos com a cooperação do governo espanhol”.

Na década de 1990, membros da organização separatista basca ETA foram acolhidos em Cuba, graças a um acordo entre os presidentes da época, o cubano Fidel Castro e o espanhol Felipe González.

“Cuba é um desses países que, por defender sua independência e dignidade, sofreu durante décadas as consequências de atos terroristas, organizados, financiados e executados do território dos Estados Unidos, com um saldo de 3.478 mortos”, concluiu o Ministério cubano das Relações Exteriores.

View the original article here

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 2 de maio de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: