RSS

Ofensiva judicial chavista mobiliza a oposição nas ruas de Caracas

21 mar

A ofensiva judicial chavista contra uma deputada e dois prefeitos da oposição elevou a tensão na Venezuela, onde foram convocados novos protestos para esta quinta-feira (20) contra o governo de Nicolás Maduro.

O prefeito de San Cristóbal – capital do estado de Táchira e foco da onda de protestos que sacode a Venezuela – foi detido na quarta-feira pelo Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin) por fomentar uma “rebelião civil” e instigar à violência, informou o ministro do Interior, Miguel Rodríguez.

“O I Tribunal do estado de Táchira, através do Ministério Público, decretou a captura do prefeito Daniel Ceballos (…), o que já foi efetuado pelo Serviço Bolivariano de Inteligência”, disse Rodríguez ao canal estatal VTV.

Manifestante anti-governo protesta em Caracas nesta quarta-feira (19) (Foto: Esteban Félix/AP)Manifestante anti-governo protesta em Caracas nesta quarta-feira (19) (Foto: Esteban Félix/AP)

“Isto é um ato de justiça ante um prefeito que não apenas deixou de cumprir as obrigações que a lei e a Constituição impõem, mas que facilitou e apoiou toda a violência irracional que se desatou na cidade de San Cristóbal”, afirmou o ministro.

Mais tarde, o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) informou que o prefeito de San Diego (estado de Carabono, norte), Enzo Scarano, foi condenado a 10 meses de prisão e foi destituído de suas funções por “desacato” durante os protestos da oposição.

O TSJ informou através de seu site que foram decretadas punições contra Scarano e o chefe da polícia municipal, Salvatore Lucchese, “dez meses e 15 dias de prisão, mais os agravantes” por “desacato ao mandamento de liminar ditada pela sentença N° 136 do dia 12 de março”.

“Além disso, Vicencio Scarano Spisso está destituído de suas funções no cargo de prefeito do município San Diego do estado de Carabobo”, afirmou o tribunal em uma nota de imprensa.

O TSJ disse que “os dois cidadãos ficaram às ordens do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin) e se estabeleceu como lugar de reclusão a sede do mencionado órgão situado em Caracas” até que se determine o lugar definitivo de cumprimento da sentença.

A reação não demorou entre os líderes da oposição.

Henrique Capriles acusou Maduro de colocar fogo na situação e disse que o presidente “será responsável pelo que acontecer no país”.

“Com a detenção fascista do Prefeito de SC Daniel Ceballos, Nicolás tomou a decisão de aumentar o conflito em Táchira e na Venezuela”, escreveu Capriles no Twitter, onde também questionou se o governo quer “paz ou guerra?”.

Em outra mensagem, o governador do estado Miranda e ex-candidato presidencial disse diretamente ao chefe de Estado: “É claro, Nicolás, que você quer mais confronto e promover a violência em todo o país”.

Vários líderes estudantis convocaram novas passeatas nesta quinta-feira em muitas cidades do país em “solidariedade ao atropelo contra os prefeitos”.

Ofensiva judicial
As duas detenções são parte da ofensiva judicial do chavismo contra os opositores.

Maduro acusa os líderes opositores de promover ‘um golpe de Estado’ com os protestos contra a insegurança, a falta de produtos e a inflação.

Em um mês e meio, 30 pessoas morreram nos protestos na Venezuela.

Na terça-feira, a maioria chavista da Assembleia Nacional aprovou um pedido de investigação da Procuradoria contra a deputada opositora María Corina Machado, também acusada de promover a violência na onda de protestos.

Líderes opositores detidos Daniel Ceballos é o segundo dirigente da Vontade Popular a ser detido por promover a violência na onda de protestos contra o governo do presidente Nicolás Maduro, iniciada em San Cristóbal no dia 4 de fevereiro.

Leopoldo López, máximo líder da Vontade Popular, está em uma prisão militar desde 18 de fevereiro, também por promover a violência ligada aos protestos.

Rodríguez explicou que o Sebin realizará a “respectiva apresentação (de Ceballos) ao tribunal”.

María Machado e Leopoldo López são os principais promotores da “Saída”, a estratégia de ocupar as ruas da Venezuela para obter o fim do governo de Nicolás Maduro.

López, acusado inicialmente de homicídio e terrorismo, foi detido por ordem da Procuradoria sob a acusação de “incêndio intencional, instigação pública, dano à propriedade pública e formação de quadrilha”.

Machado é acusada pelos deputados chavistas de “instigação ao crime, traição à pátria e homicídio”.

A Venezuela vive desde o início de fevereiro um período de agitação social que já deixou 30 mortos e 400 feridos. As manifestações contra o governo de Maduro apontam diretamente para a inflação fora de controle, a falta de produtos básicos e a alta criminalidade no país.

Na quarta-feira, dezenas de moradores do distrito de Chacao – foco da oposição no leste de Caracas – protestaram contra a presença da Guarda Nacional na região, determinada diretamente por Maduro para acabar com as manifestações.

Com a chegada da noite, a Praça Altamira de Chacao foi ocupada por cerca de 500 pessoas, que fizeram uma corrente humana e lembraram os mortos nos protestos.

“Não acredito que o povo esteja cansado de protestar. Vou permanecer nas ruas por meses se for preciso (…). Acredito que as manifestações estão tomando outra projeção e outras pessoas estão vindo (…), gente que não é estudante”, disse à AFP Vilma Molina, uma pedagoga de 53 anos.

Fonte G1

 
Deixe um comentário

Publicado por em 21 de março de 2014 em Brasil

 

Tags: , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: