RSS

Até onde vai a liberdade de expressão e proteção de dados na internet?

19 mar

Publicada em 30/01/2013 19:45

Liberdade de expressão é um tema complexo. Proteção de dados pessoais, idem. Quando olhados da perspectiva da internet e dos desafios da era digital, então… Até onde vão os nossos direitos e onde começam os dos outros? Há necessidade de regular a Internet? O que ganhamos e o que perdemos com iniciativas como a do Marco Civil da Internet?

Um pouco de cada uma dessas questões veio à tona o hangout sobre Liberdade de Expressão e Proteção de Dados na Internet promovido hoje pela Google Brasil, que tive a oportunidade de mediar. Os convidados, Maurício Azedo,  presidente da Associação Brasileira de Imprensa, Vitor Hugo Freitas, presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia  da OAB-SP e membro da ISOC-br e Marcelo Leonardi , diretor de políticas públicas do Google Brasil e professor da FGV-SP,  foram unânimes em refutar a imposição de restrições à liberdade de expressão na Internet. Mas reconhecem, todos, que as liberdades na Internet, e ela mesma, Internet, enquanto meio não regulado, correm sérios riscos.

A liberdade de expressão é um direito fundamental e deve ser interpretado no contexto de direitos humanos. Contudo não é um direito absoluto. Cada Participante, sob a ótica das organizações que representam, reconhece ainda a importância de marcos jurídicos adequados que possam proteger direitos correlatos ao da liberdade de expressão, assegurado na Constituição, como o direito à privacidade, o direito à honra, o direito à intimidade, sem correr riscos de suprimir o direito à liberdade de expressão por completo.

Vale assistir. Além de instrutivo, o papo, de uma hora, esclarece vários pontos sobre o assunto.

Proteção de dados
Quando o assunto é a proteção de dados pessoais, o The Register acaba de publicar que a Apple e o Google  não se saíram tão bem no ranking das empresas mais confiáveis ??para proteger a privacidade e as informações pessoais de seus clientes, publicada anualmente pelo Ponemon Institute. A Apple ocupa agora o 21º lugar. E Google, que chegou a estar entre as dez mais nos últimos anos, também caiu é outra gigante da internet que ão integra a lista das 20 empresas mais confiáveis.

Como vêm fazendo nos últimos sete anos, os pesquisadores  do Ponemon ouviram mais de 100 mil adultos residentes nos Estados Unidos e pediu a cada um deles para, entre outras coisas, citar as empresas mais confiáveis ??para proteger a privacidade de suas informações pessoais. A empresa apontada como a mais confiável, desta vez, foi a American Express. A HP aparece na segunda posição seguida pela Amazon, IBM, e o Serviço Postal dos Estados Unidos. O eBay, que em 2007 também chegou a ser líder, caiu para a nona posição.

O relatório do Ponemon Institute vale uma leitura rápida. Traz informações relevantes sobre a percepção das pessoas a respeito da proteção de seus dados, especialmente na Internet. As pessoas ouvidas estão cada vez mais pessimistas em relação o maior controle que  sentem que as empresas têm sobre suas informações pessoais.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 19 de março de 2013 em Tecnologia

 

Tags: , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: