RSS

Quase metade dos CIOS desconhece as dívidas da TI

12 out

Estudo global com 590 diretores e gerentes de tecnologia revelou que 46% não sabem que possuem débitos nem contam com sistemas estruturados para medir e administrar despesas em atraso.

Perto de 46% dos principais responsáveis de TI, que atuam em empresas do setor e em departamentos de companhias de outros segmentos da economia, revelaram que não conhecem o valor da dívida da área, criando um passivo oculto para as organizações e riscos para os negócios. As conclusões são do estudo mundial “Mainframe Transformation: the Elephant in the Room”, realizado pela consultora Vanson Bourne, a pedido da Micro Focus.

O relatório define com dívida da TI despesas em atraso com manutenção e atualização do portfólio de aplicações da empresa. A pesquisa abordou 590 CIOs e diretores de TI do mercado mundial.

Os entrevistados afirmaram que, em média, as dívidas de TI chegam a cerca de 10,9 milhões de dólares. Desse total, 8,5 milhões de dólares são relacionados com aplicações mainframe. As previsões deles são de que esse valor aumentará 9% nos próximos cinco anos.

A Gartner prevê que as dívidas totais da TI de todas as empresas no mercado mundial alcançarão um trilhão de dólares nos próximos cinco anos. No seu relatório 2012 Planning Guide: Application Delivery Strategies, a consultoria recomenda que os líderes do setor lancem um programa técnico para gerir débitos em atraso para poder compreender e enfrentar este problema.

De acordo com o estudo da consultora Vanson Bourne, 44% dos participantes reconheceram não dispor de qualquer processo estruturado para medir e gerir a sua dívida atual ou nem sabem sequer que sua área está em débito. Outros 45% dos entrevistados disseram que não dispõem de sistemas para fazer esse tipo de controle e também que não tinham pensado nesse tipo de implementação.

Apesar disso, 87% dos entrevistados confirmaram que dispõem de um processo de revisão estruturada e estratégias para o seu portfólio de aplicações, que revisam, em média, de quatro em quatro meses. Contudo, mais de metade (57%) admitiu não ter uma visão clara dos débitos.

Entre os entrevistados, um em cada 20 confessou que o seu portfólio de aplicações era um “emaranhado de confusões”. Quase um quinto (18%) afirmou dispor de aplicações que não sabia atualizar e nas quais não se atrevia a tocar.

Outros 18% confirmaram que tinham aplicações redundantes que consomem recursos MIPS (milhões de instruções por segundo) de seu processamento, mas que não sabem como identificá-las para eliminá-las.

Uma outra parcela de 15% dos executivos disse que a atividade de fusão e aquisição tinha criado um panorama muito confuso das aplicações que gerenciam.

View the original article here

This post was made using the Auto Blogging Software from WebMagnates.org This line will not appear when posts are made after activating the software to full version.

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 12 de outubro de 2012 em Tecnologia

 

Tags: , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: